Padrão físico-químico da água de abastecimento público da região de Campinas

Autores

  • Valéria P.S. Freitas Instituto Adolfo Lutz – Lab. I de Campinas
  • Berenice M. Brígido Instituto Adolfo Lutz – Lab. I de Campinas
  • Maria Irene C. Badolato Instituto Adolfo Lutz – Lab. I de Campinas
  • Janete Alaburda Instituto Adolfo Lutz – Lab. Central - São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.53393/rial.2002.61.35018

Palavras-chave:

Água de abastecimento público, parâmetros físico-químicos, análise de água, potabilidade, fluoretação da água

Resumo

Foram analisadas amostras de águas de abastecimento público da região de Campinas, localizada no estado de São Paulo, entre os anos de 1991 e1999, procedentes da rede pública de abastecimento (água tratada, 90%), de poços e de nascentes (água não tratada, 10%). Das 8174 (90%) amostras de água analisadas que sofreram tratamento convencional, 41% estavam em desacordo com a legislação vigente. Das 519 (6%) amostras provenientes de nascentes, o índice de condenação foi de 14%, e das 385 (4%) de poços, 7,1% em desacordo.Os parâmetros físico-químicos avaliados foram: cor, turbidez, pH, dureza total, cloro residual, nitratos, ferro, sulfatos, cloretos, sólidos totais dissolvidos e fluoretos. A maioria das amostras estava em desacordo com a legislação vigente devido ao teor de fluoreto (59%). A condenação pelo cloro residual aparece em segundo lugar (29%). A partir dos resultados obtidos, concluiu-se que o monitoramento sistemático das águas de abastecimento público proposto pelo Programa PRÓ-ÁGUA é bastante importante como medida de saúde pública. Os parâmetros atualmente contemplados neste programa são adequados para a garantia da qualidade das águas de abastecimento, porém verificou-se que é importante que se avalie os resultados de análises físico-químicas realizadas anteriormente, para que o controle da qualidade das águas de consumo...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Alaburda, J.; Nishiara L. Características organoléticas da água de consumo e legislação. Boletim do Instituto Adolfo Lutz, 1:12,1998.

2. American Public Health Association (APHA). Standard Methods for Examination of Water and Wastewater, 19th ed., Washington:1995.p.1-18/1-24/4-36/4-59/2-1/3-67.

3. Azevedo Neto, J.M. et al. Técnica de abastecimento e tratamento de água. 3ed., São Paulo, CETESB, 1987. 549p.

4. Batalha, B.H.L.; Parlatore, A. C. Controle da qualidade da água para consumo humano: bases conceituais e operacionais. São Paulo, CETESB, 1993. 198p.

5. Brasil. Leis, decretos,etc. Lei nº 6050 de 24 de março de 1974, regulamentada pelo decreto federal nº 76872 de 22 de dezembro de 1975 e pela Portaria Ministerial da Saúde 635 Bsb, de 26 de dezembro de 1975.

6. Brasil. Leis, decretos,etc. – Portaria nº 36/GM do Ministério da Saúde de 19 de janeiro de 1990. Aprova normas e padrões de potabilidade da água destinada ao consumo humano, a serem observados em todo o território nacional. Diário Oficial, Brasília, 23 de janeiro de 1990.

7. Brasil. Leis, decretos,etc. – Portaria nº 1469/Gm do Ministério da Saúde de 29 de dezembro de 2000. Aprova a norma de qualidade da água para consumo humano, que dispõe sobre procedimentos e responsabilidades inerentes ao controle e à vigilância da qualidade da água para consumo humano, estabelece o padrão de potabilidade da água para consumo humano, e dá outras providencias. Diário Oficial, Brasília, 10 de janeiro de 2001.

8. CETESB: Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental. Técnica de Abastecimento e Tratamento de Água, 2ª ed., São Paulo, Brasil, 1987. 549 p.

