Ensaios de atividade antimicrobiana in vitro e mutagênica in vivo com extrato de Vernonia polyanthes Less (Assa-peixe)

Autores

  • Giovanna Vallim Jorgetto Universidade José do Rosário Vellano, Poços de Caldas, MG
  • Marcelo Fabiano Gomes Boriolo Universidade José do Rosário Vellano, Laboratório de Genética, Alfenas, MG
  • Lucimara Maria Silva Universidade José do Rosário Vellano, Laboratório de Genética, Alfenas, MG
  • Denismar Alves Nogueira Universidade José do Rosário Vellano, Laboratório de Biologia e Fisiologia de Microorganismos, Alfenas, MG
  • Thiago Donizete da Silva José Universidade José do Rosário Vellano, Laboratório de Biologia e Fisiologia de Microorganismos, Alfenas, MG
  • Grazielle Esteves Ribeiro Universidade José do Rosário Vellano, Laboratório de Biologia e Fisiologia de Microorganismos, Alfenas, MG
  • Nelma de Mello Silva Oliveira Universidade José do Rosário Vellano, Laboratório de Biologia e Fisiologia de Microorganismos, Alfenas, MG
  • João Evangelista Fiorini Universidade José do Rosário Vellano, Laboratório de Biologia e Fisiologia de Microorganismos, Alfenas, MG

DOI:

https://doi.org/10.53393/rial.2011.v70.32591

Palavras-chave:

susceptibilidade antimicrobiana, mutagenicidade, Vernonia polyanthes Less, diferenciação celular, fitoterápicos

Resumo

Neste estudo foram analisados os efeitos do extrato hidroalcoólico de Vernonia polyanthes Less (Assa-peixe) sobre crescimento e diferenciação celular do protozoário Herpetomonas samuelpessoai, a susceptibilidade antimicrobiana in vitro, a dose letal média (DL50) e a mutagenicidade in vivo (teste do micronúcleo). A inibição do crescimento de H. samuelpessoai foi evidenciada, quando exposto às concentrações crescentes do extrato, embora sem aparecimento de forma diferenciada de opistomastigota, em percentual relevante. As linhagens-padrão de Bacillus cereus, Escherichia coli, Proteus mirabilis, Staphylococcus aureus, Streptococcus pyogenes e Salmonella Typhimurium mostraram halos de inibição quando expostas ao extrato de V. polyantes Less. Contudo, os efeitos bacteriostáticos foram observados em Bacilus cereus (180,1 mg/mL), Escherichia coli (72,04 mg/mL) e Proteus mirabilis (144,08 mg/mL). A avaliação mutagênica do extrato de V. polyanthes Less revelou ausência e moderado efeito clastogênico e/ou aneugênico, respectivamente, nas dosagens de 1000 e > 1500 mg/Kg, independentemente do tempo de tratamento (24/48 h) e do sexo do animal. Tais resultados foram sugestivos de ocorrência de toxicidade sistêmica, em virtude de aumento de eritrócitos normocromáticos na medula óssea dos camundongos, que também ocorreram independentemente da dose, gênero e tempo de tratamento. Contudo, a ausência de DL50 foi observada em todas as concentrações testadas (250-2000 mg/Kg).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Barbastefano V, Cola MM, Camargo EES, Vilegas W, Hiruma-Lima CA, Brito ARMS. Anais da XVIII Reunião Anual da Federação de Sociedades de Biologia Experimental – FESBE; 2003, v. 12067.

2. Rossato SC. Utilização de plantas por populações do litoral norte do estado de São Paulo [dissertação de mestrado]. São Paulo (SP): Universidade de São Paulo; 1996.

3. Benfatti AC, Barbastefano V, Rodrigues J, Rinaldo D, Santos LC, Brito ARMS et al. Estudo químico do extrato clorofórmico das folhas de Vernonia polyanthes Less. (Asteraceae). 30ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Química, fevereiro de 2007, São Paulo.

