Qualidade microbiológica da água utilizada para consumo humano na região do extremo oeste de Santa Catarina, Brasil

Autores

  • Diane Scapin Universidade do Oeste de Santa Catarina, Departamento de Ciências Biológicas e da Saúde,São Miguel do Oeste, SC
  • Eliandra Mirlei Rossi Universidade do Oeste de Santa Catarina, São Miguel do Oeste, SC
  • Débora Oro Universidade do Oeste de Santa Catarina, Departamento de Ciências Biológicas e da Saúde,São Miguel do Oeste, SC

DOI:

https://doi.org/10.53393/rial.2012.v71.32469

Palavras-chave:

coliformes, contaminação, micro-organismos patogênicos

Resumo

No presente estudo, foi avaliada a qualidade microbiológica da água consumida pela população na região do extremo oeste do estado brasileiro de Santa Catarina. Essa região é essencialmente agrícola, com atividades de bovinocultura e suinocultura, fatores que podem influenciar na qualidade microbiológica da água – principalmente porque, muitas vezes, esses mananciais não são adequadamente protegidos e os dejetos são incorretamente descartados. Foram avaliadas 298 amostras de águas de diversas propriedades dessa região entre os anos de 2007 a 2010. As análises microbiológicas (coliformes totais e termotolerantes) foram realizadas pela técnica de fermentação em tubos múltiplos, conforme a metodologia prescrita pela APHA (1998), segundo a Instrução Normativa 62 de 26 de agosto de 2003, do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento. Das 298 amostras avaliadas, 191 (64,1%) estavam impróprias para o consumo humano, conforme os padrões bacteriológicos estabelecidos pela portaria 518/2004 do Ministério da Saúde. Das amostras analisadas, 191 (64,1%) continham coliformes totais e 168 (56,4%) coliformes totais e termotolerantes. Esses resultados são preocupantes, e mostram a necessidade de ferramentas como a adoção de medidas preventivas e o tratamento adequado das águas comprometidas, para evitar a ocorrência de enfermidades de veiculação hídrica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Bordalo AD, Bordalo JS. The quest for safe drinking water: An example from Guinea-Bissau (West Africa). Water Res. 2007;41(13):2978-86.

2. Pedley S, Howard G. The public health implication of microbiological contamination of groundwater. Quart J Eng Geol Hydrogeol.1997;30(2):179-88.

3. Suthar S, Chhimpa V, Singh S. Bacterial contamination in drinking water: a case study in rural áreas of northern Rajasthan, India. Environ Monit Assess. 2009;159(1-4):43-50.

4. Ashbolt NJ. Microbial contamination of drinking water and disease outcomes in developing regions. Toxicol. 2004;198(1-3):229-38.

5. Howard G, Pedley S, Barret M, Nalubega M, Johal K. Risk factors contributing to microbiological contamination of shallow groundwater in kampala, Uganda. Water Res. 2003;37(14):3421-9.

6. Conboy MJ, Goss MJ. Natural protection of groundwater against bacteria of fecal origin. J Cont Hidrol.2000;43(1):1-24.

7. Amaral LA, Filho AN, Junior ODR, Ferreira FLA, Barros LSS. Água de consumo humano como fator de risco à saúde em propriedades rurais. Rev Saude Publica. 2003;37(4):510-4.

8. Rossi EM, Fetter KC, Ribeiro DR, Sardiglia CU, Cunha FB. Qualidade bacteriológica das águas subterrâneas de dois municípios do extremo-oeste catarinense. In: IX Encontro Nacional de Microbiologia Ambiental, Curitiba, 2004.

9. Silva EM, Rossi EM, Scapin D, Sardiglia CU, Cunha FB. Avaliação da qualidade microbiológica da água de poços de propriedades rurais no municipio de Descanso-SC. In: XXIV Congresso Brasileiro de Microbiologia, 2007, Brasília. CD de resumos do XXIV Congresso Brasileiro de Microbiologia, 2007.

10. Malheiros PS, Schafer DF, Herbert IM, Capuani SM, Silva EM, Sardiglia CU, et al. Contaminação bacteriológica de águas subterrâneas na região oeste de Santa Catarina, Brasil. Rev Inst Adolfo Lutz. 2009;68(2):139-42.

11. Rodhen F, Rossi EM, Scapin D, Cunha FB, Sardiglia CU. Monitoramento microbiológico de águas subterrâneas em cidades do extremo oeste de Santa Catarina. Ciênc Saúde Colet. 2009;14(6):2199-203.

12. Brasil. Ministério da Agricultura Pecuária e abastecimento. Secretaria de defesa Agropecuária. Instrução Normativa nº 62, de 26 de agosto de 2003. Oficializa os métodos analíticos oficiais para análises microbiológicas para controle de produtos de origem animal e água. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, p. 14, 18 de set. 2003. Seção 1.

13. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 518, de 25 de marco de 2004. Estabelece os procedimentos e responsabilidades relativos ao controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, p. 266-269, 26 mar 2004, Seção 1.

14. Xavier RP, Siqueira LP, Vital FAC, Rocha FJS, Irmão JI, Calazans GMT. Microbiological quality of drinking rainwater in the inland region of Pajeú, Pernambuco, Northeast Brazil. Rev Inst Med Trop São Paulo. 2011;53(3):121-4.

15. Nogueira G, Nakamura CV, Tognim MCB, Filho BAA, Filho BPD. Microbiological quality of drinking water of urban and rural communities, Brazil. Rev Saúde Pública. 2003;37(2):232-6.

Downloads

Publicado

2012-03-01

Como Citar

1.
Scapin D, Rossi EM, Oro D. Qualidade microbiológica da água utilizada para consumo humano na região do extremo oeste de Santa Catarina, Brasil. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 1º de março de 2012 [citado 27º de fevereiro de 2024];71(3):593-6. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/32469

Edição

Seção

COMUNICAÇÃO BREVE

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)