Importância da participação periódica dos laboratórios de sorologia para HIV em Programas de Avaliação Externa da Qualidade – AEQ HIV*

Autores

  • Márcia Jorge Castejon Centro de Imunologia. Instituto Adolfo Lutz. Coordenadoria de Controle de Doenças
  • Rosemeire Yamashiro Centro de Imunologia. Instituto Adolfo Lutz. Coordenadoria de Controle de Doenças
  • Carmem Aparecida de Freitas Oliveira Centro de Imunologia. Instituto Adolfo Lutz. Coordenadoria de Controle de Doenças.

Palavras-chave:

HIV., AEQ., Sorologia., Controle de qualidade.

Resumo

O Programa de Avaliação Externa da Qualidade tem como finalidade auxiliar os participantes no monitoramento da exatidão de seus resultados e, com isso, oferecer melhor qualidade nos serviços prestados à população. Este estudo tem como objetivo demonstrar aos laboratórios de sorologia para HIV a importância da participação periódica em programas de avaliação externa da qualidade. De abril de 2014 a outubro de 2015, 19 laboratórios de sorologia para HIV participaram no Programa de Avaliação Externa da Qualidade do Instituto Adolfo Lutz (AEQ HIV -IAL). Neste período foram distribuídos, em quatro rodadas/ano, os painéis de soros (itens de ensaio) caracterizados quanto à reatividade de anticorpos anti-HIV empregando-se diferentes modalidades de testes imunodiagnósticos específicos. Os laboratórios participantes realizaram a análise nos itens de ensaio por meio de conjuntos de testes sorológicos anti-HIV empregados na respectiva rotina laboratorial. Dos 15 laboratórios que efetivamente realizaram os testes de triagem, nove obtiveram 100% de aprovação nos dois anos consecutivos; e o maior número de resultados insatisfatórios ocorreu em 2015. Dos 17 participantes que realizaram os ensaios confirmatórios no primeiro ano, 88,2% demonstraram desempenho global satisfatório, todavia este índice caiu para 59% em 2015. A participação periódica em programas de avaliação externa faz com que os participantes visualizem a variabilidade do desempenho analítico ao longo do tempo, e tomem medidas para assegurar a qualidade dos serviços em seus laboratórios.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

Constantine NT, Zink H. HIV testing technologies after two decades of evolution. Indian J Med Res. 2005; 121(4): 519-38.

Vieira KF, Shitara ES, Mendes ME, Sumita NM. A utilidade dos indicadores da qualidade no gerenciamento de laboratórios clínicos. J Bras Patol Med Lab. 2011; 47(3): 201-10.

Berlitz FA. Controle da qualidade no laboratório clínico: alinhando melhoria de processos, confiabilidade e segurança do paciente. J Bras Patol Med Lab. 2010; 46(5): 353-63.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Seleção, uso e interpretação de programas de ensaio de proficiência (EP) por laboratórios-2000. Séries Temáticas. Habilitação 2. Brasil, 2006.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. RDC 302, de 13 de outubro de 2005. Dispõe sobre Regulamento Técnico para funcionamento de Laboratórios Clínicos. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 14 de out. 2005, Seção 1, p.33. [acesso em 12 maio 2014]. Disponível em: http://portal.anvisa. gov.br/wps/portal/anvisa/home

Oliveira CA, Mendes, ME. Gestão da fase analítica do laboratório: como assegurar a qualidade na prática. 1. ed, v.2. Rio de Janeiro: ControlLab, 2011.

Castejon MJ, Yamashiro R, Oliveira CC, Caruso MSF, Oliveira CAF, Sakuma AM. Avaliação externa da qualidade em ensaios sorológicos anti-HIV no Instituto Adolfo Lutz (IAL): desempenho dos laboratórios participantes. Bepa 2015;12(142):1-13.

Associação Brasileira de Normas Técnicas. ISO/IEC 17043. Avaliação da conformidade – Requisitos gerais para ensaios de proficiência. Brasil, 2011.

Basques, JC. Usando Controles no Laboratório Clínico. Labtest, 2009. [Acesso: em 12 nov. 2015]. Disponível em: http://www.labtest. com.br/publicacoes/publicacoeslabtest

World Health Organization. Guidelines for organizing national external quality assessment schemes for HIV serological testing. UNAIDS 96.5, 1996.

São Paulo. Secretaria de Estado da Saúde. Coordenadoria de Controle de Doenças. Manual técnico para implementação do controle de qualidade interno nos procedimentos laboratoriais para diagnóstico sorológico da infecção pelo HIV no estado de São Paulo. São Paulo: IAL; 2007. [Acesso em 15 out. 2015]. Disponível em: http://bases.bireme.br

Associação Brasileira de Normas Técnicas. ISO Guia 35: Materiais de referência – Princípios gerais e estatísticos para certificação. Brasil, 2012.

Oliveira CA, Mendes, ME. Gestão da fase analítica do laboratório: como assegurar a qualidade na prática. 1. ed, v.1. Rio de Janeiro: ControlLab, 2010.

Downloads

Publicado

2016-03-31

Como Citar

1.
Castejon MJ, Yamashiro R, de Freitas Oliveira CA. Importância da participação periódica dos laboratórios de sorologia para HIV em Programas de Avaliação Externa da Qualidade – AEQ HIV* . Bepa [Internet]. 31º de março de 2016 [citado 28º de março de 2023];13(147):1-12. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/BEPA182/article/view/38103

Edição

Seção

Artigo Original

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)