Presença de Aedes aegypti e Aedes albopictus em ambientes urbanos adjacentes às áreas silvestres que apresentam potencial para a circulação do vírus da febre amarela no estado de São Paulo

Autores

  • Gerson Laurindo Barbosa Superintendência de Controle de Endemias
  • Eduardo Sterlino Bergo Superintendência de Controle de Endemias
  • Mariza Pereira Superintendência de Controle de Endemias
  • Mauricio Vladimir Botti Superintendência de Controle de Endemias
  • Susy Mary Perpétuo Sampaio Superintendência de Controle de Endemias

DOI:

https://doi.org/10.57148/bepa.2019.v.16.37675

Resumo

Recentemente, no Brasil, detectou-se o mosquito Aedes albopictus naturalmente infectado com o vírus da febre amarela, fato que tornou importante avaliar e acompanhar a infestação por esta espécie no estado de São Paulo. O presente estudo buscou relacionar a ocorrência de Aedes albopictus e Aedes aegypti em áreas urbanas e periurbanas limítrofes a áreas com presença de matas. Selecionaram-se áreas urbanas próximas de matas em 5 municípios paulistas. Realizou-se avaliação da presença de imaturos e alados de culicídeos, no peridomicílio e no intradomicílio. Os imóveis positivos para alados de Aedes albopictus mostraram-se em menor quantidade quando comparados com Aedes aegypti, e o número total de larvas de Aedes aegypti mostrou-se sete vezes maior que Aedes albopictus. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

Cavalcante KRLJ, Tauil PL. Risco

de reintrodução da febre amarela

urbana no Brasil. Epidemiol.

serv. saúde. 2017;26:617-20.

Saad LDC, Barata RB. Surtos de

febre amarela no estado de São

Paulo, 2000-2010. Epidemiol.

serv. saúde. 2016;25:531-40.

Ministério da Saúde divulga balanço

de um ano da febre amarela [Internet].

Brasília: MS; 2018 [acesso em

de fev 2019]. Disponível em:

http://portalms.saude.gov.br/noticias/

agencia-saude/44483-ministerioda-saude-divulga-balanco-deum-ano-da-febre-amarela

Abreu FVS de, Ribeiro IP, Ferreira-deBrito A, Santos AAC dos, Miranda RM

de, Bonelly I de S, et al. Haemagogus

leucocelaenus and Haemagogus janthinomys

are the primary vectors in the major yellow

fever outbreak in Brazil, 2016-2018.

Emerg Microbes Infect. 2019;8:218-31.

Instituto Evandro Chagas detecta vírus

da Febre Amarela em mosquito Aedes

albopictus no Brasil [Internet]. Pará: IEC;2018 [acesso em 30 jan 2019]. Disponível

em: http://www.iec.gov.br/portal/descoberta/

Aedes albopictus pode estabelecer ciclo

de transmissão rural ou intermediário

de febre amarela, alerta Dr. Pedro

Vasconcelos [Internet]. Brasília: SBMT;

[acesso em 30 jan 2019]. Disponível

em: http://www.sbmt.org.br/portal/

aedes-albopictus-pode-estabelecer-ciclode-transmissao-rural-ou-intermediario-defebre-amarela-alerta-dr-pedro-vasconcelos/

Chiaravalloti Neto F, Dibo MR, Barbosa

AAC, Battigaglia M. Aedes albopictus

(S) na região de São José do Rio Preto,

SP: estudo da sua infestação em área já

ocupada pelo Aedes aegypti e discussão

de seu papel como possível vetor de

dengue e febre amarela. Rev. Soc.

Bras. Med. Trop. 2002;35:351-7.

Secretaria da Saúde (SP). Superintendência

de Controle de Endemias. Normas

e Recomendações Técnicas para

Vigilância e Controle do Aedes aegypti

no Estado de São Paulo; 2006.

Lima-Camara TN de, Honório NA,

Lourenço-de-Oliveira R. Frequência

e distribuição espacial de Aedes

aegypti e Aedes albopictus (Diptera,

Culicidae) no Rio de Janeiro, Brasil.

Cad. saúde pública. 2006;22:2079-84.

Downloads

Publicado

2022-06-11

Como Citar

1.
Laurindo Barbosa G, Sterlino Bergo E, Pereira M, Vladimir Botti M, Perpétuo Sampaio SM. Presença de Aedes aegypti e Aedes albopictus em ambientes urbanos adjacentes às áreas silvestres que apresentam potencial para a circulação do vírus da febre amarela no estado de São Paulo. Bepa [Internet]. 11º de junho de 2022 [citado 20º de julho de 2024];16(185):25-30. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/BEPA182/article/view/37675

Edição

Seção

Comunicação Rápida

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)