Implantação de estratégia para a melhoria do diagnóstico sorológico de infecção por HIV/AIDS pela introdução de controle de qualidade interno
PDF (English)

Palavras-chave

controle de qualidade
infecção HIV
sorodiagnóstico AIDS
anticorpos anti-HIV

Como Citar

1.
Castejón MJ, Yamashiro R, Oliveira CA de F, Ueda M. Implantação de estratégia para a melhoria do diagnóstico sorológico de infecção por HIV/AIDS pela introdução de controle de qualidade interno. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 1º de fevereiro de 2010 [citado 12º de abril de 2024];69(2):157-64. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/32650

Resumo

No presente estudo estão descritos os resultados das primeiras análises feitas quanto ao desempenho das unidades componentes da Rede de Laboratórios de Diagnóstico de HIV/AIDS do Estado de São Paulo, que concordaram em participar da implantação do controle de qualidade interno para o diagnóstico sorológico da infecção pelo HIV (CQI-HIV) nos respectivos serviços referentes à detecção de anticorpos anti-HIV. De abril de 2009 a fevereiro de 2010 foram distribuídos os painéis de soro CQI-HIV para 37 laboratórios da sub-rede do Estado de São Paulo. Desses, 27 (73,0%) enviaram ao IAL Central os formulários com os resultados obtidos no CQI-HIV para EIA/ELISA. Entre os 22 (59,5%) laboratórios que realizam também o ensaio de IFI HIV-1 na rotina diagnóstica, 11 (50,0%) executaram o sistema CQI para esse teste. Em vista dos laboratórios participantes terem apresentado idênticos dados na determinação de reatividade ideal das amostras do painel para os conjuntos diagnósticos procedentes de mesmas firmas produtoras e de diferentes lotes, pode-se inferir que os laboratórios seguiram os procedimentos preconizados, o que demonstra a adequada execução da conduta padronizada. Ademais, a análise dos resultados obtidos indica que os conjuntos diagnósticos utilizados pela rede de laboratórios são de boa qualidade e de boa reprodutibilidade.

https://doi.org/10.53393/rial.2010.v69.32650
PDF (English)

Referências

1. Centers for Disease Control (CDC). Current trends update: Serologic testing for antibody to human immunodeficiency virus. MMWR. 1988; 36(52): 833-45.

2. Hehlmann R. Human Retroviruses. In: Manning S & Thorp D, eds. Mosby Year Book. Human Virology, 2nd ed., Belshe RB, St. Louis, 1990.cap. 9. p. 274-306.

3. Constantine NT, Callahan JD, Watts DM. HIV testing and quality control: A guide for laboratory personnel. Durham, North Carolina, USA: Family Health International. 1991. 170 pp.

4. World Health Organization – WHO. HIV testing methods. Technical update. UNAIDS, 1997.

5. World Health Organization - WHO. Guidelines for using HIV testing technologies in surveillance. UNAIDS 01.22E, 2001.

6. Constantine NT, Zink H. HIV testing technologies after two decades of evolution. Indian J Med Res. 2005; 121:519-38.

7. Gray JJ, Wreghitt TG, McKee TA, McIntyre P, Roth CE, Smith DJ et al. Internal quality assurance a clinical virology laboratory. II Internal quality control. J Clin Pathol. 1995; 48:198-202.

8. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 59, de 28 de janeiro de 2003. Especifica a sub-rede de laboratórios do Programa Nacional de DST e Aids. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 30 jan. 2003. Seção 1, p.87.

9. World Health Organization - WHO. Strengthening of quality assurance in HIV and viral hepatitis in blood banks. Report of regional consultation. 2003.

10. Kudlac J, Hanan S, Mckee GL. Development of Quality Control Procedures for Human Immunodeficiency Virus Type 1 Antibody Enzyme-Linked Immunosorbent Assay. J Clin Microbiol. 1989; 27 (6) p.1303-6.

11. Cura E, Wendel S. Manual de procedimientos de control de calidad para los laboratorios de serologia de los bancos de sangre. Washington, DC: PAHO/HPC/HCT 94.21, 1994.

