Associação entre autopercepção de saúde, marcadores de alimentação e estado nutricional: inquérito Vigitel do estado de São Paulo

Autores

  • Luciane Simões Duarte Divisão de Doenças Crônicas Não Transmissíveis | Centro de Vigilância Epidemiológica | Coordenadoria de Controle de Doenças. Secretaria de Estado de Saúde.
  • Aline Yukari Kurihayashi Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de Nutrição Josué de Castro
  • Adriana Bouças Ribeiro Divisão de Doenças Crônicas Não Transmissíveis | Centro de Vigilância Epidemiológica | Coordenadoria de Controle de Doenças. Secretaria de Estado de Saúde.
  • Marco Antonio Moraes Divisão de Doenças Crônicas Não Transmissíveis | Centro de Vigilância Epidemiológica | Coordenadoria de Controle de Doenças. Secretaria de Estado de Saúde.
  • Mirian Matsura Shirassu Divisão de Doenças Crônicas Não Transmissíveis | Centro de Vigilância Epidemiológica | Coordenadoria de Controle de Doenças. Secretaria de Estado de Saúde.

DOI:

https://doi.org/10.57148/bepa.2022.v.19.38120

Palavras-chave:

Autoimagem, Adulto, Idoso, Dieta, Estado Nutricional

Resumo

Objetivo: Avaliar prevalência de autopercepção de saúde em adultos (18 a 59 anos) e pessoas idosas (≥60 anos) do estado de São Paulo; e analisar associação entre autopercepção negativa da saúde e marcadores de padrões de alimentação saudável e não saudável e estado nutricional. Métodos: Estudo transversal com 8.420 indivíduos (4.723 adultos e 3.697 pessoas idosas) do Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) 2020 do estado de São Paulo. Autopercepção de saúde foi categorizada em positiva e negativa. Foram considerados marcadores de padrões saudáveis e não saudáveis de alimentação, e estado nutricional segundo Índice de Massa Corporal. Utilizou-se regressão logística, com nível de significância de 5%. Resultados: No total, 74,2% e 25,8% relataram autopercepção positiva e negativa, respectivamente. Autopercepção negativa foi superior entre pessoas idosas do que entre adultos (34,9% vs. 23,4%, p<0,001). Adultos que consumiram regularmente frutas e hortaliças (OR=0,5; IC95%:0,3-0,7) e cinco ou mais grupos de alimentos minimamente processados (OR=0,7; IC95%:0,5-0,9) tinham menor chance de autopercepção negativa, mas os que consumiram refrigerantes cinco ou mais dias da semana (OR=1,4; IC95%:1,0-1,9) tinham maior chance de autopercepção negativa. Adultos obesos apresentaram maior chance de autopercepção negativa (OR=1,9; IC95%:1,4-2,5). Entre as pessoas idosas, nenhuma variável permaneceu associada à autopercepção negativa. Conclusões: Considerável percentual de adultos e de pessoas idosas relataram autopercepção negativa, e os fatores associados foram distintos entre esses grupos. entre esses grupos populacionais. Recomenda-se a necessidade de análises estratificadas que considerem as particularidades das faixas etárias.

Referências

Benyamini Y. Why does self-rated health predict mortality? An update on current knowledge and a research agenda for psychologists. Psychol Health. 2011; 26(11):1407-13.

Wuorela M, Lavonius S, Salminen M, Vahlberg T, Viitanen M, Viikari L. Self-rated health and objective health status as predictors of all-cause mortality among older people: a prospective study with a 5-, 10-, and 27-year follow-up. BMC Geriatr. 2020; 20:120.

DeSalvo KB, Bloser N, Reynolds K, He J, Muntner P. Mortality prediction with a single general self-rated health question. J. Gen. Intern. Med. 2006; 21(3):267-75.

Jylhä M. What is self-rated health and why does it predict mortality? Towards a unified conceptual model. Soc. Sci. Med. 2009; 69(3):307-16.

Fundação Oswaldo Cruz [homepage na internet]. Painel de Indicadores de Saúde – Pesquisa Nacional de Saúde [acesso em 8 ago. 2021]. Disponível em: https://www.pns.icict.fiocruz.br/painel-de-indicadores-mobile-desktop/

Lindemann IL, Reis NR, Mintem GC, Mendoza-Sassi RA. Autopercepção da saúde entre adultos e idosos usuários da Atenção Básica de Saúde. Ciên. saúde coletiva 2019; 24(1): 45-52.

Andrade GF, Loch MR, Silva AMR. Mudanças de comportamentos relacionados à saúde como preditores de mudanças na autopercepção de saúde: estudo longitudinal (2011-2015). Cad. Saúde Pública. 2019; 35(4):e00151418.

Gomes MMF, Paixão LAR, Faustino AM, Cruz RCS, Moura LBA. Marcadores da autopercepção positiva de saúde de pessoas idosas no Brasil. Acta Paul Enferm. 2021; 34:eAPE02851.

