Infestação por Aedes aegypti em imóveis fechados nas visitas para vigilância e controle vetorial de dengue em municípios do Estado de São Paulo

Autores

  • Márcia Moreira Holcman Superintendência de Controle de Endemias
  • Gerson Laurindo Barbosa Superintendência de Controle de Endemias
  • Valmir Roberto Andrade Superintendência de Controle de Endemias
  • Maria de Fátima Domingos Superintendência de Controle de Endemias
  • Antonio Henrique Alves Gomes Henrique Alves Gomes Superintendência de Controle de Endemias
  • Marcos da Silva Superintendência de Controle de Endemias
  • Dalva Marli Valério Wanderley Superintendência de Controle de Endemias

Palavras-chave:

Dengue, Aedes aegypti, Controle de vetores

Resumo

Avaliou-se o impacto dos imóveis fechados na eficácia das atividades de vigilância e controle do Aedes aegypti nos municípios de Guarujá e Hortolândia. Durante a atividade de monitoramento da infestação larvária nos meses de maio e novembro de 2008, os imóveis fechados foram caracterizados e revisitados aos finais de semana. Em maio, 29.9% dos imóveis estavam fechados no Guarujá e 32.9% em Hortolândia, em novembro esta proporção foi de 12.6% e 35.4%, respectivamente. Em Hortolândia, cerca de 90% dos imóveis fechados foram classificados como Dormitório e no Guarujá, aproximadamente 45% foram classificados como Dormitório e 45% como Outros. Observou-se que no geral a positividade do grupo de imóveis fechados na primeira visita e trabalhados na revisita, foi maior que a positividade registrada no grupo de imóveis trabalhados na primeira visita, porém, a diferença foi significativa somente no mês de maio em Guarujá. Com relação aos recipientes, em Guarujá houve predominância de ralos, material inservível e vaso de planta e prato, e em Hortolândia, os principais recipientes foram: material inservível e vaso de planta e prato. As informações analisadas apontam diferentes características entre os dois municípios/regiões, as quais devem ser consideradas para a adoção de estratégias visando melhorar os resultados das atividades de vigilância e controle de dengue

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Diretrizes nacionais para a prevenção e controle de epidemias de dengue. Brasília; 2009. 160 p.

Superintendência de Controle de Endemias. Normas e recomendações técnicas para a vigilância e controle do Aedes aegypti no Estado de São Paulo. São Paulo: SUCEN; 2005. 108p.

Tauil PL. Aspectos críticos do controle do dengue no Brasil. Cad Saúde Pública; 2002;18(3):867-71.

Alves MCGP, Gurgel SM, Almeida MCRR. Plano amostral para cálculo de densidade larvária de Aedes aegypti e Aedes albopictus no Estado de São Paulo. Rev Saúde Pública; 1991;25(4):251-6.

Alves MCGP, Silva NN. Simplificação do método de estimação da densidade larvária de Aedes aegypti. Rev Saúde Pública; 2001;35(5):467-73.

Ministério da Saúde. Programa Nacional de Controle de Dengue. Amparo legal à execução das ações de campo – Imóveis fechados, abandonados ou com acesso não permitido pelo morador. 2.ed. Brasília (DF); 2006.

Glasser CM, Pereira M, Katz G, Kavakama BB, Souza LTM, Ferreira IB, Rocco IM, Alves MCG. Dengue no Estado de São Paulo: exemplo da complexidade do problema neste final de século. Revista Coordenação dos Institutos de Pesquisa; 1999;2(4):11-20.

Barata EMF, Costa AIP, Chiaravalloti Neto F, Glasser CM, Barata JMS, Natal D. População de Aedes aegypti (I.) em área endêmica de dengue, Sudeste do Brasil. Rev Saúde Pública; 2001;35(3):237-42.

Domingos MF. Aspectos da ecologia de Aedes aegypti (Linnaeus) dm Santos, São Paulo, Brasil. [tese de doutorado]. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública da USP; 2005.

Barata EMF, Chiaravalloti Neto F, Dibo MR, Macoris MLG, Barbosa AACB, Natal D, Barata JMS, Andrighetti MTM. Captura de culicídeos em área urbana: avaliação do . método das caixas de repouso. Rev Saúde Pública; 2007;41(3):375-82.

Glasser CM, Arduino MB, Barbosa GL, Ciaravolo RMC, Domingos MF, Oliveira CD et al . Comportamento de formas imaturas de Infestação por Aedes aegypti em imóveis fechados nas visitas para vigilância e controle vetorial de dengue em municípios do ESP/Márcia Moreira Holcman MM et al. incluindo, por exemplo, aluguel/venda e temporada, com baixa ocorrência neste estudo. A inclusão do indicador de formas adultas do vetor poderia contribuir para o conhecimento da capacidade que esses imóveis apresentam como abrigo de adultos de Aedes aegypti, visto que o mesmo é atraído pela presença do homem. A continuidade deste estudo, em outras áreas do Estado, poderia contribuir para melhor conhecimento do papel que esses imóveis fechados desempenham como obstáculo à eficácia do controle e sugerir nova estratégia para abordar a população que nelesreside. página 23 BEPA 2012;9(104):14-23 aedes aegypti, no litoral do estado de São Paulo. Rev Soc Bras Med Trop. 2011;44(3):349-55.

Secretaria da Saúde. Gerência Regional de Saúde de Montes Claros. Núcleo de Mobilização Social. Assessoria de Comunicação Social. Plano de Comunicação para Mobilização Social em Saúde da Dengue, 2008. [acesso em 18 nov. 2009] Disponível em: http:// www.saude.mg.gov.br/politicas_de_saude/ mobilizacao-social/plano-regional/ Plano_de_mobilizacao_Montes%20Claros.pdf. 13. Monteiro ESC, Coelho ME, Cunha IS, Cavalcante MAS, Carvalho FAA. Recebido em: 01/07/2011 Aprovado em: 16/08/

Publicado

2012-11-30

Como Citar

1.
Moreira Holcman M, Laurindo Barbosa G, Roberto Andrade V, Domingos M de F, Henrique Alves Gomes AHAG, da Silva M, Valério Wanderley DM. Infestação por Aedes aegypti em imóveis fechados nas visitas para vigilância e controle vetorial de dengue em municípios do Estado de São Paulo. Bepa [Internet]. 30º de novembro de 2012 [citado 20º de julho de 2024];9(104):14-23. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/BEPA182/article/view/38346

Edição

Seção

Artigos de pesquisa

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>