Freqüência de anticorpos anti-Cysticercus cellulosae em população de risco para cisticercose e em segmento de população considerado supostamente normal, em regiões do Estado de São Paulo, Brasil

Autores

  • Mirthes Ueda Instituto Adolfo Lutz
  • Paulo M. Nakamura Instituto Adolfo Lutz
  • Eliseu A. Waldman Instituto Adolfo Lutz
  • Pedro Paulo Chieffi Instituto Adolfo Lutz
  • Ana Maria Carvalho de Souza Instituto Adolfo Lutz
  • Marlene Spir Instituto Adolfo Lutz
  • Laércio J. Gerbi Instituto Adolfo Lutz

DOI:

https://doi.org/10.53393/rial.1984.44.36819

Palavras-chave:

Cisticercose, Taenia Bolium, Cysticercus celluloeae, anticorpos anti-Cysticercus cellulosae em doentes mentais e em população normal

Resumo

Examinaram-se, através de reação de fixação de complemento, os soros de 234 pacientes internados em hospital psiquiátrico localizado no município de Presidente Prudente, considerados de risco para infecção cisticercótica, além de 454 soros de gestantes procedentes da Região Administrativa de Santos e 397 soros de indivíduos considerados supostamente normais, procedentes da Região Administrativa de Presidente Prudente. O antígeno utilizado na reação de fixação de complemento foi obtido através de extração metílica, à temperatura ambiente, dos císticercos tratados com acetona. Consideraram-se positivas as reações em que ocorreu fixação de complemento a partir da diluição 1 :2. Dos 1.085 soros testados, 27 apresentaram atividade anticomplementar e 17 (1,6%) mostraram-se reagentes. Todavia, quando se consideraram, separadamente, os grupos procedentes de Santos, Presidente Prudente e os doentes mentais, percebe-se diferença significativa nos resultados: assim, os índices de freqüência foram, respectivamente, 0,88% e 1,00% para os indivíduos procedentes de Santos e Presidente Prudente e considerados supostamente normais e 3,8% para os doentes mentais. Os resultados indicam que não é desprezível a ocorrência de anticorpos anti-Cysticercus cellulosae em nosso meio, especialmente entre pacientes de hospitais psiquiátricos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. BARACCHINI, O. & BRITTO E SILVA, M. _. Emprego de técnica de Kolmer, modifi-
cada, na fixação de complemento, usando antígeno metílico de Trypanosoma cruei no diagnóstico da doença de Chagas. Rev. Inst. Adolfo Lutz, 29/30:73-9, 1969/70.

2. CANELAS, H. M. - N eurocisticercose: incidência, diagnóstico e formas clínicas. Arq. Neuro-Psiquiat. (São Paulo), 20: 1-30, 1962.

3. LAMAS, E.; ESTEVES, J.; SOTO, M. & OBRADOR, S. - Computorized axial tomography for the diagnosis of cerebral cysticercosis. Acta. N eurochir., 44: 197 -205, 1978.

4. LANGE, O. - ° líquido ecphalo-rachidiano na cysticercose do systema nervoso central. Rev. Neurol. Psiquiat. São Paulo, 1: 421-34, 1935.

5. MACHADO, J. J. - Forma hipertensiva da neurocisticercose. I'ratoanento cirúrçico, São Paulo, 1980. [Tese - Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo]

6. MOSES, A. - Dos métodos biológicos de diagnóstico nas cisticercoses. Mem, Inst. Oswaldo Cruz, 3 :320-7, 1911.

7. REIS, J. B. & BEI, A. - A reação de fixação de complemento para diagnóstico de sífilis e de cisticercose no líquido cefalorraquidiano pela técnica de Waldsworth, Maltaner & Maltaner. Rev. paul. Med., 53: 439-78, 1958.

8. REIS, J. B.; BEI, A. & REIS FILHO, J. B. - Nossa experiência com reação de fixação de complemento pela técnica de Waldsworth, Maltaner & Maltaner adaptada ao
líquido cefalorraquidiano para o diagnóstico de sífilis e de cisticercose. Re». paul.
M ed., 62: 118-24, 1963.

9, REIS, J. B.; BEI, A.; REIS FILHO, J. B. & NASSER, J. - Líquido cefalorraquiano na cisticercose encefálica. Arq. NeuroPsiquiat. (São Paulo), 37:113-25, 1979.

10, REIS, J. B.; PIMENTA, A. M. & PUPO, P. P. - Cerebrospinal fluid in the díagnosis
of the brain cysticercosis. N eurol, Psiquíat. Neurochir., 9:175-6, 1964.

11. SPINA-FRANÇA, A. - Cisticercose do sistema nervoso central. Considerações sobre 50 casos. Rev. paul. Med., 48:59-70, '1956.

12, SPINA-FRANÇA, A. - Síndrome liquórica da neurocisticercose. Arq. Neuro-Psiquiat. (São Paulo), 19:307-14, 1961.

13. SPINA-FRANÇA, A. - Aspectos biológicos da neurocisticercose. Alterações no líquido cefalorraquidiano. Arq. Neuro-Psiquiat; (São Paulo), 20:17-30, 1962.

14. SPINA-FRANÇA, A. - Imunobiologia da eisticercose: avaliação dos conceitos atuais. A1·q. Neuro-Peiquiat: (São Paulo), 27:125-40, 1969.

15. WEINBERG, M. -- Recherches des anticorps spécifiques dans la distomatose et la cysticercose. C. r. Séanc. Soc. Biol. 66 :219-221, 1909.

Downloads

Publicado

1983-12-30

Como Citar

1.
Ueda M, Nakamura PM, Waldman EA, Chieffi PP, Souza AMC de, Spir M, Gerbi LJ. Freqüência de anticorpos anti-Cysticercus cellulosae em população de risco para cisticercose e em segmento de população considerado supostamente normal, em regiões do Estado de São Paulo, Brasil. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 30º de dezembro de 1983 [citado 3º de março de 2024];44(1):25-8. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/36819

Edição

Seção

ARTIGO ORIGINAL

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 > >>