4. Silva NCC. Estudo comparativo da ação antimicrobiana de extratos e óleos essenciais de plantas medicinais e sinergismo com drogas antimicrobianas [dissertação de mestrado]. Botucatu (SP): Universidade Estadual Paulista, Instituto de Biociências; 2010.

5. Lopes AH, Dutra PM, Rodrigues CO, Soares MJ, Angluster J, Coredeiro RS. Effect of platelet-activating factor on the process of cellular differentiation of Herpetomonas muscarummuscarum. J Euk Microbiol. 1997; 44(4):321-5.

6. Naves MMV, Moreno FS. Diferenciação Celular: Importância na Hepatocarcinogênese e Papel Modulador do β – Carotene. Rev Bras Canc. 2000; 46(4): 389-9.

7. Cohen ML. Epidemiology of drug resistence: implications for a post-antimicrobial era. Science 1992; 257: 1050-5.

8. Guarim neto G, Morais RG. Recursos medicinais de espécies do Cerrado de Mato Grosso: um estudo bibliográfico. Acta Bot. Bras. 2003; 17(4): 561-4.

9. Jorgeto G. Ação antimicrobiana do extrato de Vernonia polyanthesLess (assa – peixe) e seus efeitos genotípicos e fenotípicos em modelos in vitro e in vivo. In: 54º Congresso Brasileiro de Genética. Salvador: Sociedade Brasileira de Genética, 2008:133.

10. Harbone JB. Phytochemical Methods. London: Champman e Hall; 1983.

11. Roitman C, Roitman I, de Azevedo HP. Growth of an insect trypanosomatid at 37ºC in defined medium. J Protozool. 1972; 19(2): 346-9.

12. Bauer A W, Kirby WM, Sherris JC, Turck M. Antibiotic susceptibility testing by a standardized single disc method. Amer. J Clín Path. 1966; 45: 493-6.

13. National Committee for Clinical Laboratory Standards [NCCLS]. 2000. Methods for diluition antimicrobial susceptibility tests for bacteria that grow aerobically, (5th ed.) NCCLS document M7-A5. Wayne (PA): National Committee for Clinical Laboratory Standards.

14. Malone MH, Robicha UD. A Hippocratic screen for pure or crude drug materials. Lhoydia. 1962; 25: 320-2.

15. Schmid W. The micronucleus test for cytogenetic analysis. In: Hollaender, A. (Ed.). Chemical mutagens: principles and methods for their detection. New York: Plenum Press; 1976: 31-53.

16. Zambrano MA, Targa HJ, Rabello-Gay MN. Physiological saline solutions as a useful tool in micronucleus and metaphase slide preparations. Stain Technol.1982; 57 (1): 48–9.

17. Margolin BH, Risko KJ. The statistical analysis of in vivogenotoxicity data. Case studies of the rat hepatocyte UDS and mouse bone marrow micronucleus assay. In: ASHBX, J. et al. Evaluation of short-term tests for carcinogens. Report of the international programme on chemical safety’s collaborative study on in vivo assay. Oxford:Oxford University Press, 1998: 29-44.

18. Oecd Guideline for the Testing of Chemicals: Mammalian Erythocyte Micronucleus Test (474, Adopted: 21 st July 1997).

19. Mendes BA. Métodos Estatísticos. [acesso em: 2007 jan. 09]. Disponível em: [<http://www.uac.pt/~amendes/mestrado/regrMultvResd.pdf>].

20. Castellanos GB, Angluster J, Souza W. Induction of differentiation in Herpetomonas samuelpessoai by dimetilsulfoxide. Acta Tropica. 1981; 38: 29-37.

21. Venturelli SM. Ação da Ginkgo biloba em tripanossomatídeos do gênero Herpetomonas [dissertação de mestrado] Alfenas: Universidade José do Rosário Vellano – UNIFENAS; 2000. p. 78.

22. Perazzo FF et al. Gingko Biloba leaves extract on growth and morphology of trypanosomatids. Bol Lat Caribe Plant Med Arom. 2011; 10 (2): 147-54.

