Determinação quantitativa de corantes artificiais em alimentos
pdf

Palavras-chave

corantes artificiais em alimentos, determinação
alimentos, determinação de corantes artificiais em

Como Citar

1.
Takahashi MY, Yabiku HY, Marsiglia DA. Determinação quantitativa de corantes artificiais em alimentos. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 30º de dezembro de 1988 [citado 13º de julho de 2024];48(1-2):7-15. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/36900

Resumo

Foi estudada a determinação quantitativa de corantes artificiais em 55 amostras de alimentos comprados no comércio da cidade de São Paulo: balas, pós para pudim, pós para refresco, pós para sobremesa de gelatina, iogurtes, sorvetes e xarope de groselha. A extração para a quantificação foi feita com metanol amoniacal para a maioria dos alimentos, sendo que em iogurtes e sorvetes foi usado o etanol amoniacal. Após a extração foi feita leitura espectrofotométrica na região do visível. O teor de corante foi calculado utilizando os valores de absortividade de cada um. Em amostras contendo misturas de corantes (amarelo crepúsculo e tartrazina) que absorvem em comprimentos de onda próximos, foi estabelecida uma fórmula baseada na aditividade das absorbâncias para calcular o teor de corante. Os resultados indicam obediência aos padrões determinados pela legislação em vigor.

https://doi.org/10.53393/rial.1988.48.36900
pdf

Referências

1. BRASIL. Leis, decretos etc. - Resolução normativa nº 4/78 da Câmara Técnica de Alimentos do Conselho Nacional de Saúde. Diário Oficial, Brasília, 2 out. 1978. Seção I, p. 15944. Atualização das normas sobre gelados comestíveis pré embalados ou não.

2. BRASIL. Leis, decretos etc. - Portaria nº 2, de 28 de jan. de 1987, da Divisão Nacional de Vigilância Sanitária de Alimentos do Ministério da Saúde. Diário Oficial, Brasília, 9 fev. 1987. Seção I, p. 2017. Exclui os corantes Amarelo ácido, etc. da Tabela I do Decreto 55.871/65.

3. BRASIL. Leis, decretos etc. - Decreto nº 55.871, de 26 de março de 1965. Diário Oficial, Brasilia, 9 de abro 1965. Seção I, pt I, p. 3610. Modifica o Decreto nº 50.040, de 24 de janeiro de 1961, referente a normas reguladoras do emprego de aditivos para alimentos, alterado pelo Decreto nº 691, de 13 de março de 1962.

4. CLODE et alii - Long-term toxiciry study of amaranth in rats using animaIs exposed in utero. Food Chem. Toxicol. 25(12):937-946, 1987.

5. FAO/WHO Expert Committee on Food Additives. - Food additives data system. Rorne, FAO, 1984. p.43; 47; 60; 95; 109; 171; 172. (FAO Food and Nutrition Paper 30).

6. MAEKA WA et alii - Lack of carcinogenicity of Tartrazine (FD&C Yellow nº 5) in the F344 rats. Food Chem. Toxicol. 25(12):891-896, 1987.

7. PUTTEMANS et alii - High pressure Iiquid chromatographic determination of tartrazine in rice milk foIlowing ion-pair extraction with tri-N-octylamine. J. Assoc. Off. Anal. Chem., 66:670-672, 1983.

8. SÃO PAULO. Inst. Adolfo Lutz - Normas analíticas do Instituto Adolfo Lutz. v.1: Métodos químicos e físicos para análise de alimentos. 3ª ed. São Paulo, 1.0.E., 1985. p.107-8.
Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 1988 Mickiko Y. Takahashi, Helena Y. Yabiku, Deise A.P. Marsiglia

Downloads

Não há dados estatísticos.