Leishmaniose visceral no estado de São Paulo: Tendência geral da letalidade entre 1999 a 2013 e o risco de óbitos por estratificação epidemiológica dos municípios e regionais de Vigilância Epidemiológica entre 2011 a 2013

Autores

  • Osias Rangel Superintendência de Controle de Endemias (Sucen).
  • Silvia Silva Oliveira Divisão de Zoonoses. Centro de Vigilância Epidemiológica (CVE). Coordenadoria de Controle de Doenças
  • Ana Cecilia França Divisão de Zoonoses. Centro de Vigilância Epidemiológica (CVE). Coordenadoria de Controle de Doenças.
  • Ricardo Mario Ciaravolo Superintendência de Controle de Endemias (Sucen).
  • Lucia de Fatima Henriques Superintendência de Controle de Endemias

Palavras-chave:

Leishmaniose Visceral., Vigilância Epidemiológica., Letalidade.

Resumo

 A letalidade por leishmaniose visceral no estado de São Paulo tem oscilado    no decorrer dos anos. Entre 2011 a 2013 vários municípios apresentaram    casos e óbitos em diversas regionais de Vigilância Epidemiológica. Nesse    sentido foi realizado um estudo para analisar a tendência geral da letalidade    entre 1999 a 2013 e o risco de óbitos por estratificação epidemiológica dos    municípios e regionais de Vigilância Epidemiológica entre 2011 a 2013. Para    análise da letalidade geral foi utilizado o Modelo Linear Generalizado (MLG)    com distribuição binomial (logit). Para o risco de óbito por estratificação    epidemiológica dos municípios e regionais de Vigilância Epidemiológica    foi utilizado à regressão logística. Adicionalmente foi verificada a aderência    da concentração de casos por municípios à distribuição logarítmica zero    ajustado (ZALG). A fonte de dados foi o Sistema de Informação de Agravos    de Notificação (Sinan). Os resultados mostraram uma discreta diminuição da    letalidade geral, porém sem significância estatística. Entre 2011 a 2013 foram    identificados 58 municípios com transmissão autóctone no estado de São    Paulo. O risco de óbitos para municípios de transmissão intensa e moderada    foram maiores, porém sem significância estatística. Quando analisados    por regionais de Vigilância Epidemiológica, três regionais se destacaram    significativamente quanto ao risco de óbitos: Jales, São José do Rio Preto    e Araçatuba. Os resultados obtidos neste estudo revelaram que o risco de    óbitos é maior nestas regiões independente da estratificação epidemiológica    dos municípios, justificando   

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde. Leishmaniose Visceral [internet]. In: Ministério da Saúde (BR). Guia de Vigilância em Saúde. Brasíla (DF): Editora MS; 2014, p. 548-69 [citado em 2015 janeiro]. Disponível em: http://portalsaude. saude.gov.br/images/pdf/2015/fevereiro/06/ guia-vigilancia-saude-atualizado-05-02-15.pdf

Ministério da Saúde (BR). Leishmaniose visceral (LV), Descrição da Doença [internet]. In: Ministério da Saúde (BR), Portal da Saúde SUS. Brasília (DF); 2014 mar 27 [acesso em 2014 dezembro]. Disponível em: http://portalsaude. saude.gov.br/index.php?option=com_ content&view=article&id=11022&Itemid=668

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde. Manual de vigilância e controle da leishmaniose visceral americana. Brasília (DF); 2014.

Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. Manual de Vigilância e Controle da Leishmaniose Visceral Americana do Estado de São Paulo. São Paulo; 2006.

Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, Coordenadoria de Controle de Doenças, Comitê de Leishmaniose Visceral Americana. Classificação epidemiológica dos municípios segundo o Programa de Vigilância e Controle da leishmaniose visceral americana no estado de São Paulo. Bol. epidemiol. paul. 2011; 8(95-6): 32-6.

Rangel O, Hiramoto RM, Henriques LF, Taniguchi HH, Ciaravolo RMC, Tolezano JE, França ACC, Yamashiro J, Oliveira SS. Classificação epidemiológica dos municípios segundo o Programa de Vigilância e Controle da Leishmaniose Visceral Americana no Estado de São Paulo, para 2013. Bol. epidemiol. paul.. 10(111): 5-16.

Governo do Estado de São Paulo, Biblioteca virtual. Geografia do Estado de São Paulo, Síntese da geografia do estado de São Paulo [internet]. São Paulo; [acesso 12 de julho de 2014]. Disponível em: http://www.bv.sp.gov.br.

R Development Core Team (2012). R: A language and environment for statistical computing. Vienna, Austria: The R Foundation for Statistical Computing. ISBN 3-900051-07-0; [citado 2014 outubro]. Disponível em: http://www.R-project.org/

EGRET for Windows (Version 2.0.3). Seattle WA: Cytel Software Corporation; 1999.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde. Leishmaniose Visceral: recomendações clínicas para redução da letalidade. Série A: Normas e Manuais Técnicos. Brasília (DF): Editora MS; 2011 [acesso em 2015 novembro]. Disponível em: http:// bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/ leishmaniose_visceral_reducao_letalidade.pdf

Góes MAO, Jeraldo VLS, Oliveira AS. Urbanização da leishmaniose visceral: aspectos clínicos e epidemiológicos em Aracaju, Sergipe, Brasil. Rev. Med. Fam. Comunidade. 2014; 9(31):119-26.

Leite AI, Araújo LB. Leishmaniose visceral: aspectos epidemiológicos relacionados aos óbitos em Mossoró-RN. Rev. Patol. Trop. 2013; 42(3)301-8.

Maia-Elkhoury ANS, Alves WA, Sousa- Gomes ML, Sena JM, Luna EA. Visceral leishmaniasis in Brazil: trends and challenges. Cad Saúde Pública. 2008 dez; 24(12): 2.941-7

Downloads

Publicado

2015-11-30

Como Citar

1.
Rangel O, Silva Oliveira S, França AC, Ciaravolo RM, Henriques L de F. Leishmaniose visceral no estado de São Paulo: Tendência geral da letalidade entre 1999 a 2013 e o risco de óbitos por estratificação epidemiológica dos municípios e regionais de Vigilância Epidemiológica entre 2011 a 2013. Bepa [Internet]. 30º de novembro de 2015 [citado 24º de abril de 2024];12(143):1-8. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/BEPA182/article/view/38130

Edição

Seção

Artigo Original

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>