Mel: Fraudes e condições sanitárias
pdf

Palavras-chave

Mel
Adulteração
Fraudes
Condições sanitárias
Análise físico-quimica
Análise microscópia

Como Citar

1.
Cano CB, Zamboni C de Q, Alves HI, Spiteri N, Atui MB, Santos MC dos, Jorge LIF, Pereira U, Rodrigues RMM. Mel: Fraudes e condições sanitárias. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 30º de dezembro de 1992 [citado 21º de junho de 2024];52(1-2):1-4. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/35956

Resumo

A fim de verificar as condições higiênicas e a genuinidade do mel consumido em São Paulo, Capital, foram analisadas 173 amostras de méis enviadas as Instituto Adolfo Lutz por consumidores ou pela Vigilância Sanitária do Estado de São Paulo, SP. Foram condenadas 12 amostras (6,8%) como fraudadas, porque, tanto as determinações físico-químicas, como as microscópias, demonstraram que os produtos eram constituídos por xarope de açúcar; 122 (70,5%) condenadas pela análise microscópica, por estarem em condições higiênicas insatisfatórias, contendo fragmentos de insetos mortos, fungos, nematóides, ácaros ou por conter elementos histológicos de cana-de-açúcar ou de vegetais não caracterizados; 58 (33,5%), condenadas pela análise fisico-química, por estarem fora dos padrões das Normas Higiênicas Sanitárias e Tecnológicas para mel, aprovadas pela Secretaria de Inspeção de Produtos de Origem Animal.

https://doi.org/10.53393/rial.1992.52.35956
pdf

Referências

1. BRASIL, Leis, decretos, etc. Portaria SIPA nU006 de 27 de julho de 1985. Diário Oficial, Brasília, 2/ago/85, Seção I, p. 11103. Aprova normas higiênico-sanitárias e tecnológicas para o mel.

2. GUIMARÃES, N. F. - Apicultura: a ciência da longa vida. Belo Horizonte, Editora Itatiaia, 1989, p. 148.

3. INSTITUTO ADOLFO LUTZ (São Paulo) -Normas Analíticas do Instituto Adolfo Lutz: métodos químicos e físicos para análise de alimentos, 3ª ed, São Paulo, 1985, p. 159-65.

4. JAMES, G. N. - The examination of pollen from honey. J. Ass. Publ. Anal., 7: 128-32, 1969.

5. LOUVEAUX, J. - Atlas photographique d'analyse pollinique des miels. Paris, Service de Ia répression des fraudes et du controle de Ia qualité, 1970. (Annexes microphotographiques aux méthodes officiells d'analyse). V.3.

6. SAWYER, R. W. - Mellissopalinology in the determination of geographical and floral origin of honey. Ass. Publ. Anal., 13,64-71,1975.

7. VALENCIANO, O. A. – Guia practica des analises bromotologicas, Buenos Aires, Ed. Hispano Americano, s.d. p. 776.

8. VIDAL, R. - Mel: análise e adulterações. In: Simpósio sobre apicultura, Jaboticabal, 1984. Anais, p. 47-55.

9. WALLIS, T. E. - Microscopia Analítica: sus fines y melados en relation a Ias alimentos, agua y medicamentos. Zaragoza, Acribia, 1968, p. 122-4.

10. ZAMBONI, C. Q. et alii - Métodos para pesquisa de material estranho (sujidades) e elementos histológicos de vegetais em alimentos. In: Manual de Análise Microscópica de Alimentos, 1986, p. 27.
Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 1992 Cristiane B. Cano, Claydes de Quadro Zamboni, Helena Ide Alves, Nazareth Spiteri, Márcia Bittar Atui, Marlene Correia dos Santos, Luzia Ilza Ferreira Jorge, Ulysses Pereira, Regina Maria M. Rodrigues

Downloads

Não há dados estatísticos.