Fraudes da pimenta do reino preta (Piper nigrum) moída
pdf

Palavras-chave

pimenta do reino preta (Piper nigrum) moída, análise
pimenta do reino preta (Piper nigrum) moída, detecção de fraudes
mamão (Carica papaya), semente, análise

Como Citar

1.
Silveira NVV, Zamboni C de Q, Takahashi MY. Fraudes da pimenta do reino preta (Piper nigrum) moída. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 30º de dezembro de 1983 [citado 15º de julho de 2024];43(1-2):69-7. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/36809

Resumo

Foram analisadas 103 amostras de pimenta do reino preta moída, comercializada na cidade de São Paulo e 15 da mesma pimenta, comercializada na cidade do Rio de Janeiro, com a finalidade de verificar fraudes e principalmente detectar semente de mamão moída que, conforme várias denúncias, estaria sendo adicionada a esse tipo de produto. Foram também estudadas amostras de pimenta do reino preta moída, de semente de mamão moída, e de misturas de pimenta do reino preta e semente de mamão moídas, preparadas no laboratório. As amostras foram submetidas a análise físico-química, exame microscópico e cromatografia em camada delgada. Não foi detectada a presença de semente de mamão nas amostras do comércio. Entretanto, o exame microscópico revelou que em 600/0 das amostras havia fraude, sendo identificados como adulterantes amidos de milho, trigo e mandioca, farinha de trigo, fubá, farinha de mandioca, pedúnculos da pimenta do reino, e matéria arenosa. Nas misturas preparadas foi possível observar maior sensibilidade ao exame microscópico em relação à cromatografia em camada delgada, pois este método somente detectou semente de mamão em misturas contendo 200/0 dessas sementes, enquanto que o exame microscópico detectou esse adulterante na proporção de 10/0. Foi sugerida a redução dos limites permitidos pela legislação em vigor do resíduo mineral fixo de 70/0 para 40/0, e do resíduo mineral fixo insolúvel em ácido clorídrico (1 +9), de 1,50/0 para 10/0. O extrato alcoólico estava abaixo dos limites exigidos pela legislação em 670/0 das amostras.

https://doi.org/10.53393/rial.1983.43.36809
pdf

Referências

1. BRASIL. Leis, decretos, etc. - Resolução nº 12/78 - Diário Oficial, Brasília, 24 jul.
1978. Seção 1, pt. 1, p. 11499. Resolução aprovada pela Comissão Nacional de Normas e Padrões para alimentos no mês de março de 1978.

2. BUENO, L.A. - A pimenta do reino e seu extrato alcoólico. Rev. Inst. Adolfo Lutz, 17: 55-8, 1957.

3. LEES, R. - Manual de analisis de alimentos. Trad. Andres Marcos Banado. Zara-
goza, Acribia [1969]. p. 201-03.

4. MENEZES JR., J.B.F. - Investigações sobre o exame microscópico de algumas substãncias alimentícias. Rev. Inst. Adolfo Lutz, 9: 18-77, 1949.

5. PARRY, J.W. - Spices: their morphology, histology and chemistry. New York, Chemical publ., 1962. p. 66-70.

6. PEARSON, D. - Chemical analysis of foods. 6th ed. London, J.A. Churchil, 1970. p. 310-13.

7, SAO PAULO. Instituto Adolfo Lutz Normas analíticas do Instituto Adolfo Lutz. v. 1: Métodos químicos e físicos para análise de alimentos. 2. a ed. São Paulo,
1976. p. 216 [tecn. 21.1].

8. SÃO PAULO. Instituto Adolfo Lutz - Normas de qualidade para alimentos. São Paulo, 1967. [OFSANPAN/IALUTZ A 314.23].

9. SÃO PAULO. Leis, decretos, etc. - Decreto nº 12.486 de 20 de outubro de 1978. Diário Oficial, São Paulo, 21 out. 1978. p. 32-33 [NTA 70], Aprova normas técnicas especiais relativas a alimentos e bebidas.

10. WINTON, A.L. & WINTON, K.B. - The structure and composition of foods. New York, John Wiley, 1939, v. 2, p. 787-790.

11. Ibid. V. 4, p. 319-27.
Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 1983 Neusa Vitória Valério Silveira, Claydes de Quadros Zamboni, Mickiko Y. Takahashi

Downloads

Não há dados estatísticos.