Hemoparasitas de aves capturadas em duas regiões do Estado de São Paulo, Brasil
pdf

Palavras-chave

aves silvestres, hemoparasitismo
parasitas (hemoparasitas), em aves silvestres, São Paulo, Brasil

Como Citar

1.
Dias RMDS, Chieffi PP, Tolezano JE, Lupetti N. Hemoparasitas de aves capturadas em duas regiões do Estado de São Paulo, Brasil. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 29º de junho de 1984 [citado 24º de julho de 2024];44(1):41-6. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/36825

Resumo

Examinaram-se esfregaços de sangue de 256 exemplares de aves capturadas vivas em duas estações de campo mantidas pelo Instituto Adolfo Lutz, para fins de vigilância epidemiológica nos municípios de Iguape e Itapetininga, no litoral e interior do Estado de São Paulo, respectivamente. Após captura com rede apropriada, as aves eram classificadas, sangradas, identificadas com anel metálico e, a seguir, soltas novamente em seu habitat natural. Das 256 aves capturadas, 252 pertenciam à Ordem Passeriforme e apenas 4 foram classificadas como Columbiformes. De cada ave preparou-se um esfregaço de sangue que, após fixação com metanol, foi corado pela técnica de Giemsa. Em 35 (13,7%) dos esfregaços examinados encontraram-se uma ou mais espécies de hemoparasitas. Plaemodium. sp, foi o parasita mais freqüente, ocorrendo em 16 aves (6,2%); microfilárias foram diagnosticadas em 12 aves (4,7%); Trypanoso?na sp. em 5 aves (2,0%); Haemoproteus sp. em 3 aves (1,2%) e gametócitos de Leucocytozoon sp. foram encontrados parasitando apenas uma das aves examinadas (0,4%). Notou-se tendência a encontro mais freqüente de microfilárias nas aves originárias do município de Itapetininga. Para as demais espécies de hemoparasitas, não se verificaram diferenças significativas nas taxas de freqüência conforme o local de captura das aves.

https://doi.org/10.53393/rial.1984.44.36825
pdf

Referências

1. ARAGÃO, H. B. - Observações sobre algumas hemogregarinas das aves. Mem. Inst. Oswaldo Cruz, 3 :54-64, 1911.

2. ARAGÃO, H. B. - Evolution de l' Haemoproteus columbae et du Trypanosoma hannai dans Ia Lynehia maura Bigot. C. r. Seanc, Soc. Biol. Fil., 97:827-9, 1927.

3. BENNETT, G. F. & LOPES, O. S. - Blood parasitos of some bi rds from São Paulo State, Brazil. Mem. Inst. Oswaldo Crus, 75:117-34, 1980.

4. CARINI, A. & MACIEL, J. - Quelques hémoparasites du Brésil. Buli. Soe. Path. exot., 9 :247-65, 1916.

5. LAINSON, R.; SHA W, J. J. & HUMPHREY, P. S. - Preliminary survey blood-parasites of birds of the área de pesquisas ecológicas do Guamá, Belém, Pará, Brasil. In: INTERNATIONAL CONGRESS OF PARASITOLOGY, 2nd, Washington, D.C., 1970. Proceedings. J. Parasitol., 56 (nº 4, Sect. II, parte I) :197-8, 1970.

6. LUCENA, D. T. - Lista dos protozoários hemoparasitas de aves da região neotró-
pica. Rev. Fac. Med. Vet., 2:33-66, 1941.

7. LUTZ, A. & MEYER, C. - Hematozoários endoglobulares. Rev. Méd. São Paulo, 9:
177 -83, 1908.

8. PESSóA, S. B. "- Novos hemoparasitas de aves do Brasil. An. Fac. Med. Univ. São Paulo, 11: 173-5, 1935.

9. PINTO, C. - Protozoários observados no Brasil. Mem. Inst. Oswaldo Cruz, 18:211-
302, 1925.

10. TORRES, D. M. A. G. V.; DIAS, R. M. D. S.; CHIEFFI, P. P.; TOLEZANO, J. E. & NAGAMORI, A. H. - Hemoparasitas de quirópteros e marsupiais capturados no Estado de São Paulo, Brasil. Rev. Inst. Adolf o Lutz, 43 :47-53, 1983.
Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 1984 Rosa Maria Donini Souza Dias, Pedro Paulo Chieffi, José Eduardo Tolezano, Norival Lupetti

Downloads

Não há dados estatísticos.