Óleo de oliva - avaliação de sua qualidade
pdf

Palavras-chave

óleo de oliva, detecção de fraude
óleo de oliva, controle de qualidade por cromatografia em fase gasosa, índice de iodo e índice de refração

Como Citar

1.
Badolato ESG, Durante F, Almeida MEW de, Silveira NVV. Óleo de oliva - avaliação de sua qualidade. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 30º de junho de 1981 [citado 21º de junho de 2024];41(1):63-70. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/36996

Resumo

Existem algumas misturas de óleos que, pela composiçao de seus ácidos g raxos, podem ser adicionadas a óleos de oliva, sem que essa fraude possa ser detectada pelos processos clássicos, pois os índices físico-químicos do produto final caem dentro do intervalo característico do óleo de oliva puro. A cromatografia em fase gasosa foi empregada para a obtenção do perfil cromatográfico dos ácidos g raxos do óleo de oliva, do de soja e do de babaçu, bem como de misturas, preparadas no laboratório, de dois ou três dos referidos óleos. Foram também determinados os índices de iodo e de refração dos óleos puros e das misturas de óleos. Pela presença dos ácidos g raxos capr ílico, cáprico, láurico e mirístico, e pela composição relativa dos demais ácidos, foi possível detectar a presença de óleo de babaçu e de óleo de soja em óleos de oliva, mesmo quando os índices físico-químicos indicavam óleo de olíva puro. Durante o período de janeiro de 1979 a dezembro de 1980, foram analisadas 190 amostras de óleos de oliva, expostos ao consumo em São Paulo, provenientes do exterior, sendo que os óleos enlatados no país de origem eram puros, enquanto que 42%...

https://doi.org/10.53393/rial.1981.41.36996
pdf

Referências

1. BADOLATO, E.S.G. & ALMEIDA, M.E.W. Pesquisa por cromatografia em fase gasosa da adulteração de chocolates. Rev. Inst. Adolfo Lutz, 37 :47-56, 1977.

2. BRASIL. Leis, decretos, etc. - Resolução Nº 22/77. Diário Oficial, Brasília, 6 set. 1977. Seção I, pt. 1, p. 11807. Estabelece padrão de identidade e qualidade para os óleos e gorduras comestíveis, destinados à alimentação humana.

3. GALANOS, D.S.; KAPOULAS, V.M. & VOUDOURIS, E.C. - Detection of adulteration of olive oil by argentation thin layer chromatography. J. Am. Oil Chem. Soc., 45: 825-9, 1968.

4. IVERSON, J.L.; EISNER, J. & FIRESTONE, D. - Fatty acid composition of olive oil by urea fractionation and gas-liquid chromatography. J. Ass. off. agric. Chem., 48:1191-1202, 1965.

5. O'CONNOR, R.T. & HERB, S.F. - Specifications of fatty acid composition for identification of fats and oils by gas liquid chromatography. J. Am. Oil Chem. Soc., 47: 186A, 195A, 197A, 1970.

6. SÃO PAULO. Instituto Adolfo Lutz - Normas analíticas do Instituto Adolfo Lutz, v. 1: Métodos químicos e físicos para análise de Alimentos. 2ª ed. São Paulo, Melhoramentos, 1976. p. 189-92.

7. SOARES, L.V. & AMAYA, D.R. - Adulteração de óleo de oliva no Brasil. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS, 4.°,
Rio de Janeiro, 1980. l Rio de Janeiro, Imprensa Universitária, 1980] p. 162.
[Resumos de trabalhos]

8. VIDAL, P.A.; RICCIARDI, A.J. & FERREIRA, J.F. - Determinação da adição de óleo de soja a outros óleos vegetais comestíveis por cromatografia em fase gasosa. Rev. Inst. Adolfo Lutz, 39 (1) : 67-77, 1979.
Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 1981 Elza S. Gastaldo Badolato, Franca Durante, Maria Elisa W. de Almeida, Neusa V. V. Silveira

Downloads

Não há dados estatísticos.