Vigilância e controle de carrapatos transmissores da Febre Maculosa Brasileira no estado de São Paulo

Autores

  • Renata Caporalle Mayo, Adriano Pinter Superintendência de controle endemias
  • Adriano Pinter Superintendência de controle endemias
  • Celso Eduardo de Souza Superintendência de controle endemias
  • Eduardo Bergo Superintendência de controle endemias
  • Juliana Telles de Deus Superintendência de controle endemias
  • Maria Jose Chinelatto Pinheiro Alves Superintendência de controle endemias
  • Savina Silvana Aparecida Lacerra de Souza Superintendência de controle endemias
  • Sueli Yasumaro Díaz Superintendência de controle endemias
  • Silvio Carvalho da Silva Superintendência de controle endemias
  • Vera Lucia Matias Oliveira Superintendência de controle endemias

DOI:

https://doi.org/10.57148/bepa.2015.v.12.39256

Palavras-chave:

carrapatos, febre maculosa

Resumo

.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

Pinter A, França AC, Souza CE, Sabbo C, Nascimento MME, Santos FCP et al. Febre Maculosa Brasileira. Bol Epidemiol Paulista.

;8:1-31.

Lima VLC, Souza SSL, Souza CE, Vilela MFG, Papaiordanou PO, Del Guercio VM et al. Situação da febre maculosa na Região

Administrativa de Campinas. Cad Saúde Pública [online]. 2003;19(1):331-4.

Del Guercio VMF, Rocha MMM, Melles HHB, Lima VCL, Pignatti MG. Febre maculosa no município de Pedreira, SP, Brasil. Inquérito

sorológico. Rev Soc Bras Med Trop. 1997; 30(1):47-52.

Secretaria da Saúde. Manual de orientação para vigilância epidemiológica: febre maculosa brasileira. São Paulo; 1996.

Secretaria da Saúde. Portaria Conjunta DIR XII e DIR XX. Determina a notificação compulsória da febre maculosa brasileira (FMB) nas áreas de abrangência da DIR XII e DIR XX e dá providências correlatas. Diário Oficial do Estado. 28 dez 1996;Seção 1:32.

Ministério da Saúde. Portaria nº 1.943. Define a relação de doenças de notificação compulsória para todo território nacional. Inf. epidemiol. SUS. 2001;10(1):57-58.

Superintendência de Controle de Endemias. Manual de Vigilância Acarológica. São Paulo; 2004.

Souza CE, Moraes Filho J, Ogrzewalska M, Uchoa FC, Horta MC, Souza SSAL et al. Experimental infection of capybaras Hydrochoerus hydrochaeris by Rickettsia rickettsii and evalution of the transmisson of the infection to ticks Amblyomma cajennense. Vet Parasitol.

;161:116-121.

Del Fiol FS, Junqueira FM, Rocha MCP, Toledo MI, Barberato Filho S. A febre maculosa no Brasil. Rev Panam Salud Publica [online]. 2010;

(6):461-466.

Labruna MB, Leite RC, Gobesso AAO, Gennari SM, Kasai N. Controle estratégico do carrapato Amblyomma cajennense em equinos. Ciênc Rural. 2014;34(1):195-200.

Pacheco RC, Horta MC, Pinter A, Moraes- Filho J, Martins TF, Nardi MS, et al. Pesquisa de Rickettsiia sp em carrapatos Amblyomma

cajennense e Amblyomma dubitatum no Estado de São Paulo. Rev Soc Bras Med Trop. 2009;42(3):351-353.

Katz G, Camargo-Neves VLF, Angerami RN, Nascimento EMM, Colombo S. Situação epidemiológica e importância da febre

maculosa brasileira no Estado de São Paulo. Bol Epidemiol Paulista. 2009;6(69):3-13.

Souza SSAL. Ecologia e técnicas de amostragem de ixodídeos em áreas endêmicas para febre maculosa brasileira na região de Campinas- São Paulo [dissertação]. Campinas: Instituto de Biologia da Unicamp. 2004.

Downloads

Publicado

2023-05-03

Como Citar

1.
Pinter RCMA, Pinter A, Souza CE de, Bergo E, Deus JT de, Alves MJCP, Souza SSAL de, Díaz SY, Silva SC da, Oliveira VLM. Vigilância e controle de carrapatos transmissores da Febre Maculosa Brasileira no estado de São Paulo. Bepa [Internet]. 3º de maio de 2023 [citado 5º de março de 2024];12(135/136):17-23. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/BEPA182/article/view/39256

Edição

Seção

Especial de 40 anos da Superintendência de Controle de Endemias (SUCEN) 1975-2015 / v.12 n. 135 -136 (2015)

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)