Perfil epidemiológico sobre acidente vascular encefálico no município de Araçatuba

Autores

  • Fernando Akio Saito Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium
  • Rafael Flamarin Cavasana Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium
  • Manuella Gomes Corrêa Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium
  • Lucila Bistaffa de P aula Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium

Palavras-chave:

Acidente Vascular Encefálico. Perfil Epidemiológico. Fatores de Risco.

Resumo

Objetivo: Analisar o perfil epidemiológico da população acometida por Acidente Vascular Encefálico (AVE) em Araçatuba - São Paulo (SP), estimar a importância dos indicadores de prevalência e incidência de AVE no município, correlacionando aos dados nacionais e estaduais e avaliar a mortalidade para AVE, segundo idade, sexo, escolaridade, cor/ raça e tempo de internação, além de correlacionar com os gastos anuais na terapêutica da doença. Métodos: Trata-se de um estudo epidemiológico descritivo, retrospectivo, e documental, com abordagem quantitativa dos casos registrados de AVE nos sistemas de internação hospitalares disponíveis no banco DATASUS, de pacientes do município de Araçatuba, localizado na região Noroeste do Estado de SP, entre 2008 a 2018. Resultados: Os resultados evidenciaram que o município de Araçatuba teve um decréscimo percentual de 10% (14 casos) no período avaliado, além disso 1.718 (74,17%) dos indivíduos acometidos por AVE eram da raça branca, 2.181 (94,17%) eram predominantemente da faixa etária acima dos 40 anos. Quanto aos atendimentos, 2.315 (99,95%) dos atendimentos por AVE são de caráter urgente, tempo médio de permanência teve um aumento de 2,4 (46,15%) dias de permanência e os custos de atendimentos no município representam 0,92% do gasto total do estado de SP. Conclusão: Nosso estudo observou que a incidência de AVE no município é influenciada por faixa etária acima dos 60 anos, baixo nível de escolaridade, raça branca e sexo masculino.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

MACHADO, ALG.; JORGE, MSB; FREITAS, CHA. A vivência do cuidador familiar de vítima de Acidente Vascular Encefálico: uma abordagem interacionista. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 62, n. 2, p. 246-51, abr. 2009.

CRUZ, KCT DA; DIOGO, MJD. Avaliação da capacidade funcional de idosos com acidente vascular encefálico. Acta Paulista de Enfermagem, v. 22, n. 5, p. 666-72, out. 2009.

BRITO, ES; RABINOVICH, EP. A família também adoece!: mudanças secundárias à ocorrência de um acidente vascular encefálico na família. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, v. 12, n. 27, p. 783-94, dez. 2008.

BRITO, ES; RABINOVICH, EP. Desarrumou tudo! O impacto do acidente vascular encefálico na família. Saúde e Sociedade, v. 17, n. 2, p. 153-69, jun. 2008.

OLIVEIRA, MR DE; ORSINI, M. Escalas de avaliação da qualidade de vida e m pacientes brasileiros após acidente vascular encefálico. Revista Neurociências, v. 17, n. 3, p. 255-62, 23 jan. 2019.

CASTRO, JAB DE; EPSTEIN, MG; SABINO, GB; NOGUEIRA, GLO; BLANKENBURG, C; STASZKO, KF et al. Estudo dos principais fatores de risco para acidente vascular encefálico. Revista da Sociedade Brasileira de Clínica Médica, v. 7, p. 171-3, 2009.

CONCEIÇÃO, ML; CONCEIÇÃO, ML; PIMENTEL, PHR. Qualidade de vida de indivíduos pós acidente vascular cerebral: uma revisão integrativa. Research, Society and Development, v. 10, n. 14, p. e506101422746, 12 nov. 2021.

OLIVEIRA, BC DE; GARANHANI, ML; GARANHANI, MR. Cuidador de pessoa com acidente vascular encefálico: necessidades, sentimentos e orientações recebidas. Acta Paulista de Enfermagem, v. 24, n. 1, p. 43-9, 2011.

Primeiro consenso brasileiro para trombólise no acidente vascular cerebral isquêmico agudo. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, v. 60, n. 3A, p. 675-80, set. 2002.

MAZZOLA, D. et al. Perfil dos pacientes acometidos por acidente vascular encefálico assistidos na Clínica de Fisioterapia Neurológica da Universidade de Passo Fundo. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, p. 22-7, 2007.

CHAVES, MLF. Acidente vascular encefálico: conceituação e fatores de risco. Revista da Sociedade Brasileira de Hipertensão, v. 4, p. 372-82, 2000.

ARAÚJO, A; SILVA, P; MOREIRA, R et al. Prevalência dos fatores de risco em pacientes com acidente vascular encefálico atendidos no setor de neurologia da clínica de fisioterapia da UNIPAR - campus sede/Prevalence of the risk factors in the patients with stroke attended in the sector of neurology of the clinic of physiotherapy of the UNIPAR - campus. Arquivos de ciências da saúde da UN IPAR,v. 12,n. 1, p. 35-42. 2008

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Especializada. Manual de rotinas para atenção ao AVC. 1ª ed. Brasilia-DF: Ministério da Saúde; 2013.

