Aspectos soroepidemiológicos da leishmaniose visceral no Departamento Regional de Saúde (DRS) XV região de São José do Rio Preto, estado de São Paulo, Brasil, 2008 - 2012
PDF

Palavras-chave

leishmaniose visceral
inquéritos epidemiológicos
epidemiologia
diagnóstico sorológico
letalidade

Como Citar

1.
Bertollo DMB, Tolezano JE. Aspectos soroepidemiológicos da leishmaniose visceral no Departamento Regional de Saúde (DRS) XV região de São José do Rio Preto, estado de São Paulo, Brasil, 2008 - 2012. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 1º de janeiro de 2017 [citado 25º de julho de 2024];76:1. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/33549

Resumo

O objetivo foi descrever as características soroepidemiológicas da leishmaniose visceral (LV) no DRS XV, região de São José do Rio Preto, São Paulo, 2008 e 2012. Foram analisados dados secundários dos casos humanos, presença de vetores e resultados dos inquéritos sorológicos caninos. Foram notificados 251 casos suspeitos de LV humana (LVH), dos quais, 99 (39,4 %) confirmados, sendo 68 (68,7 %) autóctones da região do DRS XV. Houve predomínio pelo sexo masculino, a faixa etária mais acometida foi para menores de 10 anos e maiores de 51 anos de idade. A taxa de letalidade foi de 16,2 %, superior à média para o estado, estimada em 8,3 %. A relação entre número de casos confirmados e óbitos, disponíveis no SINAN/NET nos níveis municipal, estadual e nacional divergem quanto aos números de casos, foram 61 no SINAN nacional com 10 óbitos, enquanto que pelo SINAN estadual 68 com 11 óbitos. Em relação à LV canina (LVC) foram coletadas 45.343 amostras de sangue de cães. Foram utilizados quatro diferentes algoritmos, 12.871 (28,4 %) examinadas apenas pela RIFI; 632 (1,4 %), pelo ELISA e RIFI, ambos os grupos a partir de eluato de sangue coletado em papel de filtro; 22.387 (49,4 %) por ELISA e RIFI e 9.453 (20,8 %) pelo TR-DPP e ELISA, estes dois grupos examinados com soro sanguíneo. Dos 25 municípios incluídos no estudo, 12 realizaram inquérito amostral, oito (8) inquérito censitário, dois (2) com, pelo menos, um inquérito amostral e outro censitário e em cinco (5) municípios não houve registro de realização de qualquer tipo de inquérito. As maiores taxas de positividade nos inquéritos censitários foram observadas em Urânia 25,4 %, Votuporanga 20,1 % e Palmeira D’Oeste 19,0 %. A maioria dos municípios não realizou os inquéritos censitários e/ou amostrais, como preconizado pelo Programa Vigilância e Controle da LV (PVCLV). A principal via de acesso a região rodovia Euclides da Cunha percorre o território de 14 municípios que apresentaram transmissão ou presença de vetor. A interligação entre as ferrovias Ferroban e Ferronorte aponta possível rota de disseminação vinda de Mato Grosso do Sul. Com base nos resultados obtidos é possível concluir que a LV está em crescente expansão geográfica na região. Altas prevalências de LVH e LVC na região do DRS XV. A maioria dos municípios não atende ao programa de PVCLV. O contínuo processo migratório, a rodovia Euclides da Cunha e a ferrovia Ferronorte se apresentam como possíveis rotas de expansão da LV.
https://doi.org/10.53393/rial.2017.76.33549
PDF
Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2017 D. M. B Bertollo, José Eduardo Tolezano

Downloads

Não há dados estatísticos.