12. The Joint United Nations Programme on HIV/Aids (UNAIDS). HIV testing methods: UNAIDS Technical Update, 1997.

13. Brasil. Ministério da Saúde. Coordenação Nacional de DST e Aids. Controle de qualidade interno de testes sorológicos. Brasília: Ministério da Saúde, CN DST e Aids (Série TELELAB), 1998.

14. São Paulo (Estado). Gabinete do Secretário de Estado da Saúde. Resolução SS-94, de 28 de novembro de 2006. Dispõe sobre a criação do Grupo Técnico Transferência de Plasma como Matériaprima para utilização em pesquisa, produção de reagentes ou painéis de controle de qualidade sorológica da Saúde de São Paulo. Diário Oficial Estado de São Paulo. São Paulo, SP, 29 nov.2006. Seção 1, p.30.

15. São Paulo. Secretaria de Estado da Saúde. Coordenadoria de Controle de Doenças. Manual técnico para implementação do controle de qualidade interno nos procedimentos laboratoriais para diagnóstico sorológico da infecção pelo HIV no estado de São Paulo. São Paulo: IAL; 2007.

16. Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). RDC nº 153, de 14 de junho de 2004. Determina o regulamento técnico para os procedimentos hemoterápicos. Disponível em: [http://elegis.anvisa.gov.br/leisref/public/showAct.php].

17. Castejón MJ, Yamashiro R, Carraro KMSA, Coelho LPO, Oliveira CAF, Ueda M. Avaliação da oficina de trabalho para capacitação de profissionais da sub-rede de laboratórios do Estado de São Paulo para implementação do controle de qualidade interno (CQI) no diagnóstico sorológico da pelo HIV. BEPA. 2008; 5(54): 13-6.

18. Castejón MJ, Yamashiro R, Carraro KMSA, Cabral GB, Coelho LPO, Ueda M. Avaliação da II oficina de trabalho para capacitação de profissionais da sub-rede de laboratórios do Estado de São Paulo para implementação do controle de qualidade interno (CQI) no diagnóstico sorológico da infecção pelo HIV. BEPA. 2009; 6(62): 20-4.

19. World Health Organization - WHO. Guidelines for organizing national external quality assessment schemes for HIV serological testing. UNAIDS 96.5, 1996.

20. World Health Organization – WHO. General requirements for sterility of biological substances (Annex 4). Requirements for biological substances nº 6, 1973.

21. Kirkwood, TBL. Predicting the stability of biological standards and products. JSTOR: Biometrics. 1977; 33(4): 736-42.

22. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 686, de 27 de agosto de 1998. Determina o cumprimento das diretrizes estabelecidas das boas práticas de fabricação e controle em estabelecimentos de produtos para diagnóstico in vitro. Disponível em: [http://www. anvisa.gov.br/legis/portarias/686_98.htm.].

23. Castejón MJ, Yamashiro R, Oliveira CAF, Campos AR, Sartorato MC, Cabral GB, Ueda M. Implementação de Controle de Qualidade Interno (CQI) nos ensaios sorológicos anti-HIV. Produção e distribuição de painéis de soro pelo Instituto Adolfo Lutz Central. BEPA. 2009; 6(65): 30-2.

24. Lock RJ. My approach to internal quality control in a clinical immunology laboratory. J Clin Pathol. 2006; 59:681-4.

25. Wasley GD. Internal quality control in serological tests for syphilis. Genitourin Med. 1985; 61:88-94.

26. Snell JJS, Supran EM, Tamashiro H. WHO international quality assessment scheme for HIV antibody testing: results from the second distribution of sera. Bulletin of the World Health Organization. 1992; 70 (5): 605-13.

27. Fearon M. The laboratory diagnosis of HIV infections. Can J Infect Dis Med Microbiol. 2005; 16 (1): 26-30.

28. Park H, Oh E, Park Y, Han K, Yang CW. Failure of systematic error detection with internal quality control program. Ann Clin Lab Sci. 2008; 38 (4): 410-3.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2010 Márcia Jorge Castejón, Rosemeire Yamashiro, Carmem Aparecida de Freitas Oliveira, Mirthes Ueda

Downloads

Não há dados estatísticos.