Relação entre a composição nutricional e a origem floral de pólen apícola desidratado
PDF

Palavras-chave

pólen apícola
composição centesimal
vitaminas antioxidantes
análise polínica

Como Citar

1.
Melo ILP de, Freitas AS de, Barth OM, Almeida-Muradian LB de. Relação entre a composição nutricional e a origem floral de pólen apícola desidratado. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 1º de agosto de 2009 [citado 27º de maio de 2024];68(3):346-53. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/32693

Resumo

A composição química do pólen é variável e depende da origem botânica. No presente trabalho foi investigada a correlação da composição centesimal e das vitaminas antioxidantes com a origem floral em amostras de pólen apícola. Foram analisadas seis amostras desidratadas de pólen apícola coletadas na região do Vale do Ribeira, São Paulo, Brasil. A vitamina C foi quantificada por titulação, o β-caroteno por cromatografia em coluna aberta e a vitamina E por cromatografia líquida de alta eficiência. A composição centesimal foi determinada seguindo-se as metodologias recomendadas por AOAC (1995) e IAL (2005) e a caracterização floral foi feita por meio de observação em microscópio. As concentrações das vitaminas variaram de 114 a 340μg/g para vitamina C, 16,27a 38,64μg/g para vitamina E e de 3,14 a 77,88μg/g para o β-caroteno. A composição centesimal das amostras apresentou conformidade com as especificações estabelecidas pela legislação brasileira. Foi encontrada grande variabilidade de tipos polínicos nas amostras analisadas e alguns deles apresentaram alta correlação com a vitamina C (Myrtaceae), com o β-caroteno (Arecaceae, Cecropia e Fabaceae) e com os lipídeos (Arecaceae e Fabaceae). Outras amostras mostraram correlação negativa com β-caroteno (Mimosa caesalpiniaefolia e Poaceae), com proteínas (Arecaceae) e com lipídeos (Mimosa caesalpineafolia).

https://doi.org/10.53393/rial.2009.v68.32693
PDF

Referências

1. Witherell PC. Otros productos de la colmena. In: Dadant E, editor. La colmena y la abeja mellifera. Montevideo: Hemisferio Sur; 1975. p. 684.

2. Barth OM. O pólen no mel brasileiro. Rio de Janeiro: Gráfi ca Luxor; 1989. 150 pp.

3. Moreti ACCC, Marchini LC, Souza VC, Rodrigues RR. Atlas do pólen de plantas apícolas. Rio de Janeiro: Papel Virtual; 2002. 93 pp.

4. Barreto LMRC, Funari SRC, Orsi RO, Dib APS. Produção de Pólen no Brasil. Taubaté-SP: Cabral Editora e Livraria Universitária; 2006. 99 pp.

5. Schmidt JO, Buchmann SL. Other products of hive. In: Graham JM, Amgrose JT, Langstroth LL, editors. The hive and te honey bee: a new book on beekeeping which contines the tradition of “Langstroth on the hive and the honeybee”. Hamilton: Dadant; 1992. p. 928-77.

6. Almeida-Muradian LB, Pamplona LC, Coimbra S, Barth OM. Chemical composition and botanical evaluation of dried bee pollen pellets. J Food Compos Anal.2005; 18: 105-11.

7. Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Instrução Normativa n.3, de 19 de janeiro de 2001. aprova os Regulamentos Técnicos de Identidade e Qualidade de Apitoxina, Cera de Abelha, Geleia Real, Geleia Real Liofilizada, Pólen Apícola, Própolis e Extrato de Própolis. Acesso em: 14 Ago. 2008. D i p o n í ve l e m : http://elegis.bvs.br/leisref/public/showAct.php?id=12479&word.

8. Muniategui S, Sancho MT, Lopez J, Huidobro JF, Simal J. Determination of carotenes from bee-collected pollen by high performance liquid chromatography. J Apic Res.1990; 29: 147-50.

9. Campos MG, Cunha A, Markham KR. Bee pollen: composition, properties and application. In: Mizrahi A, Lensky Y, editors. Bee products: properties, applications and apitherapy. New York: Plenum Press; 1997. p. 93-100.

10. Elliot JG. Application of antioxidant in foods and beverage. Food Technol.1999; 53: 46-8.

11. Villanueva MTO, Marquina AD, Serrano RB, Abellán GB. The importance of bee-collected pollen in the diet: a study of its composition. Int J Food Sci Nutr.2002; 53: 217-24.

12. Bastos DHM, Barth OM, Rocha CI, Cunha IBS, Carvalho PO, Torres EAS, et al. Fatty acid composition and palynological analysis of bee (Apis) pollen loads in the states of São Paulo and Minas Gerais, Brazil. J Apic Res.2004; 43: 35-9.

