Leishmaniose Visceral: história epidemiológica na Região de São José do Rio Preto, Estado de São Paulo, no período de 2008 a 2019

Autores

  • Denise Maria Bussoni Bertollo Instituto Adolfo Lutz

Palavras-chave:

Leishmaniose visceral, Leishmaniose visceral humana, Leishmaniose visceral canina

Resumo

O objetivo deste estudo epidemiológico descritivo retrospectivo, com abordagem
exploratória de tendência temporal e espacial dos casos autóctones de leishmaniose
visceral (LV), foi descrever a história natural da LV na região administrativa de São José do
Rio Preto, desde o registro da presença do vetor e dos primeiros casos caninos e humanos,
no período de 2008 a 2019. Os dados secundários foram obtidos a partir de notificações
no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), segundo o local provável
de infecção (LPI) e registros da classificação epidemiológica dos municípios disponíveis
em boletins epidemiológicos. A região de São José do Rio Preto é composta por 102
municípios, dos quais 57 apresentam alguma situação epidemiológica em relação a LV. A
progressão da doença na região caracteriza-se pela expansão a partir de Jales e Urânia,
em 2008, para 57 municípios até dezembro de 2019, totalizando 55,9% dos municípios
da região. No período de 2008 a 2019 foram confirmados 1.899 casos de LV humana no
estado de São Paulo, destes, 165 (8,7%) referem-se à região de São José do Rio Preto.
No presente estudo, com base na série temporal de dados epidemiológicos a partir de
diferentes fontes de registro da LV e das análises realizadas, é possível concluir que a
doença continua em crescente expansão geográfica na região.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

1. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância
das Doenças Transmissíveis. Manual de vigilância, prevenção e controle de zoonoses:
normas técnicas e operacionais. Brasília (DF); 2016.

2. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Leishmaniose Visceral. Guia
de Vigilância em Saúde. 3.ed. Brasília (DF);2019:503-22.

3. World Health Organization. Sustaining the drive to overcome the global impact of
neglected tropical diseases. Leishmaniasis. 2013. Disponível em: http://www.who.
int/neglected_diseases. Acesso em: 04/05/2021
World Health Organization. Surveillance of leishmaniasis in the WHO European Region,
2016 and Global leishmaniasis surveillance update, 1998-2016. Wkly Epidemiol Rec
2018;40(93):521-40.

4. Lutz A, Neiva A. Contribuição para o conhecimento das espécies do gênero Phlebotomus
existentes no Brasil. Mem Inst Oswal Cruz.1912;8:467-80.

5. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Manual de vigilância e
controle da leishmaniose visceral. Brasília; 2006.
6. Lainson R, Shaw JJ. Epidemiology and ecology of leishmaniasis in Latin-America. Reprinted
from Nature. @MacmillanJournalsLtd. 1978;273(5664):595-600.

7. Maia-Elkoury ANS, Alves WA, Sousa-Gomes ML, Sena JM, Luna EA. Visceral leishmaniasis in
Brazil: trends and challenges. Cad. saúde pública. 2008; 24(12):2941-47.

8. Secretaria de Estado da Saúde do Estado de São Paulo (SES/SP). Manual de Vigilância e
Controle da Leishmaniose Visceral Americana do Estado de São Paulo. São Paulo; 2006.

9. Gallimbert MZ, Katz G, Camargo-Neves VLF, Rodas LAC, Casanova CC, Costa AI, et al.
Leishmaniose visceral americana no Estado de São Paulo. Rev soc bras med trop. 1999.

10. Langoni H, Shimabukuro FH, Mendonça AO, Araújo WN, Mendança LJP, Luvizotto MCR.
Caracterização clínica dos casos de leishmaniose canina diagnosticados durante o ano de
1999, no serviço de diagnóstico de zoonoses da FMVZ – Unesp. In: ParasitolJornal paul
parasitol. Botucatu. 2000.

11. Tolezano JE, Luvizotto MCR, Uliana SRB, Araújo MFL, Taniguchi HH, Barbosa JAR.
Leishmaniose visceral americana (LVA) em Araçatuba, região oeste do estado de São Paulo.
Investigações laboratoriais e diagnóstico de uma doença emergente em terras paulistas.
Rev socie bras med trop. 1999;32:218.

12. Cardim MFM, Rodas LAC, Dibo RM, Guirado MM, Oliveira AM, Chiaravalloti-Neto F.
Introdução e expansão da Leishmaniose visceral americana em humanos no estado de São
Paulo, 1999-2011. Rev de saúde pública. 2013; 47(4): 691-700.

13. Scandar SAS, Silva RA, Cardoso-Junior RP, Oliveira FH. Ocorrência de leishmaniose visceral
americana na região de São José do Rio Pr eto, Estado de São Paulo, Brasil. Boletim
epidemiol paul. 2011;8(88):13-22.

