Evolução do diagnóstico virológico de raiva humana no Instituto Pasteur de São Paulo, Brasil (1970-2020): análise de dados

Autores

DOI:

https://doi.org/10.57148/bepa.2024.v.21.39696

Palavras-chave:

raiva humana, diagnóstico laboratorial, vigilância em saúde pública

Resumo

O diagnóstico laboratorial precoce de raiva humana deve ser realizado por testes apropriados, visto que a aplicação de protocolos de tratamento médico em indivíduos internados depende dos resultados laboratoriais. O presente estudo analisou os dados referentes aos 560 casos suspeitos de raiva humana submetidos ao diagnóstico virológico no IP/SP de 1970 a 2020. Houve um avanço das metodologias laboratoriais, especialmente as moleculares que passaram a ser essenciais, possibilitando  o tratamento de indivíduos expostos, bem como permitindo a determinação da fonte de infecção dos casos, fato fundamental para a efetividade de ações de controle em regiões vulneráveis à disseminação da doença. Intervenções no ciclo urbano da raiva, por meio de vacinação de cães e gatos e encaminhamento de amostras para diagnóstico diminuiram os casos transmitidos por cães, especialmente no Sudeste, em contrapartida, foi observado um aumento exponencial de casos no mesmo período, nas regiões Norte (32%) e Nordeste (53,3%), com casos relacionados ao ciclo silvestre, tendo os morcegos como principais transmissores (72%), seguidos dos primatas não humanos (6%), e dos canídeos silvestres (1%). Nossos resultados demonstraram a importância do aprimoramento do diagnóstico laboratorial, que é parte essencial na condução de estratégias de controle, bem como de tratamento de indivíduos expostos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

Carnieli Jr. P, Castilho JG, Fahl WO, Véras NMC, Timenetsky MCST. Genetic characterization of Rabies virus isolated from cattle between 1997 and 2002 in epizootic area in the state of São Paulo, Brazil. Virus Research. 2009; 144:215-24.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Rabies fact sheet updated September 2017. [consultado 2021 jul. 11]. Disponível em: https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/rabies.

Bleck TP. Rabies. In: Guerrant RL, Walker DH, Weller PF. Tropical infectious diseases: principles, pathogens & practice. 2 ed., v. 1 Churchill Livingstone Elsevier, Philadelphia; 2006. p. 839-51.

Schuch DGM, Bertoldi DGM, Dâmaso AH, Paniz ADV, Vieira M. Adequação e foco no atendimento antirrábico humano pós-exposição em Pelotas-RS, 2007.

Carrieri ML. Raiva Humana: Estudo documental a partir de dados do Instituto Pasteur de São Paulo 1970-1997. [Dissertação de Mestrado em Saúde Pública]. Universidade de São Paulo, São Paulo; 1998.

Sellers TF.; Fellow APHA. A new method for staining Negri Bodies of Rabies. Am. J. Public Health, v. 17, n. 10, p. 1080-1, 1927.

Dean DJ, Abelseth MK, Atanasiu P. The fluorescent antibody test. In: Meslin FX, Kaplan MM, Koprowski H, editores. Laboratory techniques in rabies. 4. ed. Geneva: World Health Organization. 1996. p. 88-95.

Koprowski H. The mouse inoculation test. In: Meslin FX, Kaplan MM, Koprowski H, editores. Laboratory techniques in rabies. 4. ed. Geneva: World Health Organization. 1996; p. 80-7.

Castilho JG, Iamamoto K, Yoshitaka J, Scheffer KC, Carnieli JR P, Oliveira RN, Macedo CI, Achkar SM, Carrieri ML, Kotait I. Padronização e aplicação da técnica de isolamento do vírus da raiva em células de neuroblastoma de camundongo (N2A). Bol. Epidemiológico Paulista 2007; 4: 12-8.

Favoretto SR, Carrieri ML, Cunha ES, Aguiar EAC, Silva LHQ, Sodré MM. Antigenic typing of Brazilian rabies virus samples isolated from animals and humans, 1989-2000. Ver. Inst. Med.Trop. S. Paulo. 2002; 44(2):91-5.

Kotait I, Carrieri ML, Takaoka NY. Raiva – Aspectos Gerais e Clínica. e ed. São Paulo. Instituto Pasteur, 2010.

Macedo CI, Carnieli P Jr, Brandão PE, Rosa EST, Oliveira RN, Castilho JG, Medeiros R, Machado RR, Oliveira RC, Carrieri ML, Kotait I. Diagnosis of human rabies cases by polymerase chain reaction of neck-skin samples. Braz J Infect Dis. 2006 Oct;10(5):341-5. doi: https://doi.org/10.1590/s1413-86702006000500008. PMID: 17293923.

Castilho JG, Macedo CI, Santos SO, Oliveira RN, Achkar SM, Carrieri ML, Kotait I, Carnieli P Jr. Método de diagnóstico antemortem da raiva humana por meio de técnicas de biologia molecular, utilizando saliva e biópsia de pele da região da nuca. Bol. Epidemiológico Paulista. 2013;10(112):4-12.

Willoughby RE, Tieves KS, Hoffman GM, Ghanayem NS, Amlielefond CM, Schwabe MJ. Survival after Treatment of Rabies with Induction of Coma. N Engl J Med. 2005;352(24):2508-14.

OPAS OP de la S. Rabies [Internet]. Epidemiological Alert. 2014. Available from: https://www. paho.org/hq/index.php?option=com_topics&view=article&id=46&Itemid=40766&lang=en

Vargas A. PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DA RAIVA HUMANA NO BRASIL, 2000-2017. Universidade de Brasília – Faculdade de Ciências da Saúde – Programa de pós-graduação em Saúde Coletiva; p. 1-60, Brasília, 2018.

Carrieri ML, Takaoka NY, Kotait I, Germano PML. Clinical and Epidemiological Diagnosis for Human Rabies: Data from the Pasteur Institute from 1970 to 2002. Bol. Epidemiológico Paulista. 2006; 06(29): 2-8.

Mathuranayagam D & Vishnupriya PR. Antemortem diagnosis of human rabies by corneal impression smears using immunofluorescent technique. Indian J. Med. Res. 1984; 79:463-7.

SVS/MS – Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde, 2020. https://antigo.saude. gov.br/saude-de-a-z/raiva. Acesso: 06/01/2021.

Araújo FAA. Raiva humana no Brasil, 1992-2001. [dissertação de Mestrado]. Belo Horizonte, MG: Escola de Veterinária da Universidade Federal de Minas Gerais; 2002.

Wada MY, Rocha SM, Maia-Elkhoury ANS. Situação da Raiva no Brasil, 2000 a 2009. Epidemiol. serv. Saúde. 2011; 20(4): 509-18.

Vargas A, Romano APM, Merchán-Hamann E. Raiva humana no Brasil: estudo descritivo, 2000- 2017*. Epidemiol. Serv. Saude, Brasília, 28(2):e2018275, p. 1-9. 2019.

Downloads

Publicado

2024-03-11

Como Citar

1.
Santos SFR, Macedo CI, Castilho JG, Scheffer KC, Mori E, Cochi M, Caporale GMM, Batista HB de CR, Achkar S. Evolução do diagnóstico virológico de raiva humana no Instituto Pasteur de São Paulo, Brasil (1970-2020): análise de dados. Bepa [Internet]. 11º de março de 2024 [citado 30º de maio de 2024];21:e39696. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/BEPA182/article/view/39696

Edição

Seção

Artigo Original

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)