13. Funari SRC, Rocha HC, Sforcin JM, Filho HG, Curi PR, Gomes Dierckx SMA, et al. Composição bromatológica e mineral de pólen coletado por abelhas africanizadas (Apis mellifera L.) em Botucatu, Estado de São Paulo. Archivos ALPA.2003; 11: 88-93.

14. Campos MGR, Bogdanov S, Almeida-Muradian LB, Szczesna T, Mancebo Y, Frigerio C, et al. Pollen composition and standardisation of analytical methods. J Apic Res Bee World.2008; 47: 156-63.

15. Liapis AI, Millman MJ, Marchello JM. An analysis of the lyophilization process using a sorption-sublimation model and various operational policies. AIChE Journal.1985; 31: 1594-604.

16. Boss EA. Modelagem e otimização do processo de liofi lização: aplicação para leite desnatado e café solúvel [Tese de Doutorado]. Campinas, Brasil: Universidade Estadual de Campinas, 2004. 129 pp.

17. Association of Official Analytical Chemists (AOAC). Official methods of analysis. 16th ed. Washington: The Institute; 1995.

18. Almeida-Muradian LB, Bera A, Felsner ML, Cano CB. Produtos Apícolas. In: Almeida-Muradian LB, Penteado MDVC, editores. Vigilância sanitária: tópicos sobre legislação e análise de alimentos. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2007. p. 183-98.

19. Instituto Adolfo Lutz (São Paulo - Brasil). Métodos físico-químicos para análise de alimentos: normas analíticas do Instituto Adolfo Lutz. 4ª ed. Brasília (DF): ANVISA; 2005.1018pp.

20. Presoto AEF, Rios MDG, Almeida-Muradian LB. HPLC determination of alpha-tocoferol, beta-carotene and proximate analysis of Brazilian parsley leaves. Boll Chim Ig.2000; 51: 111-14.

21. Oliveira KCLS. Caracterização do pólen apícola e utilização de vitaminas antioxidantes como indicadoras do processo de desidratação [Dissertação de Mestrado]. São Paulo, Brasil: Universidade de São Paulo, 2006. 106 pp.

22. Rodriguez-Amaya DB. A Guide to Carotenoid Analysis in Foods. Washington: ILSI Press; 2001. 64 pp.

23. Statistica Version 8.0 for Windows. Tulsa: StatSoft; 2007. v. 1.

24. Krell R. Value-added products from beekeeping. Rome: FAO; 1996. p. 87-113.

25. Código Alimentario Argentino de pólen. Artículo 785 – Resolucion 1550 de 12 de dezembro de 1990. Capitulo X, página 15. Acesso em 31 Jan. 2008. Disponível em: http://www.anmat.gov.ar/codigoa/CAPITULO_X_Azucarados_actualiz_06-03.pdf.

26. Bogdanov S, Bieri K, Gremaud G, Iff D, Känzig A, Seiler K, et al. Swiss Food Manual Chapter 23 B: Bienenprodukte - Pollen, BAG (Swiss Federal Offi ce for Public Health), Berne; 2004.

27. Bastos DHM, Rocha CI, Cunha IBS, Carvalho PO, Torres EAS. Composição e qualidade de pólen apícola comercializado em algumas cidades nos estados de São Paulo e Minas Gerais – Brasil. Rev Inst Adolfo Lutz.2003; 62: 239-44.

28. Marchini LC, Reis VDA, Moreti ACCC. Composição físico-química de amostras de pólen coletado por abelhas Africanizadas Apis mellifera(Hymenoptera:Apidae) em Piracicaba, Estado de São Paulo. Cienc Rural.2006; 36: 949-53.

29. Szczesna T, Rybak-Chimielewska H, Bornus L. Effect of storage on variation of contents vitamin C and A in pollen collected bees. Apiacta.1991; 2. Acesso em: 30 Jan. 2008.Disponível em: http://www.apimondiafoundation.org/foundation/fi les/1991/Teresa%20SZCZESNA,%20Helena%20RYBAK-CHIMIELEWSKA,%20L.%20BORNUS.pdf.

30. Dietary Reference Intakes for vitamin A, vitamin K, arsenic, boron, chromium, copper, iodine, iron, manganese, molybdenum, nickel, silicon, vanadium, and zinc, 2000. Acesso em: 09 Ago. 2008. Disponível em: http://books.nap.edu/books/0309072794/html.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2009 Illana Louise Pereira de Melo, Alex Silva de Freitas, Ortrud Monika Barth, Ligia Bicudo de Almeida-Muradian

Downloads

Não há dados estatísticos.