Aflatoxinas em amendoim: melhoria da qualidade e programas de controle
PDF

Palavras-chave

Aflatoxinas
amendoim
programas de controle

Como Citar

1.
Shundo L, Navas SA, Ruvieri V, Alaburda J, Lamardo LCA, Sabino M. Aflatoxinas em amendoim: melhoria da qualidade e programas de controle. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 1º de abril de 2010 [citado 21º de junho de 2024];69(4):567-70. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/32617

Resumo

Trezentas amostras de amendoim e de derivados de amendoim colhidas no Estado de São Paulo pela Vigilância Sanitária em 2000, 2002 e 2009 foram analisadas para a determinação de aflatoxinas, em cumprimento ao programa de monitoramento da Secretaria de Estado da Saúde. Das 56 amostras coletadas em 2000, 25 apresentaram valores de aflatoxinas acima da legislação em vigor, cujas concentrações variaram de 18 μg/kg a 1947 μg/kg. Das 73 e 171 amostras coletadas em 2002 e 2009, sete e três amostras apresentaram valores acima da legislação em vigor, em que as concentrações variaram, respectivamente, de 4,4 μg/kg a 648 μg/kg e de 0,03 μg/kg a 71 μg/kg. Houve decréscimo nos teores de contaminação, embora ainda com valores elevados de aflatoxinas. Esse fato pode ser atribuído a ações do governo juntamente com a iniciativa privada e produtores para melhorar a qualidade do amendoim. Por ser recorrente, a contaminação com aflatoxinas muitas vezes é inevitável. Desta forma, os programas de monitoramento constituem uma ferramenta importante para manter os valores de aflatoxinas nos limites da legislação em vigor, para diminuir o risco à saúde humana e do animal a essa micotoxina.
https://doi.org/10.53393/rial.2010.v69.32617
PDF

Referências

1. Micotoxinas no Brasil e no mundo. [acesso em 16 de junho de 2010]. Disponível em: [http://www.mycotoxins.com.br/].

2. IARC - International Agency for Research on Cancer. Aflatoxins. IARC Monographs on the Evaluation of Carcinogenic Risks to Humans. 1993; 56:245-395.

3. Amaral LBS. Torta de amendoim e morte de suínos. Biológico. 1961; 27:63.

4. Brasil. Ministério da Saúde. Resolução RDC nº 34 de 1976 da CNNPA (Comissão Nacional de Normas e Padrões para Alimentos). Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Resolve fixar para os alimentos, tolerância de 30 ppb (trinta partes por bilhão) para as Aflatoxinas, calculada pela soma dos conteúdos das aflatoxinas B1e G1. Diário Oficial [da] União, Brasília, DF. 19 de janeiro de 1977. Sec. I.

5. Brasil. Ministério da Saúde. Resolução RDC nº 274 de 15 de outubro de 2002. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Aprova o Regulamento Técnico sobre limites máximos de aflatoxinas no leite, amendoim e milho. Diário Oficial [da] União, Brasília, DF. 16 de outubro de 2002. Sec I.

6. MERCOSUL/GMC (Mercado Comum do Cone Sul/Grupo Mercado Comum). Resolução nº 25 de 2002. Regulamento Técnico Mercosul sobre limites máximos de aflatoxinas admissíveis no leite, amendoim e milho. [acesso em 16 de junho de 2010]. Disponível em: [http://www.anvisa.gov.br/legis/resol/mercosul/alimentos/25_02.pdf].

7. COMMISSION REGULATION (EU) nº 165/2010 amending Regulation (EC) nº 1881/2006 setting maximum levels for certain contaminants in foodstuffs as regards aflatoxins. Official Journal of the European Union, L 50/8, 27 of february 2010.

8.Fonseca H. Micotoxinas on-line. Prevenção e controle de micotoxinas em produtos agrícolas. Praticas usuais e novas dos produtores de amendoim. [acesso em 16 de junho de 2010]. Disponível em: [http://www.micotoxinas.com.br/Boletim7.htm].

9. Pró-amendoim. Selo de qualidade. Garantia de produto seguro. [acesso em 16 de junho de 2010]. Disponível em: [http://www.pro-amendoim.com.br/selo.php].

10.Unisite-Economia. Produtores de amendoim debatem necessidades da cadeia produtiva. [acesso em 16 de junho de 2010]. Disponível em: [http://www.unisite.com.br/Economia/25773/Produtores-de-amendoim-debatem-necessidade-da-cadeia-produtiva.xhtml].

11. Caldas ED, Silva SC, Oliveira JN. Aflatoxinas e ocratoxina A em alimentos e riscos para a saúde humana. Rev Saúde Pública. 2002; 36(3):319-23.

12.Batatinha MJM, Santos MM, Botura MB, Almeida GN, Domingues LF, Kowalski CH et al. Ocorrência de Aflatoxinas em amendoim e seus produtos comercializados no Estado da Bahia durante o ano de 2002. Rev Inst Adolfo Lutz. 2003; 62(3):183-7.

13.Rocha MD, Maia PP, Rodrigues MAC, Martins I. Incidência de aflatoxinas em amostras de amendoim e paçoca comercializadas na cidade de Alfenas-MG, Brasil. Rev Bras Toxicol. 2008; 21(1):15-9.

14. Soares LV, Rodrigues-Amaya DB. Survey of aflatoxins, ochratoxin A, zearalenone and sterigmatocystin in some Brazilian foods using a multi-toxin thin layer chromatographic method. J Assoc Off Anal Chem. 1989; 72(1):22-6.

15. Doll R, Peto R. The causes of cancer: quantitative estimates of avoidable risks of cancer in the United States today. J Natl Cancer Inst. 1981; 66:1191-308.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2010 Luzia Shundo, Sandra Aparecida Navas, Valter Ruvieri, Janete Alaburda, Leda Conceição Antonia Lamardo, Myrna Sabino

Downloads

Não há dados estatísticos.