Busca ativa de triatomíneos em área com ausência de notificações como subsídio à estratégia de vigilância entomológica no Estado de São Paulo

Autores

  • Gerson Laurindo Barbosa Superintendência de Controle de Endemias
  • Rubens Antonio da Silva Superintendência de Controle de Endemias
  • Vera Lúcia Cortiço Corrêa Rodrigues Superintendência de Controle de Endemias
  • Dalva Marli Valério Wanderley Superintendência de Controle de Endemias

Palavras-chave:

Triatomíneos, Controle de Vetores, Doença de Chagas

Resumo

Avaliações das notificações de triatomíneos pela população em áreas de maior dispersão da espécie Panstrongylus megistus apontaram que as mesmas não têm ocorrido, ou acontecem de forma bastante esporádica. Para monitorar a situação foi proposta realização de busca ativa em localidades destas áreas. O critério para a estimativa da amostra das localidades considerou a positividade observada no intra e peridomicílios em imóveis pesquisados no período de 1990 a 1999. Nos anos de 2008 e 2009 foram pesquisadas as unidades domiciliares de 110 localidades, totalizando 4466 domicílios com 20 positivos, perfazendo uma positividade de 0,04% para intradomicílio e 0,4% para o peridomicílio. Coletaram-se 136 exemplares de triatomíneos, 90,4% referentes à espécie Triatoma sordida e 9,6% a Panstrongylus megistus, concentrados no peridomicílio (92,3%). Todos os exemplares examinados foram negativos para Trypanosoma cruzi. Os resultados permitem afirmar que a estratégia de vigilância está sendo conduzida de maneira eficaz, e que, embora se constate a presença de focos de triatomíneos no peridomicílio, não ocorre à instalação de colônias na intradomicílio. Os trabalhos de educação em saúde devem ser intensificados visando manter a população motivada a identificar a presença desses insetos, encaminhar às áreas competentes para a confirmação e controle de eventuais focos de infestação

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

Forattini OP. Biogeografia, origem e distribuição da domiciliação de triatomíneos no Brasil. RevSaúdePública 1980; 14: 265-99.

Diotaiuti L. O risco de domiciliação de novas espécies de triatomíneos. Rev Soc Bras Med Trop 2000; 33: 31-5. Busca ativa de triatomíneos em área com ausência de notificações como subsídio à estratégia de vigilância entomológica no ESP/Barbosa GL et al. página 11 BEPA 2012;9(102):4-12

Dias JCP. Control of Chagas disease in Brazil. Parasitol Today 1987; 3:336-41.

Carcavallo RU, Rocha DS, Girón I, Sherlock IA, Galvão C, Martinez A. Fontes e padrões alimentares. In: Carcavallo RU, Girón GI, Juberg J, Lent H (orgs) Atlas dos vetores da doença de Chagas nas Américas. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Oswaldo Cruz; 1997, 537-60.

Fernandes AJ, Chiari E, Casanova C, Dias JCP, Romanhã AJ. The threat of reintroduction of natural transmission of Chagas disease in Bambuí, Minas Gerais State, Brazil, due to Panstrongylus megistus. Mem Inst Oswaldo Cruz 1992; 87: 285-9.

Villela MM, Rodrigues VLCC, Casanova C, Dias JCP. Análise da fonte alimentar de Panstrongylus megistus (Hemiptera, Reduviidae, Triatominae) e sua atual importância como vetor do Trypanosoma cruzi, no Estado de Minas Gerais. Rev Soc Bras Med Trop 2010; 43: 125-8.

Rodrigues VLCC, Casanova C, Baitelo D, Mattos CN, Tonietti VLB. Aspectos relacionados com a infecção por Trypanosoma cruzi em Panstrongylus megistus (Burmeister, 1835), capturados na região de Campinas, Estado de São Paulo, Brasil. Rev Soc Bras Med Trop 2006; 39:156.

Forattini OP, Ferreira AO, Silva EOR, Rabello EX. Aspectos ecológicos da Tripanossomíase americana: VIII - Domiciliação de Panstrongylus megistus e sua presença extradomiciliar. Rev Saúde Pública 1977; 11:73-86.

Silva RA, Wanderley DMV, Domingos MF, Yasumaro S, Scandar SAS, Pauliquévis-Júnior C, et al. Doença de Chagas: notificação de triatomíneos no Estado de São Paulo na década de 1990. Rev Soc Bras Med Trop 2006; 39: 488-94.

Wanderley DMV, Silva RA, Carvalho ME, Barbosa GL. Doença de Chagas: A vigilância entomológica no Estado de São Paulo. Bol Epidemiol Paulista 2007; 4(38):12-8.

Silva RA, Mercado VTC, Barbosa GL, Rodrigues VLCC, Wanderley DMV. Situação atual da vigilância entomológica da doença de Chagas no Estado de São Paulo. Bol Epidemiol Paulista 2011; 8(87):4-13.

MS (Ministério da Saúde) - Secretaria de Vigilância em Saúde. Consenso Brasileiro em Doença de Chagas. Rev Soc Bras Med Trop 2005; 38:2-29.

Rodrigues VLCC, Ferraz-Filho AN, Silva EOR, Lima VLC. Prevalência, índices de infecção e hábitos alimentares de triatomíneos capturados em área de vigilância epidemiológica. Rev Soc Bras Med Trop 1992; 25: 183-90.

Forattini OP, Barata JMS, Santos JLF, Silveira AC. Hábitos alimentares, infecção natural e distribuição de triatomíneos domiciliados na região central do Brasil. Rev Saúde Pública 1982; 16:171-204.

Moreno EC, Baracho L. Vigilância epidemiológica no Programa de Controle da Doença de Chagas em Minas Gerais, Brasil Busca ativa de triatomíneos em área com ausência de notificações como subsídio à estratégia de vigilância entomológica no ESP/Barbosa GL et al. página 12 (1984-1998). Cadernos de Saúde Pública 2000; 16:113-6.

Abad-Franch F, Vega MC, Rolón MS, Santos WS, Rojas de Arias A. Community participation in Chagas Disease vector surveillance: systematic review. PLoS Neglect Tropical Disease 2011; 5:1-15.

Silveira AC, Rezende DF, Nogales AM, Cortez-Escalante JJ, Castro C, Macedo V. Avaliação do sistema de vigilância entomológica da doença de Chagas com participação comunitária em Mambaí e Burtinópolis, Estado de Goiás. Rev Soc Bras Med Trop 2009; 42: 39-46. BEPA 2012;9(102):4-12 Recebido em: 23/01/2012 Aprovado em: 02/06/2012 Correspondência/Correspondence to: Rubens Antonio da Silva Rua Paula Sousa, 166, 1º andar – Luz CEP: 01027-000 – São Paulo/SP– Brasil Tel.: 55 11 3311 1167 e-mail: rubensantoniosilva@gmail.com Busca ati

Downloads

Publicado

2022-09-26

Como Citar

1.
Laurindo Barbosa G, da Silva RA, Cortiço Corrêa Rodrigues VL, Valério Wanderley DM. Busca ativa de triatomíneos em área com ausência de notificações como subsídio à estratégia de vigilância entomológica no Estado de São Paulo . Bepa [Internet]. 26º de setembro de 2022 [citado 20º de julho de 2024];9(102). Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/BEPA182/article/view/38349

Edição

Seção

Artigos de pesquisa

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)