Nova técnica para isolar larvas de mematóides das fezes - Modificação do Método de Baermann
PDF

Como Citar

1.
Rugai E, Mattos T, Brisola AP. Nova técnica para isolar larvas de mematóides das fezes - Modificação do Método de Baermann. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 3º de janeiro de 1954 [citado 23º de julho de 2024];14(1):5-8. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/33246

Resumo

Os autores apresentam uma modificação do método de Baermann para isolar larvas de fezes. Estudaram 259 fezes com 89 casos positivos para larvas de S. stercoralis, 31 positivos para as larvas de Ancilostomidae e 3 positivos para ambas. O Baermann clássico revelou um total de 116 casos positivos e a modificação revelou 120. O método é eficiente, prático, higiênico e econômico.

https://doi.org/10.53393/rial.1954.14.33246
PDF

Referências

1. BAERMANN- Cito por Craig e Faust.

2. COUTINHO, J. O., CAMPOS,R. e AMATONETO, V. - 1951 - Nota sôbre Diagnóstico e Prevalência da Estrongiloidose em São Paulo. Rev. Clin. de São Paulo, 27 : (1-2): 1-10.

3. COUTINHO,J. O., CROCE,J., CAMPOS,R. e AMATONETO, V. - 1952 - Contribuição para o estudo do diagnóstico de laboratório da Estrongiloidose (Strongyloides stercomlis). Hospital, 41 (1): 11-20.

4. COUTINHO, J. O., CAMPOS,R. e AMATONETO,V. --1952 - Incidência do Strongyloides etercorolis em crianças de São Paulo. Inquérito coprológico efetuado pelos processos de Faust e coL, de Hoffman, Pons e Janer, e de Baermann, Rev. do Hosp. de Clin. 7 (4): 302-307. São Paulo.

5. COUTINHO,J. O., CAMPOS,R. e AMATONETO, V. - 1952 - Estudo comparativo entre a pesquisa de larvas de Strongyloides stercoralis no suco duodenal e nas fezes. Valor diagnóstico. Folia Clin. et Biol. 18 (2): 125.

6. CRAIG,C. F. e FAUST,E. C. - Clinical Parasitology. Lea & Febiger. Philadelphia, 1951.

7. DARLI"G, S. T. - 1911 -- Strongiloides infections in Man and AnimaIs in the Isthmian Canal Zone. Jour. Exp. Med. 14: 1-24.

8. FÜLLEBORN- Cito por Moraes.

9. LEE - 1930 - Some observations on Strongyloides stercorolis. Arch, Schiffs. Tropen. Hyg. 34: 262-274. Ref. in Trop. Dis. Bllll. 1931 - 28 (3): 206.

10. MORAES- 1948 - Contribuição para o estudo do Strongyloides stercoralis e da estrongiloidose no Brasil. Rev. do S.E.S.P. 1 (3): 4507-624.

11. MERCER, H. H. - 1951 - Pesquisa de Strongyloides na zona de Rio Preto (Resumo). Rev. Paulista de Med. 39: 382-383.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 1954 E. Rugai, T. Mattos, A. P. Brisola

Downloads

Não há dados estatísticos.