9. Cintra Filho, O. A. Apostila. Interpretação de Laudo Físico-Químico, Hidrobiológico e Bacteriológico em de Abastecimento Público de Água. CETESB, 1991.

10. FUNASA, Centro Nacional de Epidemiologia e Coordenação de Vigilância Ambiental. Sistema de Informação da Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano SIS Água, Brasília, 2000. fascículo 1.

11. Heller,L. Saneamento e Saúde. OPAS/OMS, 1997.

12. Instituto Adolfo Lutz. Normas Analíticas do Instituto Adolfo Lutz: Métodos Químicos e Físicos para Análise de Alimentos, 3ª ed., São Paulo, 1985. v.1, p.302-30.

13. Mato, A. P. Determinação de nitratos ,nitritos e prováveis fontes de contaminação em águas de poços e sua influencia na metahemoglobinemia infantil. São Paulo, 1996. [Dissertação de Mestrado- Curso de Pós Graduação em Saneamento Ambiental, Universidade Mackenzie].

14. Organização Mundial da Saúde. Environmental Health Criteria 5: Nitratos, nitritos e compostos N-nitrosos. Geneva, OMS, 1978. 107 p.

15. Pereira, L. A. S. Questões do dia-a-dia : Quais as implicações da ingestão de flúor durante a gestação, especificamente na cidade de São Paulo, que já fluoreta sua água? Revista APCD , 54(5): 408, 2000.

16. Puertas, P.G. Aspectos toxicológicos de las aguas. Anal. Bromat. XLIII – 2/3: 239-255, 1991.

17. São Paulo (Estado), Decreto nº 12486, de 20-10-78. NTA 60 – Águas de consumo alimentar. In: Legislação: água para o consumo humano, potabilidade, fluoretação. CETESB, São Paulo, 1994. p.51-52.

18. São Paulo. Leis, decretos, etc. Resolução SS-45 de 31 de janeiro de 1992 . Institui o programa de vigilância da qualidade da água para o consumo humano – Pró – Água e aprova diretrizes para a sua implantação no âmbito da Secretaria da Saúde. Diário Oficial, 01 de fevereiro de 1992, seção 1, p.27.

19. São Paulo. Leis, decretos, etc. Resolução SS/SMA–4 de 27 de maio de 1992. Dispõe sobre o teor mínimo de cloro residual livre na rede de abastecimento de água. Diário Oficial, 25 de junho de 1992, seção 1, p.46..

20. São Paulo. Leis, decretos, etc. Resolução SS 250 de 15 de agosto de 1995. Define teores de concentração de íon fluoreto nas águas para consumo humano, fornecidas por sistemas públicos de abastecimento. Diário Oficial, 15 de agosto de 1995, seção 1, p.11.

21. São Paulo. Leis, decretos, etc. Resolução SS-293 de 25 de outubro de 1996. Estabelece os procedimentos do Programa de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano no Estado de São Paulo e dá outras providências. Diário Oficial, 25 de outubro de 1996.

22. Silva, S.R. Novos avanços em saúde bucal coletiva. Revista APCD, 54(6): 429-440, 2000.

23. Tominaga, M.Y.; Mídio, A.F. Exposição humana a trialometanos presentes na água tratada. Rev. Saúde Pública, 33(4): 413-421, 1999.

24. Universidade Federal do Paraná. Apostila Controle de Qualidade de Água . Paraná, 1983.

25. Wang,R.G.M. Water contamination and health. New York , Marcel Dekker, 1994.

26. Wurzelmann,P.G. Cancer Epidemiology, Biomarkers & Prevention, 5:503, 1996.

Downloads

Publicado

2002-06-28

Como Citar

1.
Freitas VP, Brígido BM, Badolato MIC, Alaburda J. Padrão físico-químico da água de abastecimento público da região de Campinas. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 28º de junho de 2002 [citado 3º de março de 2024];61(1):51-8. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/35018

Edição

Seção

ARTIGO TÉCNICO

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>