14. Bertollo. Aspectos soroepidemiológicos da leishmaniose visceral no Departamento
Regional de Saúde (DRS) XV região de São José do Rio Preto, estado de São Paulo, Brasil,
2008-2012. Dissertação de mestrado, 2016. Acesso: ses.sp.bvs.br›lildbi›docsonline›get

15. Bertollo. Aspectos soroepidemiológicos da leishmaniose visceral no Departamento
Regional de Saúde (DRS) XV região de São José do Rio Preto, estado de São Paulo,
Brasil, 2008-2012. Dissertação de mestrado, 2016. Disponivel em: ses.sp.bvs.
br›lildbi›docsonline›get. Acesso em: 13/05/2021

16. Abrantes TR, Werneck GL, Almeida AS, Figueiredo FB. Fatores ambientais associados à
ocorrência de leishmaniose visceral canina em uma área de recente introdução da doença
no Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2018;34(1).

17. Secretaria de Estado de Saúde da São Paulo. Coordenadoria de Controle de Doenças.
Classificação epidemiológica dos municípios segundo o Programa de Vigilância e Controle
da Leishmaniose Visceral Americana no Estado de São Paulo. Bol. epidemiol. paul. 2011.

18. Madalosso G; Fortaleza CM; Ribeiro AF; Cruz LL; Nogueira PA; Lindoso JAL. American
visceral leishmaniasis: Factors associated with lethality in the State of São Paulo, Brazil.
Journal of Tropical Medicine, 2012.

19. Rangel O, Hiramoto RM, Henriques LF, Taniguchi HH, Ciavarolo RMC, Tolezano JE et
al. Classificação epidemiológica dos municípios segundo o Programa de Vigilância e
Controle da Leishmaniose Visceral Americana no Estado de São Paulo, para 2013. Boletim
Epidemiológico Paulista. 2013.

20. Hiramoto RM; Oliveira SS; Rangel O; Henriques LF; Taniguchi HH; Barbosa JER; Casanova C;
Viviani Jr A; Sampaio SMP et al. Classificação epidemiológica dos municípios do Estado de
São Paulo segundo o Programa de Vigilância e Controle de Leishmaniose Visceral. 2019.

21. Quintana MG, Fernandéz MS, Salomón OD. Distribution and abundance of Phlebotominae,
vectors of leishmaniasis, in Argentina: spatial amd temporal analysis at different scales.
J.Trop.Med. 2012. Avaiable from: doi: 10.1155/2012/652803.

22. Rangel O, Oliveira SS, Hiramoto RM, Henrique LF, Viviani-Junior A, Taniguchi HH, et al.
Classificação epidemiológica dos municípios do Estado de São Paulo segundo o Programa de
Vigilância e Controle da Leishmaniose Visceral, 2019. Boletim Epidemiológico Paulista. 2020.

23. Oliveira AM, Guirado MM, Dibo MR, Rodas LA, Bocchi MR, Chiaravalloti-Neto F. Occurrence
of Lutzomyia longipalpis and human and canine cases of visceral leishmaniasis and
evaluation of their expansion in the Northwest region of the State of São Paulo, Brazil. Rev.
Soc. Bras. Med. Trop. 2016.

24. Lainson R, Dye C, Shaw JJ, Macdonald DW, Courtenay O, Souza AA, et al. Amazonian
visceral leishmaniasis--distribution of the vector Lutzomyia longipalpis (Lutz & Neiva) in
relation to the fox Cerdocyon thous (linn.) and the efficiency of this reservoir host as a
source of infection. Mem Inst Oswaldo Cruz. 1990 Mar;85(1):135-7.

25. Cunha S, Freire M, Eulalio C, Critosvao J, Netto E, Johnson WD Jr, Reed SG, Badaro R.
Visceral leishmaniasis in a new ecological niche near a major metropolitan area of Brazil.
Trans R Soc Trop Med Hyg. 1995;89(2):155-8.

26. Silva ES, Gontijo CM, Pacheco RS, Fiuza VO, Brazil RP. Visceral leishmaniasis in the
Metropolitan Region of Belo Horizonte, State of Minas Gerais, Brazil. Mem Inst Oswaldo
Cruz. 2001 Apr;96(3):285-91.

Downloads

Publicado

2021-12-31

Como Citar

1.
Maria Bussoni Bertollo D. Leishmaniose Visceral: história epidemiológica na Região de São José do Rio Preto, Estado de São Paulo, no período de 2008 a 2019. Bepa [Internet]. 31º de dezembro de 2021 [citado 10º de agosto de 2022];18(216):13-30. Disponível em: //periodicos.saude.sp.gov.br/BEPA182/article/view/37267

Edição

Seção

Artigo Original