Distribuição e produção dos serviços de hemodinâmica no ESP: Avaliação para o ano de 2019

Autores

  • Lígia Mayumi Abe Biomédica Aprimoranda do Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e Sistemas de Saúde do HC-FMUSP, da FMUSP e Fundação Getúlio Vargas.
  • Ana Barbosa Marcondes de Mattos Fisioterapeuta Aprimoranda do Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e Sistemas de Saúde do HC-FMUSP, da FMUSP e Fundação Getúlio Vargas.
  • Caroline Maiolini Mizael Fisioterapeuta Aprimoranda do Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e Sistemas de Saúde do HC-FMUSP, da FMUSP e Fundação Getúlio Vargas.
  • Larissa Yumi Yamamoto Enfermeira Aprimoranda do Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e Sistemas de Saúde do HC-FMUSP, da FMUSP e Fundação Getúlio Vargas.
  • Rosemeire Keiko Hangai Enfermeira Coordenadora de Ensino do Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e Sistemas de Saúde do HC-FMUSP, da FMUSP e Fundação Getúlio Vargas.
  • Cícero Campanharo Médico Assessor de Gabinete do Secretário de Estado da Saúde. São Paulo, Brasill.
  • Olímpio J. Nogueira V. Bittar Médico Assessor de Gabinete do Secretário de Estado da Saúde. São Paulo, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.57148/bepa.2020.v.17.33929

Palavras-chave:

Serviço de Hemodinâmica, Equipamentos e provisões/provisão & distribuição, Produtividade

Resumo

A Secretaria de Estado da Saúde é responsável pela formulação da Política Estadual de Saúde e de suas diretrizes, visando organizar ações e serviços de saúde promovendo integralidade da atenção, racionalização dos gastos, otimização dos recursos e equidade na perspectiva de garantia do direito à saúde (Ibanez, 2011). Neste sentido, uma das prioridades atuais da Secretaria de Estado da Saúde é fortalecer a linha de cuidado para áreas estratégicas e agravos prevalentes, como é o caso das doenças crônico-degenerativas. Dentre as ações com maior impacto sobre a mortalidade e controle do Infarto Agudo do Miocárdio está o aumento da oferta do serviço de Hemodinâmica no Estado de São Paulo. No entanto, para que se tome tal decisão, algumas informações precisam ser levantadas para fundamentar o investimento mais adequado em termos
de custo e qualidade de serviço. O estudo analisou, por meio da base de dados do Sistema Único de Saúde e da Agência Nacional da Saúde Suplementar, a oferta de serviços de Hemodinâmica no Estado de São Paulo, bem como a produção, número de equipamentos, produção por equipamento e por serviço e, por fim, comparou o resultado obtido com normativas do Ministério da Saúde e valores de outros países. São 47 serviços habilitados, presentes em 15 dos 17 Departamentos Regionais de Saúde (DRS). Há 81 equipamentos em uso no SUS e com produção vinculada. Quando analisada a produtividade, observa-se que esta varia bastante: desde o DRS de São João da Boa Vista, com 5,3 procedimentos para cada 100.000 habitantes da população total; para a maior taxa observada no DRS de Barretos, com 551,5 para cada 100.000 habitantes da
população total. Quando estratificada a produtividade por dia, a maior produtividade é a do DRS de Sorocaba, com 7,3 procedimentos por equipamento por dia e a menor, DRS de São João da Boa Vista, com 0,1 procedimentos por equipamento por dia. Dessa forma, o estudo evidencia a baixa produtividade em alguns serviços e a má distribuição destes entre os DRS.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

1. Ferreira JBB. et al. O processo de descentralização e regionalização da saúde no estado de São Paulo. In: Ibañez N; Elias PEM; Seixas PHD. (Org.). Política e gestão pública em saúde. São Paulo: Hucitec, 2011. p. 731-61.
2. OPAS – Organização Pan-Americana da Saúde. Brasil Doenças Cardiovasculares 2017 – Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5253:doencas-cardiovasculares&Itemid=1096.
3. Andreazzi MFS. de, Andreazzi MAR de, Sancho L, Freitas HAGF. Oferta e utilização de serviços de hemodinâmica no estado do Rio de Janeiro, Brasil.
Rev. Col. Bras. Cir. 2014;41(5).
4. Bittar OJNV. Saúde e Administração. Health Care Administration.BEPA 2015;12(139):00-00.
5. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria n. 1.169/GM/MS, de 15 de junho de 2004. Institui a Política Nacional de Atenção Cardiovascular de Alta Complexidade, e dá outras providências.
6. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria n. 1.631/GM/MS, de outubro de 2015. Aprova critérios e parâmetros para o planejamento e programação de ações e serviços de saúde no âmbito do SUS.
7. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Portaria n. 210/SAS/MS, de 15 de junho de 2004. Definir Unidades de Assistência em Alta Complexidade Cardiovascular e os Centros de Referência em Alta Complexidade Cardiovascular e suas aptidões e qualidades.
8. Moran AE, Forouzanfar MH, Roth GA, Mensah GA, Ezzati M, Murray CJ, Naghavi M. Temporal trends in ischemic heart disease mortality in 21 world regions, 1980 to 2010: the Global Burden of Disease 2010 study. Circulation 2014; 129(14):1483-92.
9. Painel Mortalidade. Divisão de Doenças Crônicas Não-Transmissíveis. Coordenadoria de Controle de Doenças. Junho 2019. Disponível em: http://www.saude.sp.gov.br/resources/cve-centro-de-vigilanciaepidemiologica/areas-de-vigilancia/doencas-cronicas-nao-transmissiveis/dados/dcnt_painel_esp_19802018.pdf
10. Ministério da Saúde. Vigitel. Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico. Brasília, DF. 2018.
11. Eurostat – Disponível em: https://ec.europa.eu/eurostat/data/database

Downloads

Publicado

2020-06-30

Como Citar

1.
Abe LM, Mattos ABM de, Mizael CM, Yamamoto LY, Hangai RK, Campanharo C, Bittar OJNV. Distribuição e produção dos serviços de hemodinâmica no ESP: Avaliação para o ano de 2019. Bepa [Internet]. 30º de junho de 2020 [citado 23º de abril de 2024];17(198):1-19. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/BEPA182/article/view/33929

Edição

Seção

Artigo Especial