A importância de programas de monitoramento da qualidade da água para diálise na segurança dos pacientes

Autores

  • Márcia Liane Buzzo Instituto Adolfo Lutz, Divisão de Bromatologia e Química,São Paulo, SP
  • Adriana Bugno Instituto Adolfo Lutz, Centro de Medicamentos, Cosméticos e Saneantes, Núcleo de Ensaios Biológicos e de Segurança, São Paulo, SP
  • Adriana Aparecida Buzzo Almódovar Instituto Adolfo Lutz, Centro de Medicamentos, Cosméticos e Saneantes, São Paulo, SP https://orcid.org/0000-0001-5572-9091
  • Carmem Silva Kira Instituto Adolfo Lutz, Centro de Contaminantes, Núcleo de Contaminantes Inorgânicos, São Paulo, SP
  • Maria de Fátima Henriques Carvalho Instituto Adolfo Lutz, Centro de Contaminantes, Núcleo de Contaminantes Inorgânicos, São Paulo, SP
  • Arlete de Souza Instituto Adolfo Lutz, Centro de Contaminantes, Núcleo de Embalagens e Águas, São Paulo, SP
  • Maria Anita Scorsafava Instituto Adolfo Lutz, Centro de Contaminantes, Núcleo de Embalagens e Águas, São Paulo, SP

DOI:

https://doi.org/10.53393/rial.2010.v69.32668

Palavras-chave:

água para diálise, monitoramento da água, contaminantes da água, serviço de diálise, vigilância sanitária

Resumo

Considerando a importância da qualidade da água tratada nos serviços de diálise para prevenção de riscos de infecção aos pacientes com insuficiência renal crônica, foi estabelecido o programa de monitoramento nos serviços de diálise do Estado de São Paulo, com base nos parâmetros estabelecidos pela Resolução RDC nº 154/2004. Foi atestada a efetividade das ações de vigilância sanitária que tem resultado em aumento dos níveis de qualidade da água tratada em vários dos parâmetros analisados, o que indica a importância da continuidade dos programas de monitoramento com intuito de garantir a segurança dos pacientes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Censo de Diálise SBN 2008 [Internet]. Available from: http://www.sbn.org.br/Censo/2008/censoSBN2008.pdf

2. Hoenick NA, Ronco C, Levin R. The importance of water quality and haemodialysis fluid composition. Blood Purif. 2006; 24: 11-8.

3. Vorbeck-Meister I, Sommer R, Vorbeck F, Hörl WH. Quality of water used for haemodialysis: bacteriological and chemical parameters. Nephrol Dial Transplant. 1999; 14: 666-75.

4. Ahmad S. Essentials of water treatment in hemodialysis. Hemodial Int. 2005; 9: 127-34.

5. Pontoriero G, Pozzoni P, Andrulli S, Locatelli F. The quality of dialysis water. Nephrol Dial Transplant. 2003; 18(suppl 7): vii21-5.

6. Ouseph R, Ward RA. Water treatment for hemodialysis: ensuring patient safety. Semin Dial. 2002; 15: 50-2.

7. Brasil. Portaria nº 2042, de 11 out. 1996 do Ministério da Saúde. Estabelece o Regulamento Técnico para o Funcionamento dos Serviços de Terapia Renal Substitutiva e as Normas para Cadastramento desses Estabelecimentos Junto ao Sistema Único de Saúde. Diário Oficial [da] União, Brasília, DF, 14 out. 1996.

8. Brasil. Resolução RDC nº 154, de 15 jun. 2004. Estabelece o Regulamento Técnico para Funcionamento dos Serviços de Diálise. Diário Oficial [da] União, Brasília, DF, 17 jun 2004.

9. Roth VR, Jarvis WR. Outbreaks of infection and or pyrogenic reactions in dialysis patients. Semin Dial. 2000; 13(2): 92-6.

10. Azevedo SMFO, Carmichael WW, Jochimsen EM, Rinehart KL, Lau S, Shaw GR et al. Human intoxication by microcystins during renal dialysis treatment in Caruaru – Brazil. Toxicol. 2002; 181-182: 441-6.

11. Beck-Sague CM, Jarvis WR, Bland LA, Arduino MA, Aguero SM, Verosic G. Outbreak of gram-negative bacteremia and pyrogenic reactions in a hemodialysis center. Am J Nephrol. 1990; 10: 397-403.

12. Welbel, SF, Schoendorf K, Bland LA et al. An outbreak of gram-negative bloodstream infections in chronic hemodialysis patients. Am J Nephrol. 1995; 15: 1-4.

13. Rudnick JR, Arduino MJ, Bland LA et al. An outbreak of pyrogenic reactions in chronic hemodialysis patients associated with hemodialyzer reuse. Artif Organs. 1995; 19: 289-94.

14. American Public Health Association (US). Standard methods for the examination of water and wastewater. 20ª ed. Baltimore: United Book Press Inc; 1998.

15. United States Pharmacopeia. (US). Farmacopea de los Estados Unidos de América. 31ª ed. Rockville: The United States Pharmacopeial Convention; 2008.

16. Instituto Adolfo Lutz. Águas. In: Métodos Físico-Químicos para Análise de Alimentos. 4ª ed. São Paulo (SP): Instituto Adolfo Lutz; 2008. Available from: http://www.ial.sp.gov.br.

17. U.S. Environmental Protection Agency (US). Determination of trace elements in waters and wastes by inductively coupled plasma – mass spectrometry. Method 200,8, Revision 5.4. Cincinnati, Ohio: EPA; 1994.

18. Silva AMM, Martins CTB, Ferraboli R, Jorgetti V, Romão Jr JE. Revisão/Atualização em diálise: Água para hemodiálise. J Bras Nefrol. 1996; 18(2): 180-8.

19. Smeets E, Kooman J, van der Sande F, Stobberingh E, Frederik P, Claessens P et al. Prevention of biofilm formation in dialysis water treatment systems. Kidney Int. 2003; 63: 1574-6.

Downloads

Publicado

2010-01-01

Como Citar

1.
Buzzo ML, Bugno A, Almódovar AAB, Kira CS, Carvalho M de FH, Souza A de, Scorsafava MA. A importância de programas de monitoramento da qualidade da água para diálise na segurança dos pacientes. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 1º de janeiro de 2010 [citado 4º de março de 2024];69(1):1-6. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/32668

Edição

Seção

ARTIGO ORIGINAL

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 > >>