Doença de Chagas: a vigilância entomológica no Estado de São Paulo

Autores

  • Dalva Marli Valério Wanderley Superintendência de Controle de Endemias
  • Rubens Antonio da Silva Superintendência de Controle de Endemias
  • Maria Esther de Carvalho Superintendência de Controle de Endemias
  • Gerson Laurindo Barbosa Superintendência de Controle de Endemias

Palavras-chave:

doença de Chagas, vigilância entomológica, controle

Resumo

 O controle da transmissão da doença de Chagas humana com enfoque no mecanismo vetorial foi alcançado, no  Estado de São Paulo, em meados da década de 1970. As ações de vigilância dos vetores ainda presentes no  Estado são desencadeadas a partir de notificações de insetos, originadas pela população. A população  residente em domicílios com presença de triatomíneos infectados por Trypanosoma cruzi tem sido examinada,  sem evidências de transmissão vetorial recente. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

Schofield, CJ. Triatominae. Biologia y Control. Eurocommunica Publications, ed. 1994. p. 80.

Rocha e Silva EO, Wanderley DMV, Rodrigues VLCC. Triatoma infestans: importância, controle e eliminação da espécie no Estado de São Paulo, Brasil. Rev Soc Bras Med Trop 1998;31(1):73-88.

Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. Superintendência de Controle de Endemias. Sucen. Vigilância Entomológica da doença de Chagas no Estado de São Paulo. Diretrizes Técnicas. São Paulo 2003; p. 6.

Secretaria de Estado da Saúde do Estado de São Paulo (SES). Relatório do Grupo de Trabalho, Revisão do Programa de Controle da Doença de Chagas, São Paulo. São Paulo: Superintendência de Controle de Endemias 2002.

Brasil. Portaria 1.172, de 15 de junho de 2004. Regulamenta a NOB SUS 01/96 no que se refere às competências da União, Estados, Municípios e Distrito Federal, na área de Vigilância em Saúde, define a sistemática de financiamento e dá outras providências. Brasília (DF). Diário Oficial da União; 17 jun 2004. Seção 1. p.58.

Ministério da Saúde. Nota técnica: Brasil recebe certificado internacional de interrupção da transmissão vetorial da Doença de chagas pelo Triatoma infestans. Secretaria de Vigilância em Saúde, Brasília, 9 de junho de 2006.

Andrade SG, Magalhães JB, Sobral KS, RosadoAP, Oliveira FLS. Caracterização de cepas de Trypanosoma cruzi isoladas durante surto agudo da doença de Chagas por transmissão oral, em Santa Catarina, Brasil. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. 2006; 39(Supl I):7.

Ciaravolo RMC, Domingos MF, Wanderley DMV, Gerbi LJ, Chieffi PP, Peres BA, Umezawa ES. Autochthonous acute Chagas’ disease in São Paulo State, Brazil: Epidemiological Aspects. Rev. Inst. Med. trop. S. Paulo 1997; 39(3):171-174.

Wanderley DMV, Tatto E, Yassuda MAS, Carvalho ME, Leite RM, Santos SO, Diaz SY, Rodrigues VLCC. Caso agudo de doença de Chagas no Estado de São Paulo. Investigação Preliminar. XXII Reunião de Pesquisa Aplicada em Doença de Chagas e X Reunião de Pesquisa em Leihmanioses, Programas e Resumos. 2006. Uberaba. MG.

Carvalho ME. Sorologia da infecção chagásica no Programa de Controle da doença de Chagas do Estado de São Paulo, Brasil. (tese). São Paulo. Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo 2000; p.219.

Downloads

Publicado

2007-02-28

Como Citar

1.
Valério Wanderley DM, da Silva RA, de Carvalho ME, Laurindo Barbosa G. Doença de Chagas: a vigilância entomológica no Estado de São Paulo . Bepa [Internet]. 28º de fevereiro de 2007 [citado 20º de julho de 2024];4(38):8-12. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/BEPA182/article/view/38765

Edição

Seção

Artigo Original

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>