Sargent-Cox K, Cherbuin N, Morris L, Butterworth P, Anstey KJ. The effect of health behavior change on self-rated health across the adult life course: a longitudinal cohort study. Prev. Med. 2014; 58:75-80.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Saúde e Vigilância de Doenças Não Transmissíveis. Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas e Agravos Não Transmissíveis no Brasil 2021-2030. Brasília: Ministério da Saúde, 2020.

Szwarcwald CL, Damacena GN, Barros MBA, Malta DC, Souza Júnior PRB, Azevedo LO et al. Factors affecting Brazilians' self-rated health during the COVID-19 pandemic. Cad. Saúde Pública. 2021 30;37(3):e00182720.

Secretaria de Estado da Saúde do Estado de São Paulo [inquérito na internet]. VIGITEL São Paulo 2020 - Vigilância de Fatores de Risco ou Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico no Estado de São Paulo. Estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco ou proteção para doenças crônicas no estado de São Paulo em 2020. [acesso em 8 ago. 2021]. Disponível em: https://www.saude.sp.gov.br/cve-centro-de-vigilancia-epidemiologica-prof.-alexandre-vranjac/areas-de-vigilancia/doencas-cronicas-nao-transmissiveis/documentos-tecnicos

Graham, K. Compensating for missing survey data. Institute for Social Research, The University of Michigan. Michigan: Ann Arbor, 1983.

Bernal RTI. Inquéritos por telefone: inferências válidas em regiões com baixa taxa de cobertura de linhas residenciais. [Tese de Doutorado – Faculdade de Saúde Pública – USP]. São Paulo, 2011 [acesso em 8 ago. 2021]. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/6/6132/tde-09092011-120701/pt-br.php

Nick Winter, 2002. "SURVWGT: Stata module to create and manipulate survey weights," Statistical Software Components S427503, Boston College Department of Economics, revised 11 Feb 2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde: Norma Técnica do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional - SISVAN. Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

Pavão, Ana Luiza Braz, Werneck, Guilherme Loureiro e Campos, Mônica Rodrigues. Autoavaliação do estado de saúde e a associação com fatores sociodemográficos, hábitos de vida e morbidade na população: um inquérito nacional. Cad. Saúde Pública. 2013: 29(4): 723-734.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças Não Transmissíveis. Vigitel Brasil 2020: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2020 / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças Não Transmissíveis. – Brasília: Ministério da Saúde, 2021.

Pagotto, Valeria; Bachion, Maria Márcia; Silveira, Erika Aparecida da. Autoavaliação da saúde por idosos brasileiros: revisão sistemática da literatura. Rev Panam Salud Publica. 2013; 33(4): 302-310.

Carneiro, Jair Almeida et al. Autopercepção negativa da saúde: prevalência e fatores associados entre idosos assistidos em centro de referência. Ciênc. saúde coletiva. 2020; 25(3):909-918.

Zanesco C, Bordin D, Santos CB, Müller EV, Fadel CB. Factors determining the negative perception of the health of Brazilian elderly people. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. 2018; 21(3):283-292.

Artazcoz L, Cortès I, Borrell C, Escribà-Agüir V, Cascant L. Social inequalities in the association between partner/marital status and health among workers in Spain. Soc Sci Med. 2011;72(4):600-607.

von der Lippe E, Rattay P. Association of partner, parental, and employment statuses with self-rated health among German women and men. SSM - population health 2016; 2:390-398.

Vincens N, Emmelin M, Stafström M. Social capital, income inequality and the social gradient in self-rated health in Latin America: A fixed effects analysis. Soc Sci Med. 2018; 196:115-122.

Vaz C, Andrade AC, Silva U, et al. Physical Disorders and Poor Self-Rated Health in Adults Living in Four Latin American Cities: A Multilevel Approach. Int J Environ Res Public Health. 2020;17(23):8956.

Condello G, Capranica L, Stager J, et al. Physical Activity and Health Perception in Aging: Do Body Mass and Satisfaction Matter? A Three-Path Mediated Link. PLoS One. 2016;11(9):e0160805.

Murray CJL, Salomon JA, Mathers CD, Lopez AD, World Health Organization [boletim na internet]. 2002 Summary measures of population health: concepts, ethics, measurement and applications. [acesso em 8 ago. 2021]. Disponível em: https://apps.who.int/iris/handle/10665/42439

Publicado

2022-12-29

Como Citar

1.
Duarte LS, Kurihayashi AY, Ribeiro AB, Moraes MA, Shirassu MM. Associação entre autopercepção de saúde, marcadores de alimentação e estado nutricional: inquérito Vigitel do estado de São Paulo. Bepa [Internet]. 29º de dezembro de 2022 [citado 6º de fevereiro de 2023];19:1-23. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/BEPA182/article/view/38120

Edição

Seção

Artigo Original

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)