Avaliação da concentração de flúor em águas minerais engarrafadas disponíveis no comércio

Autores

  • André Luiz Marçal Terreri UNIRP, Rio Preto, SP
  • Cecília Cristina Marques dos Santos Instituto Adolfo Lutz, Laboratório Regional de São José do Rio Preto, São José do Rio Preto, SP
  • Maria do Rosário Vigeta Lopes Instituto Adolfo Lutz, Laboratório Regional de São José do Rio Preto, São José do Rio Preto, SP
  • Renata Flavia Milani Silva Instituto Adolfo Lutz, Laboratório Regional de São José do Rio Preto, São José do Rio Preto, SP
  • Júlio César da Silva Rodrigues UNIRP, Rio Preto, SP

DOI:

https://doi.org/10.53393/rial.2009.v68.32694

Palavras-chave:

água engarrafada, fluoretos, fluorose dentária, vigilância sanitária, eletrodo íonseletivo

Resumo

A água é importante fonte de ingestão de flúor e considerando-se o aumento no consumo de água mineral e da prevalência de fluorose dentária, o presente estudo teve o objetivo de avaliar a concentração de flúor na água mineral engarrafada comercializada, comparando-a aos valores declarados no rótulo da embalagem. Foram adquiridas 39 amostras água mineral de diferentes marcas disponíveis em diversos supermercados, mercearias e lanchonetes de grande circulação do município de São José do Rio Preto, em 2008. A concentração de flúor foi determinada por análise em duplicata, utilizando-se potenciômetro com eletrodo íon-seletivo. A concentração de flúor variou entre <0,05 e 0,82 mg/L, com diferenças pouco significativas entre os valores estipulados nos rótulos da maioria das marcas de água mineral e aqueles determinados na presente investigação. Os valores de flúor encontrados nas amostras analisadas mostram ser livres de risco em causar fluorose dental, porém em teor sem indicativo de ação preventiva anticárie. Os teores de flúor nas amostras de água mineral analisadas estavam em conformidade com a legislação específi ca vigente.

Referências

1. Instituto Brasileiro de Geografi a e Estatística [IBGE] Pesquisa de Orçamentos familiares 2002 – 2003: primeiros resultados: Brasil e grandes regiões. Rio de Janeiro; 2004. 276p.

2. Brasil. Ministério de Minas e Energia. Departamento Nacional de Produção Mineral. Sumário mineral. Brasília; 2006. 304 p.

3. Bastos JRM, Buzalaf MAR, Levy FM, Ribeiro TT, Mazzone FHR. Concentração de fl úor em água mineral engarrafada e de fontes naturais das cidades de Lindóia, Águas de Lindóia e Serra Negra, Brasil. Ver. Fac Odontol Univ Passo Fundo 2001; 6 (1): 15-9.

4. Ramires I, Grec RHC, Cattan L, Moura PG, Lauris JRP, Buzalaf MAR. Avaliação da concentração de fl úor e do consumo de água mineral. Rev Saúde Publica 2004; 38 (3): 459-65.

5. Alves NC, Odorozzi AC, Achilles N, Esteves VS, Goulart FC. Analise do teor de fl uoretos em águas minerais comercializadas em Marília (SP) e impacto com a legislação e regulamentação. Rev Paul Odontol 2003; 2: 21-4.

6. Grec RHC, Garcia MP, Pessan JP, Ramires I, Costa B, Buzalaf MAR. Concentração de fl úor em águas engarrafadas comercializadas no município de São Paulo. Rev Saúde Pública 2008; 42 (1): 154 - 7.

7. Santos LM, Barbosa KMM, Xavier SHC, Forte FDS, Sampaio FC, Reis ILR. Concentração de fl úor em diferentes marcas de água mineral comercializadas em Alagoas. Rev Bras Odontol 2006 63 (1/2): 104-6.

8. Villena RS, Cury JA, Bastos R. Avaliação da concentração de fl úor de águas minerais comercializadas no Brasil. Rev. Saúde Pública 1996; 30: 512-8.

9. Buzalaf MAR, Damante CAA, Trevizani LMM, Granjeiro JM. Risk of Fluorosis Associated With Infant Formulas Prepared With Bottled Water. J Dent Children 2004; 71 (2): 110-3.

10. Brandão IM, Valsecki Jr A. Análise de concentração de fl úor em águas minerais na região de Araraquara, Brasil. Rev Panam Salud Publica1998; 4(4): 238-42.

11. Freitas VPS, Brígido BM, Badolato MIC, Mazon EMA, Alaburda J. Estudo comparativo de soluções-tampão para determinação de fl uoreto em águas para diálise. Rev do Inst Adolfo Lutz2003; 62 (3): 207-12.

12. Freitas VPS, Brígido BM, Alge ME, Silva CL, Zenebon O, Antunes JLF. Fluoreto em água: Estudo de metodologia analítica e níveis encontrados na região de Campinas. Rev do Inst Adolfo Lutz1996; 56:29-36.

13. Instituto Adolfo Lutz (São Paulo - Brasil). Métodos físico-químicos para análise de alimentos: normas analíticas do Instituto Adolfo Lutz. 4ª ed. Brasília (DF): ANVISA; 2005.1018pp.

14. Lopes MRV, Santos CCM, Rigo KM. Estudo comparativo entre os procedimentos potenciométrico com eletrodo íon-seletivo para determinação de fl uoreto em águas de abastecimento público segundo os métodos físico-químicos para análise de alimentos e com utilização minimizada de reagentes. BIAL 2005; 15(2): 7-9.

15. Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial [INMETRO]. Orientações sobre validação de métodos de ensaios químicos. Brasília; 2003. 31p.

16. São Paulo. Secretaria de Estado da Saúde. Resolução SS-250 de 15 de agosto de 1995. Defi ne teores de concentração do íon fl uoreto nas águas para consumo humano, fornecidas por sistemas públicos de abastecimento. Diário Ofi cial [do] Estado de São Paulo,São Paulo, SP, p. 11, 26 ago.1995, Seção 1.

17. Brasil. Ministério da Saúde. Agencia Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Resolução nº274, de 22 de setembro de 2005 da do. Aprova o regulamento técnico para águas envasadas e gelo. Diário Ofi cial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 22 set. 2005.

18. Buzalaf MAR, Granjeiro JM, Damante CA, Ornelas F. Fluoride content of infant formulas prepared with deionized, bottled mineral and fl uoridated drinking water. J Dent Children 2001; 68: 37-41.

19. Franzman MR, Levy SM, Warren JJ, Broffi tt B. Fluoride dentifrice ingestion and fl uorosis of the permanent incisors. J Am Dent Assoc 2006; 137 (5): 645-52.

20. Prefeitura Municipal de São Paulo. Lei Municipal nº 12.623. de 6 de maio de 1998. Proíbe a comercialização de água mineral com teor de fl úor acima de 0,8 mg/ no município e dá outras providências. Diário Ofi cial [do] Município, São Paulo, 06 maio 1998.

Publicado

2009-08-01

Como Citar

Terreri, A. L. M., Santos, C. C. M. dos, Lopes, M. do R. V., Silva, R. F. M., & Rodrigues, J. C. da S. (2009). Avaliação da concentração de flúor em águas minerais engarrafadas disponíveis no comércio. Revista Do Instituto Adolfo Lutz, 68(3), 354–358. https://doi.org/10.53393/rial.2009.v68.32694

Edição

Seção

ARTIGO ORIGINAL

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)