23. Fiorini JE, Alviano CS, Esteves MJG, Angluster J, De Souza W, Roitman I. Effect of lipopolysacaride (LPS) an the metabolism and cell surface of the trypanosomatid Herpetomonas megaseliae. Comp Biochem Physiol. 1985; 80(3): 537-42.

24. Fiorini JE, Roitman I, Angluster J, Alviano CS, Silva-Filho FC, Souza W. Herpetomonas megaseliae: effect of lipopolysacharide on cell surface anionogenic groups. Parasitol Res. 1991; 77(2): 102-08.

25. Loureiro RNO. Plantas medicinais no cotidiano da comunidade de Baxiú, Barra do Bugres, Mato Grosso [dissertação de mestrado]. Cuiabá (MT): Universidade Federal do Mato Grosso; 1999. p. 104.

26. Santos ALS et al. Secreted phosphatase activity induced by dimethyl sulfoxide in Herpetomonas samuelpessoai. Arch Biochem Biophys.2002; 405(2): 191-8.

27. Amorozo MCM. Uso e diversidade de plantas medicinais em Santo Antônio do Leverger, MT, Brasil. Acta Bot Bras. 2002; 16 (2): 561-84.

28. Medeiros MFT et al. Plantas medicinais e seus usos pelos sitiantes da Reserva Rio das Pedras, Mangaratiba, RJ, Brasil. Acta Bot Bras. 2004; 18 (2): 391-9.

29. Corrêa RM et al. Rendimento de óleo essencial e caracterização organoléptica de folhas de assa-peixe submetidas a diferentes métodos de secagem. Ciênc Agrotec. 2004; 28 (2): 339-44.

30. Duarte MCT, Figueira GM, Pereira B, Magalhães PM, Delarmelina C 2004. Atividade antimicrobina de extratos hidroalcoólicos de espécies da coleção de plantas medicinais CPQBA/UNICAMP. Rev Bras Farmacog. 14(1): 6-8.

31. Silveira DG, Pereira MA, Cardoso LGV, Silva JMSF, Carvalho JCT, Fiorini JE. Atividade antimicrobiana e determinação da Concentração Inibitória Mínima e Concentração Bactericida Mínima de Tobebuia heptaphylla (Vell.) Tolledo (IPÊ ROXO). In: Seminário de Iniciação Científica da Unifenas. Alfenas: Seminário de Iniciação Científica. 2004: 45.

32. Gonçalves Al, Alves Filho A, Menezes H. Estudo comparativo da atividade antimicrobiana de extratos de algumas árvores nativas. Arq Inst Biol. 2005; 72 (3): 353-8.

33. Sato, MEO. Estudo da estabilidade de uma formulação na forma gel, veiculando o extrato fluido de Casearia sylvestris Sw., Flacourtiaceae (“guaçatonga”) [tese de doutorado]. São Paulo (SP): Universidade de São Paulo; 1998. Pág. 164 .

34. Newall CA, Anderson LA, Phillipson DJ. Herbal Medicines: A Guide for Health-care Professionals. The Pharmaceutical Press: Londres;1996.

35. Souza FA, Sena J, Maranho LT, Oliveira CMR, Guimarães ATB. Caracterização fitoquímica preliminar de infusões populares obtidas das partes aéreas das espécies Apium leptophylum (Pers.) F. Muell. ex Benth. (Apiaceae), Elvira biflora L. (DC.) e Vernonia polyanthes Less. (Asteraceae). Rev Bras Farm. 2008; 89(1): 24-7.

Downloads

Publicado

2011-01-01

Como Citar

Jorgetto, G. V., Boriolo, M. F. G., Silva, L. M., Nogueira, D. A., José, T. D. da S., Ribeiro, G. E., Oliveira, N. de M. S., & Fiorini, J. E. (2011). Ensaios de atividade antimicrobiana in vitro e mutagênica in vivo com extrato de Vernonia polyanthes Less (Assa-peixe). Revista Do Instituto Adolfo Lutz, 70(1), 53–61. https://doi.org/10.53393/rial.2011.v70.32591

Edição

Seção

ARTIGO ORIGINAL