Bifenilos policlorados (PCBs) em milho e farinha de milho do estado do Rio Grande do Sul
PDF

Palavras-chave

bifenilos policlorados
milho
farinha de milho
GC-MS

Como Citar

1.
Schwanz TG. Bifenilos policlorados (PCBs) em milho e farinha de milho do estado do Rio Grande do Sul. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 1º de março de 2012 [citado 25º de julho de 2024];71(3):608-. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/32473

Resumo

Devido a alta toxicidade, a produção e comercialização dos bifenilos policlorados (PCBs) estão proibidas em todo mundo. Esses compostos aromáticos foram utilizados industrialmente desde a década de 1930. Propriedades físicas interessantes, como resistência a altas temperaturas e correntes elétricas, são responsáveis pela grande utilização e produção mundial dos PCBs. Desta produção, grande parcela entrou para o ambiente, principalmente devido ao descarte inadequado de equipamentos eletro-eletrônicos, contaminando água e solo. São compostos não biodegradáveis que se acumulam no ambiente, influenciando os organismos da cadeia alimentar. A partir de estudos realizados, constatou-se seu efeito nocivo no homem, sendo a ingestão através de alimentos contaminados a principal via de exposição. Sabe-se, pela sua importância histórica na sobrevivência humana, que os cereais são essenciais em nossa alimentação. Dentre os cereais, o milho recebe amplo destaque por ser o mais consumido no mundo. Diante disso, aliado com a persistência dos PCBs e seus efeitos maléficos ao homem, o objetivo do presente trabalho foi determinar os níveis de PCBs em milho e farinha de milho de diferentes regiões do Rio Grande do Sul, coletados nos anos de 2009 e 2010, correlacionando os níveis destes compostos a região de coleta, ano de produção, teor de gordura e tipo de farinha. A determinação dos resíduos de PCBs foi realizada por cromatógrafo a gás acoplado a espectrometria de massas (GC-MS), usando modos de ionização por impacto de elétrons e ionização química negativa, após a extração dos compostos através do uso de ultrassom. Foram encontrados valores médios de 0,01 ng.g-1 para o PCB 10, 0,04 ng.g-1 para o PCB 28, 0,10 ng.g-1 para o PCB 52, 0,14 ng.g-1 para o PCB 153, 0,40 ng.g-1 para o PCB 138 e 0,38 ng.g-1 para o PCB 180. O PCB 138 foi o mais frequente, sendo detectado em 63,57% das amostras, seguido dos PCBs 180 (58,27%), 52 (41,72%), 153 (41,05%), 28 (20,52%) e 10 (7,28%). Amostras provenientes das regiões nordeste e metropolitana foram as que apresentaram as maiores contaminações. Houve ainda uma diminuição das contaminações no ano de 2010 quando comparado ao de 2009. Outro fator relevante foi a maior contaminação encontrada nas farinhas de milho em relação ao grão. Esta diferença se mostrou significativa para os PCBs 52, 138, 153 e 180. Relativamente às análises das farinhas, houve diferença significativa para todos os congêneres na correlação com os percentuais de gordura.
PDF
Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2012 T. G. Schwanz

Downloads

Não há dados estatísticos.