Qualidade da água em escolas públicas municipais: análise microbiológica e teor de nitrato em Araçatuba, estado de São Paulo – Brasil

Autores

  • Débora Regina Romualdo da Silva Universidade Paulista – UNIP, Campus de Araçatuba.
  • Marilene Oliveira dos Santos Maciel Centro Laboratorial Regional de Araçatuba, Instituto Adolfo Lutz, Araçatuba, SP, Brasil
  • Barbara Braga Ferreira Marta Centro Laboratorial Regional de Araçatuba, Instituto Adolfo Lutz, Araçatuba, SP, Brasil
  • Teresa Marilene Bronharo Centro Laboratorial Regional de Araçatuba, Instituto Adolfo Lutz, Araçatuba, SP, Brasil
  • Aparecida de Fátima Michelin Centro Laboratorial Regional de Araçatuba, Instituto Adolfo Lutz, Araçatuba, SP, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.53393/rial.2018.v77.34178

Palavras-chave:

abastecimento de água, qualidade da água, creches, saúde

Resumo

A potabilidade da água de consumo em escolas públicas de Ensino Infantil do município de Araçatuba/SP foi avaliada procedendo-se à pesquisa de coliformes totais, de Escherichia coli e ao teor de nitrato em amostras coletadas, nos seguintes pontos: cavalete de distribuição da rede pública ou de poço; torneira da cozinha e bebedouro. Das 25 escolas analisadas, 12% não atenderam aos padrões de potabilidade da água perante parâmetro microbiológico; entretanto, quanto ao nível de nitrato, todas as amostras apresentaram resultados dentro do Valor Máximo Permitido pela legislação vigente. Os dados obtidos sugerem correlação positiva entre a concentração de nitrato e o NMP de coliformes totais. A presença de coliformes totais e de E. coli, especialmente em escolas da zona rural, cuja a água é proveniente de poço, aponta a necessidade da implantação de medidas de saneamento da água em escolas públicas de Educação Infantil do município de Araçatuba, SP.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Valentim LSO. O plano de segurança da água no contexto sanitário paulista. BEPA, Bol epidemiol paul (Online). 2015;12(141):35-40. Disponível em: http://www.saude.sp.gov.br/resources/ccd/homepage/bepa/edicao-2015/edicao_141_-_setembro.pdf

2. World Health Organization - WHO. Guidelines for drinking-water quality: second addendum. Vol. 1, Recommendations.

3. ed. Genebra: WHO; 2008. [acesso 2016 Fev. 03]. Disponível em: http://www.who.int/water_sanitation_health/dwq/secondaddendum20081119.pdfCardoso RCV, Almeida RCC, Guimarães AG, Goes JAW, Silva AS, Santana AAC et al. Qualidade da água utilizada em escolas atendidas pelo Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), em Salvador-BA. Rev Inst Adolfo Lutz. 2007;66(3): 287-91. Disponível em: http://periodicos.ses.sp.bvs.br/pdf/rial/v66n3/v66n3a12.pdf

4. Araújo TME, Dantas JM, Carvalho CEF, Costa MAO. Surto de diarreia por rotavírus no município de Bom Jesus (PI). Ciênc Saúde Colet. 2010;15(Supl. 1):1039-46. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000700010

5. Mendes JDV. A redução da mortalidade infantil no Estado de São Paulo. BEPA, Bol epidemiol paul (Online). 2009;6(69):1-11. Disponível em: http://www.saude.sp.gov.br/resources/ccd/homepage/bepa/2009/bepa_69_-_setembro_2009.pdf

6. Boreli K, Brito NJN, Santos ECG, Silva GA. Avaliação de coliformes totais e termotolerantes em bebedouros de escolas públicas e ginásios de esportes em um município do norte de Mato Grosso. Rev Bras Educ Saúde. 2014;5(1):96-9. Disponível em: https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/REBES/article/view/3180

7. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Portaria nº 2.914, de 12 de dezembro de 2011. Dispõe sobre os procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 14 dez 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2914_12_12_2011.html

8. Chagas SD, Iaria ST, Carvalho JPP. Bactérias indicadores de poluição fecal em águas de irrigação de hortas que abastecem o município de Natal – Estado do Rio Grande do Norte. Rev Saude Publica. 1981;15(6):629-42. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v15n6/06.pdf

9. Freitas MB, Brilhante OM, Almeida LM. Importância da análise de água para a saúde pública em duas regiões do estado do Rio de Janeiro: enfoque para coliformes fecais, nitrato e alumínio. Cad Saúde Publica 2001;17(3):651-60. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2001000300019

10. Zeman CL, Kross B, Vlad M. A nested case-control study of methemoglobinemia risk factors in children of Transylvania, Romania. Environ Health Perspect. 2002;110(8):817-22. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1240955/pdf/ehp0110-000817.pdf

11. Sadek M, Moe CL, Attarassi B, Cherkaoui I, Elaouad R, Idrissi L. Drinking water nitrate and prevalence of methemoglobinemia among infants and children aged 1-7 years in Moroccan areas. Int. J. Hyg. Environ Health. 2008;211(5-6):546-54. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.ijheh.2007.09.009

12. Alaburda J, Nishihara L. Presença de compostos de nitrogênio em águas de poços. Rev Saúde Publica. 1998;32(2):160-5. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101998000200009

13. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Manual de procedimentos de vigilância em saúde ambiental relacionada à qualidade da água para consumo humano. Brasília: Ministério da Saúde; 2006. 284p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_procedimentos_agua_consumo_humano.pdf

14. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. População estimada 2017 – Araçatuba, São Paulo, Brasil. [acesso 2017 Dez. 30]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sp/aracatuba/panorama

15. Soluções Ambientais de Araçatuba - SAMAR. Água. Mananciais. [acesso 2016 Fev. 10]. Disponível em: http://samar.eco.br/agua/mananciais

16. Prefeitura Municipal de Araçatuba. Secretaria Municipal de Educação. Lista de Escolas. 2016. [acesso 2016 Fev. 10]. Disponível em: http://www.educacao.sp.gov.br/central-de-atendimento/Relat_Escola.asp?ID_DIR=018&ID_MUN=177&ID_DIST=&NM_MUN=ARACATUBA&NM_DIST=&CD_ADM=1&Nova=1

17. Centro de Vigilância Sanitária (São Paulo – Brasil). Manual de Coleta, Conservação e Transporte de Amostras de Água. 1 ed. São Paulo (SP): Centro de Vigilância Sanitária; 2004.

18. American Public Health Association – APHA. Standard methods for the examination of water and wastewater. 20th ed. Washington (DC): Health Lab. Sci; 1998.

19. Instituto Adolfo Lutz (São Paulo - Brasil). Métodos químicos e físicos para análise de alimentos; normas analíticas do Instituto Adolfo Lutz. 4. ed. São Paulo (SP); Instituto Adolfo Lutz; 2008. [acesso 2016 Nov. 22]. Disponível em: http://www.ial.sp.gov.br/resources/editorinplace/ial/2016_3_19/analisedealimentosial_2008.pdf

20. World Health Organization - WHO. Guidelines for Drinking Water Quality. 4 ed. Genebra: WHO; 2011. Disponível em: http://www.who.int/water_sanitation_health/publications/2011/dwq_guidelines/en/

21. Souza RMGL, Perrone MA. Padrões de Potabilidade da Água. Programa Estadual de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano – PRÓ-ÁGUA, vol. 2, São Paulo, 2000. 13p.

22. Zulpo DL, Peretti J, Ono LM, Garcia JL. Avaliação microbiológica da água consumida nos bebedouros da Universidade Estadual do Centro-Oeste, Guarapuava, Paraná, Brasil. Semin Cienc Agrar. 2006;27(1):107-10. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0359.2006v27n1p107

23. Rocha ES, Rosico FS, Silva FL, Luz TCSD, Fortuna JL. Análise microbiológica da água de cozinhas e/ou cantinas das instituições de ensino do município de Teixeira de Freitas (BA). Rev Baiana Saúde Pública. 2010;34(3):694-705. Disponível em: https://doi.org/10.22278/2318-2660.2010.v34.N3

24. Scuracchio PA, Farache-Filho A. Qualidade da água utilizada para consumo em escolas e creches no município de São Carlos/SP. Alim Nutr. 2011;22(4):641-7.

25. Antunes CA, Castro MCFM, Guarda VLM. Influência da qualidade da água destinada aoconsumo humano no estado nutricional de crianças comidades entre 3 e 6 anos, no município de Ouro Preto/MG. Alim Nutr. 2004; 15(3):221-6.

26. Trindade GA, Sá-Oliveira JC, Silva ES. Avaliação da qualidade da água em três Escolas Públicas da Cidade de Macapá, Amapá. Biota Amazônia. 2015; 5(1): 116-22. Disponível em: http://dx.doi.org/10.18561/2179-5746/biotaamazonia.v5n1p116-122

27. Souza CAB, Oliveira EL, Avelino MB, Rodrigues RCD, Rodrigues MP, Ferreira MAF et al. Qualidade da água consumida em unidades de educação infantil no município de Mossoró-RN. Rev Ciênc Plur. 2015;1(2):57-67. Disponível em: htpps://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/7615

28. Companhia Ambiental do Estado de São Paulo - CETESB. Qualidade das águas subterrâneas do Estado de São Paulo 2013-2015. Série Relatórios/CETESB. São Paulo (SP): CETESB; 2016. Disponível em: https://cetesb.sp.gov.br/aguas-subterraneas/wp-content/uploads/sites/13/2013/11/Cetesb_QualidadeAguasSubterraneas2015_Web_20-07.pdf

29. Soto FRM, FonsecaYS,Risseto MR, Maria LBA, Marchette DSC, Camargo C. Programa de saneamento da água de poços rasos de escolas públicas rurais do município de Ibiúna-SP. Rev Ciênc Ext. 2009; 3(2): 10-20. Disponível em: http://ojs.unesp.br/index.php/revista_proex/article/view/104/26

30. Castania J. Qualidade da água utilizada para consumo em escolas públicas municipais de o ensino infantil de Ribeirão Preto (SP) [tese de doutorado]. Ribeirão Preto (SP): Universidade de São Paulo; 2009.

31. Baird C, Cann M. Química Ambiental. 4 ed. Porto Alegre (RS): Bookman; 2011. 844p.

32. Campos TS, Rohlfs DB. Avaliação dos valores de nitrato em águas subterrâneas e sua correlação com atividades antrópicas no município de Águas Lindas de Goiás [dissertação de mestrado]. Goiânia (GO): Pontifícia Universidade Católica de Goiás; 2011.

Downloads

Publicado

2018-03-29

Como Citar

1.
Silva DRR da, Maciel MO dos S, Marta BBF, Bronharo TM, Michelin A de F. Qualidade da água em escolas públicas municipais: análise microbiológica e teor de nitrato em Araçatuba, estado de São Paulo – Brasil. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 29º de março de 2018 [citado 4º de março de 2024];77:1-8. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/34178

Edição

Seção

ARTIGO ORIGINAL

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)