Atitudes de risco dos consumidores em self-service
PDF

Palavras-chave

restaurantes
contaminação de alimentos
segurança dos alimentos
higiene dos alimentos

Como Citar

1.
Medeiros LB, Pereira LC, Saccol AL de F. Atitudes de risco dos consumidores em self-service. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 1º de dezembro de 2012 [citado 21º de julho de 2024];71(4):737-40. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/32492

Resumo

Devem-se considerar os aspectos que fogem ao controle do processador, como por exemplo, o autosserviço, a fim de garantir a inocuidade dos alimentos. Neste estudo foram avaliadas as atitudes de risco dos consumidores que podem favorecer a contaminação dos alimentos durante o autosserviço. Foram avaliadas treze atitudes de risco que possam contaminar os alimentos na distribuição e exposição destes em um restaurante da cidade de Santa Maria (RS). A análise foi feita durante cinco dias consecutivos no mês de setembro de 2011. A avaliação foi efetuada a cada cinco indivíduos no período de maior movimentação do restaurante (das 11h às 14h), totalizando 657 observações. De acordo com os resultados obtidos, notou-se que a atitude de risco mais cometida pelos consumidores foi falar sobre as preparações alimentícias expostas (51%). Em 46% dos casos, os consumidores utilizavam os utensílios de uma preparação em outra já servida no seu prato. Concluiu-se que há probabilidade de ocorrência de contaminação alimentar causada pelos próprios consumidores em restaurantes de autosserviço.
https://doi.org/10.53393/rial.2012.71.32492
PDF

Referências

1. Genta TMS, Mikcha JMG, Matioli G. Hygiene conditions of the self-service restaurants by evaluating the microbial quality of the mixed-food preparations. Rev Inst Adolfo Lutz. 2009;68(1):73-82.

2. Chouman K, Ponsano EHG, Michelin AF. Qualidade microbiológica de alimentos servidos em restaurantes self-service.Rev Inst Adolfo Lutz. 2010;69(2):261-6.

3. Zandonadi RP, Botelho RBA, Sávio KEO, Akutsu RC, Araújo WMC. Atitudes de risco do consumidor em restaurantes de autosserviço. Rev Nutr. 2007;20(1):19-26.

4. Jevšnik M,Hlebec V, Raspor P.Consumers’ awareness of food safety from shopping to eating. Food Control. 2008;19(8):737-45.

5. Tondo EC, Bartz S. Microbiologia e Sistemas de Gestão da Segurança de Alimentos. 1.ed. Porto Alegre: Sulina; 2011.

6. Bolton DJ, Meally A, Blair IS, McDowell DA, Cowan C. Food safety knowledge of head chefs and catering managers in Ireland. Food Control. 2008;19(3):291-300.

7. Passos EC, Mello ARP, Sousa CV, Silva CR, Alonso ACA, Gonzalez E, et al. Provável surto de toxinfecção alimentar em funcionários de uma empresa no litoral da região sudeste do Brasil.Rev Inst Adolfo Lutz. 2010;69(1):136-40.

8. Rodrigues TS. Restaurantes self-service: práticos e perigosos [monografia de especialização]. Brasília (DF): Universidade de Brasília; 2004.

9. Pereira GM. Epidemiologia: teoria e prática. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2002.

10. Mediano ZD. Módulos instrucionais para medidas e avaliação em educação. Rio de Janeiro: Francisco Alves; 1977.

11. Banczek HFL, Vaz CR, Monteiro SA. Comportamento dos consumidores em self-service no município de Curitiba. Rev Bras Tecnol Agroindustr. 2010;4(1):29-41.

12. Mitchel RE, Fraser AM, Bearon LB. Preventing foodborne illness in food service establishments: broadening the framework for intervention and research on safe food handling behaviors. Int J Environ Health Res. 2007;17(1):9-24.

13. Pigott DC. Foodborne illness. Emerg Med Clin North Am. 2008;26(2):475-97.

14. Rio Grande do Sul. Secretaria da Saúde. Portaria nº 325, 21 de junho de 2010. Aprova procedimento para prevenir a disseminação do vírus H1N1 na área de exposição do alimento preparado em serviços de alimentação. Diário Oficial[do] Estado do Rio Grande do Sul, Porto Alegre (RS); 21 jun 2010.

15. Peres AP, Niero DM, Wanderley G, Bastos J, Rat K, Nathan MBM, et al. Análise do risco de contaminação alimentar por usuários em diferentes unidades de alimentação e nutrição de Curitiba, PR. Hig Aliment. 2011; 25(192/193):43-8.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2012 Laissa Benites Medeiros, Larissa Costa Pereira, Ana Lúcia de Freitas Saccol

Downloads

Não há dados estatísticos.