Presença de Bacillus cereus, Clostridium perfringens, Staphylococcus aureus e Escherichia coli em surto de toxinfecção alimentar ocorrido na região do Vale do Ribeira
PDF

Palavras-chave

surto toxinfecção alimentar
Vigilância em Saúde
Escherichia coli
Staphylococcus aureus
Bacillus cereus
Clostridium perfringens

Como Citar

1.
Passos E de C, Almeida A dos S de, Mello ARP de, Sousa CV de, Freitas ALS de, Gonçalves FG, Oliveira MA de. Presença de Bacillus cereus, Clostridium perfringens, Staphylococcus aureus e Escherichia coli em surto de toxinfecção alimentar ocorrido na região do Vale do Ribeira. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 1º de dezembro de 2012 [citado 21º de julho de 2024];71(4):713-7. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/32487

Resumo

Este trabalho descreve um surto de toxinfecção alimentar em nove pessoas que participaram de um almoço de confraternização realizado no município de Eldorado/SP, em 11 de fevereiro de 2012. Os indivíduos acometidos procuraram os serviços ambulatoriais, apresentando sintomas compatíveis com Doenças Transmitidas por Alimentos (DTA), como colite, dor abdominal, vômitos, sudorese e náuseas. A Vigilância Sanitária de Eldorado encaminhou a amostra do alimento suspeito ao Laboratório de Microbiologia Alimentar, Centro de Laboratório Regional de Santos − Instituto Adolfo Lutz. As amostras de arroz cozido e panqueca de frango, servidos nesse almoço, foram coletadas na residência de um dos pacientes. O preparo da amostra para análises microbiológicas e as determinações analíticas foram realizadas de acordo com o Compendium of Methods for the Microbiological Examination of Foods. Dos alimentos analisados, foram isolados coliformes totais e Escherichia coli (1,1 x 105 NMP/g), Staphylococcus aureus (5,6 x 109 UFC/g), Bacillus cereus (2,0 x 107 UFC/g) e Clostridium perfringens (5,0 x 104 UFC/g). Salmonella spp não foi isolada. Os resultados laboratoriais associados aos casos de gastroenterites sugerem a ocorrência de surto de toxinfecção alimentar. Este relato evidencia a importância do trabalho do Laboratório de Saúde Pública e das Vigilâncias Sanitárias municipais na elucidação de DTA.
https://doi.org/10.53393/rial.2012.71.32487
PDF

Referências

1. Barrabeig I, Rovira A, Buesa J, Bartolomé R, Pintó R, Prellezo H, et al. Foodborne norovirus outbreak: the role of an asymptomatic food handler. BMC Infect Dis. 2010;10:269.

2. Gelli DS, Jakabi M, Souza A. Botulism: a laboratory investigation on biological and food samples from cases and outbreaks in Brazil (1982-2001). Rev Inst Med Trop S Paulo. 2002;44(6):321-4.

3. Passos EC, Mello ARP, Sousa CV, Silva CR, Alonso ACB, Gonzalez E, et al. Provável surto de toxinfecção alimentar em funcionários de uma empresa no litoral da região sudeste do Brasil. Rev Inst Adolfo Lutz. 2010;69(1):136-40.

4. Bergamini AMM, Reche SHR, Aquino CI, Oliveira MA. Bacilluscereus em alimento oferecido em festa típica popular no interior do Estado de São Paulo. Bol Inst Adolfo Lutz. 2011;21(1):35-6.

5. Rall VLM, Sforcin JM, Augustini VCM, Watanabe MT, Fernandes Jr A, Rall R, et al. Detection of enterotoxin genes of Staphylococcus sp isolated from nasal cavities and hands of food handlers. Braz J Microbiol. 2010;41:59-65.

6. Bergamini AMM, Ribeiro EGA, Oliveira SAV, Castro LF, Oliveira MA. Surto de toxinfecção alimentar de origem domiciliar, ocorrido na região nordeste do Estado de São Paulo. Bol Inst Adolfo Lutz. 2009;19(1):23-4.

7. Hernando V, Arranz LN, Catalán S, Gómez P, Hidalgo C, Barrasa A, et al. Investigación de una toxiinfección alimentaria en un centro penitenciario de alta ocupación. Gac Sanit. 2007;21(6):452-7.

8. Passos EC, Almeida CS, Rosa JP, Rozman LM, Mello ARP, Souza CV, et al. Surto de toxinfecção alimentar em funcionários de uma empreiteira da construção civil no município de Cubatão, São Paulo/Brasil. Rev Inst Adolfo Lutz. 2008;67(3):237-40.

9. Van Amson G, Haracemiv SMC, Masson ML. Levantamento de dados epidemiológicos relativos a ocorrências/surtos de doenças transmitidas por alimentos (DTAs) no Estado do Paraná – Brasil, no período de 1978 a 2000. Ciênc Agrotec. 2006;30(6):1139-45.

10. Marchi DM, Baggio N, Teo CRPA, Busato MA. Ocorrência de surtos de doenças transmitidas por alimentos no Município de Chapecó, Estado de Santa Catarina, Brasil, no período de 1995 a 2007. Epidemiol Serv Saúde. 2011;20(3):401-7.

11. Scallan E, Hoekstra RM, Angulo FJ, Tauxe RV, Widdowson MA, Roy SL, et al. Foodborne Illness Acquired in the United States − Major Pathogens. Emerg Infect Dis. 2011;17(1):7-15.

12. Downes FP, Ito K, editors. Compendium of Methods for the Microbiological Examination of Foods. Washington: Edwards Brothers; 2001.

13. Potes ME. Segurança alimentar em produtos tradicionais. Rev Ciênc Agrárias. 2007;30(1):439-47.

14. Chouman K, Ponsano EHG, Michelin AF. Qualidade microbiológica de alimentos servidos em restaurantes self-service. Rev Inst Adolfo Lutz. 2010;69(2):261-6.

15. Cardoso RCV, Almeida RCC, Guimarães AG, Góes JAW, Santana AAC, Silva SA, et al. Avaliação da qualidade microbiológica de alimentos prontos para consumo servidos em escolas atendidas pelo Programa Nacional de Alimentação Escolar. Rev Inst Adolfo Lutz. 2010;69(2):208-13.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2012 Estevão de Camargo Passos, Ataíde dos Santos de Almeida, Ana Ruth Pereira de Mello, Cícero Vagner de Sousa, Ana Luiza Soares de Freitas, Fernanda Garrido Gonçalves, Maria Aparecida de Oliveira

Downloads

Não há dados estatísticos.