Hospital Alemão Oswaldo Cruz, Ministério da Saúde. Neurologia - Suporte Básico de Vida (SBV) 2ª ed. Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde, editor. Vol. 5. Hospital Alemão Oswaldo Cruz; 2018.

LESSMANN, JC et al. Atuação da enfermagem no autocuidado e reabilitação de pacientes que sofreram Acidente Vascular Encefálico. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 64, n. 1, p. 198-202, fev. 2011.

SÁ, B; GRAVE, M; PÉRICO, E. Profile of patients hospitalized with Stroke in a hospital of Vale do Taquari/RS. Revista Neurociências, v. 22, n. 03, p. 381-7, 1 set. 2014.

AFONSO CARLOS, N. et al. Custos do Paciente com Acidente Vascular Cerebral no Setor de Emergência do Hospital São Paulo. Revista Neurociências, v. 10, n. 3, 2002.

FIGUEIREDO, MM DE; BICHUETTI, D. B.; GOIS, AFT. Evidências sobre diagnóstico e tratamento do acidente vascular encefálico no serviço de urgência. Diagn Tratamento, v. 17, n. 4,p. 167-72, 2012.

PEREIRA, LFDML; SILVA, AM DA; FRANÇA EFG DE et al. ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA A IDOSOS PORTADORES DE ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO. Realize Editora, editor. Anais V CIEH, 20 de dezembro, 2017.

SEHN, M; LEDUR, FK; SEHN, I; SEHN, B; RAUBER, R; ALMEIDA, LP de. Factors that can influence the length of hospital stay in patients with Ischemic Stroke. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 8, p. e20710817107, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i8.17107.

BARBOSA, AM DE L. et al. Perfil epidemiológico dos pacientes internados por acidente vascular cerebral no nordeste do Brasil.Revista Eletrônica Acervo Saúde, v. 13, n. 1, p. e5155, 31 jan. 2021.

BOTELHO T. DE S; NETO, CDM; ARAÚJO, FLC DE et al. Epidemiologia do acidente vascular cerebral no Brasil. Temas em saúde,v. 2, n. 16, p. 361-77, 2016.

GASPARI, AP et al. Predictors of prolonged hospital stay in a Comprehensive Stroke Unit. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 27, [s.d.].

SCHUSTER, RC et al. Caracterização de internações hospitalares por acidente vascular encefálico na cidade de Passo Fundo - RS. ConScientiae Saúde, v. 8, n. 4, p. 581-5, 3 mar. 2010.

LEITE, HR; NUNES, APN; CORRÊA, CL. Perfil epidemiológico de pacientes acometidos por acidente vascular encefálico cadastrados na estratégia de saúde da família em Diamantina, MG. Fisioterapia e Pesquisa, v. 16, n. 1, p. 34-9, mar. 2009.

AZEVEDO, GV DE O; DE ARAÚJO, AHV; DE SOUZA, TA. Aspectos epidemiológicos do acidente vascular encefálico na Paraíba em 2016. Fisioterapia Brasil, v. 19, n. 5, p. S236-S241, 6 nov. 2018.

COSTA, AG DE S et al. Identificação do risco de quedas em idosos após acidente vascular encefálico. Escola Anna Nery, v. 14, n. 4, p. 684-9, dez. 2010.

LAI, IK; BUSCHLE, MN; GRAVA, S et al. Trombose venosa pulmonar e acidente vascular encefálico em paciente jovem usuária de anticoncepcional oral: um relato de caso. UNIVERSIDADE CESUMAR, editor. UNIVERSIDADE CESUMAR, 2021.

SANTOS, IGO et al. Cuidados intensivos em Sergipe: perfil de internações segundo causas. Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem, v. 9, n. 26, p. 23, 25 jun. 2019.

MENDONÇA, LB DE A; LIMA, FET; OLIVEIRA, SKP DE. Acidente vascular encefálico como complicação da hipertensão arterial: quais são os fatores intervenientes? Escola Anna Nery, v. 16, n. 2, p. 340-346, jun. 2012.

COSTA, TF DA et al. Burden over family caregivers of elderly people with stroke. Escola Anna Nery - Revista de Enfermagem, v. 19, n. 2, 2015.

MAMED, SN et al. Perfil dos óbitos por acidente vascular cerebral não especificado após investigação de códigos garbage em 60 cidades do Brasil, 2017. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 22, n. suppl 3, 2019.

ABRAMCZUK, Beatriz; VILLELA, Edlaine. A luta contra o AVC no Brasil. ComCiência, Campinas,n. 109, 2009. Disponível em <http://comciencia.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-76542009000500002&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 21 fev. 2022.

BARBOSA, AMA et al. PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS INTERNAÇÕES, GASTOS E MORTALIDADE INTRAHOSPITALAR,POR SEQUELAS DA TUBERCULOSE, NO BRASIL. Revista UNINGÁ, v. 57, n. S1,

p. 066–067, 4 fev. 2021.

Downloads

Publicado

2022-03-17

Como Citar

1.
Akio Saito F, Flamarin Cavasana R, Gomes Corrêa M, Bistaffa de P aula L. Perfil epidemiológico sobre acidente vascular encefálico no município de Araçatuba. Bepa [Internet]. 17º de março de 2022 [citado 30º de setembro de 2022];19:1-23. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/BEPA182/article/view/37334

Edição

Seção

Artigo Original