Avaliação das condições sanitárias e ambientais da sub-bacia do córrego Barbosa no município de Marília/SP

Autores

  • Armando Castello Branco Jr. Universidade de Marília, Faculdade de Ciências da Saúde, Marília, SP
  • Carina Andrade Universidade de Marília, Faculdade de Ciências da Saúde, Marília, SP
  • Felipe Navarro Izique Universidade de Marília, Faculdade de Ciências da Saúde, Marília, SP
  • Roberta Lauer Universidade de Marília, Faculdade de Ciências da Saúde, Marília, SP
  • Willian Tavares Moreira Universidade de Marília, Faculdade de Ciências da Saúde, Marília, SP

DOI:

https://doi.org/10.53393/rial.2008.67.32763

Palavras-chave:

qualidade de água, bacia hidrográfica, recursos hídricos, poluição

Resumo

Foi avaliada e monitorada a qualidade da água da sub-bacia do córrego Barbosa, afluente do rio do peixe no município de Marilia-SP, no centro-oeste paulista. Foram demarcadas sete estações de coleta ao longo dos mananciais que formam a sub-bacia (córrego das Clínicas, Água do Bonfim e Barbosa). As coletas de amostras de água foram feitas mensalmente no período de março a outubro de 2007, nas quais foram realizadas análises físico-químicas e biológicas (microbiológica e parasitológica). Os aspectos físico-químicos avaliados foram temperatura, oxigênio dissolvido, dureza, amônia, cloro, ferro, fosfato, pH, turbidez e cloreto, foram feitos em campo com o uso de kits de reagentes de ensaio colorimétrico. Para efetuar a análise microbiológica e parasitológica da água foram empregados respectivamente os protocolos da Portaria MS n° 518 e do Ministério da Saúde do Brasil (2004). As características físico-químicas e biológicas da água da sub-bacia do córrego de Barbosa mostraram-se fora dos limites estabelecidos para córrego Classe II, de acordo com a Resolução CONAMA nº 357/ 2005. Esses achados indicam o não atendimento às condições de qualidade previstas em lei e, ainda, a possibilidade de causar risco a saúde do homem e na preservação das comunidades aquáticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Tundisi JG. Água no Século XXI: Enfrentando a Escassez. 2ª ed. SãoCarlos: RiMa, IIE, 247 pp., 2005.

2. DAEE – Departamento de Águas e Energia Elétrica. Relatório desituação dos Recursos Hídricos do Estado de São Paulo; 2005.

3. CETESB – Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental. Cursode coletas e preservação de amostras de água. São Paulo, 58 pp., 1996.

4. Ministério da Saúde do Brasil. Manual Prático de Análise de Água. 1ªed. Brasília: Fundação Nacional de Saúde. 146 pp., 2004.

5. Ministério da Saúde do Brasil [MS]. Portaria n° 518, de 25 de março de2004: estabelece os procedimento e responsabilidade relativos aocontrole e vigilância da qualidade da água para consumo humano e seupadrão de potabilidade. Brasília (DF); Diário Oficial da União

6. Conselho Nacional de Meio Ambiente [CONAMA]. Resolução nº 357,de 17 de março de 2005: dispõe sobre a classificação dos corpos deágua e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem comoestabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dáoutras providências. Brasília (DF); Diário Oficial da União.

7. Estado de São Paulo. Decreto Estadual nº 8468, de 8 de setembro de1976: aprova o regulamento da lei nº 997, de 31 de maio de 1976, quedispõe sobre a prevenção e controle da poluição do meio ambiente.São Paulo (SP): Diário Oficial do Estado de São Paulo.

8. Freitas VPS, Brígido BM, Badolato MIC, Alaburda J. Padrão físico-químico da água de abastecimento público da região de Campinas. RevInst Adolfo Lutz 2002;61(1):51-8.

9. Nieto R. Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais e Domésticos.São Paulo: CETESB, 57 pp., 2005.

10. Freitas MB, Brilhante OM, Almeida LM. Importância da análise de água paraa saúde pública em duas regiões do Estado do Rio de Janeiro: enfoque paracoliformes fecais, nitrato e alumínio. Cad Saúde pública.2001;17(3):651-60.

11. Toledo LG, Nicolella G. Índice de qualidade de água em microbacia sobuso agrícola e urbano. Scientia Agrícola.2002; 59(1):181-6.

12. Esteves FA. Fundamentos de Limnologia. Edit. Interciência, 602 pp, 1998.

13. Braga B, Hespanhol I, Conejo JGL, Barros MTL, Spencer M, PortoM, Nucci N, Juliano N, Eiger S. Introdução à Engenharia Ambiental,Ed. Pearson Prentice Hall,305 pp., 2004.

14. Odum EP, Barrett GW. Fundamentos de Ecologia. Editora ThomsonLearning, 612 pp., 2007.

15. Parry R. Agriculture phosphorus and water quality: a U.S. EnvironmentalProtection Agency perspective. J environ qual.1998;27(2):258-61

16. Sardinha DS, Conceição FT, Souza ADG, Silveira A, Julio M, GonçalvesJCSI. Avaliação da qualidade da água e autodepuração do ribeirão domeio, Leme (SP). Eng sanit ambient.2008; 13(3): 329-38.

17. Oliveira EM. Gestão Ambiental de Recursos Hídricos. São Paulo:CETESB, 78 pp., 2005.

1 8 . CETESB. Relatório de qualidade das águas interiores no Estado de SãoPaulo. Série Relatórios, 537pp., 2008.

19. Arcova FCS, César SF, Cicco V. Qualidade da água e dinâmica denutrientes em bacia hidrográfica recoberta por floresta de mataatlântica. Revista do Instituto Florestal, São Paulo 1993; 5(1): 1-20.

20. Branco SM. Hidrologia Aplicada à Engenharia Sanitária. 3. ed. SãoPaulo: CETESB/ ASCETESB, 616pp., 1986.

21. Bueno LF, Galbiatti JÁ, Borges MJ. Monitoramento de variáveis dequalidade da água do horto Ouro Verde – Conchal – SP. Eng Agric,Jaboticabal 2005; 25(3): 742-8.

22. Laws EA. Aquattic Polluction: an introductory text. 3th. Ed. JohnWiley & Sons Inc., New York, 639 pp, 1999

23. Hall RI, Leavitt PR, Dixit AS, Smol JP. Effects of agriculture,urbanization and climate on water quality in the northen Great Plains.Limnol Oceanogr.1999; 44(3/2):739-56.

24. Bouchard DC, Williams MD, Surumpalli RY. Nitrate contaminationof ground water sources and potential health effects. J Am WaterWorks Assoc.1992;84(2):85-90

25. Alaburda J, Nishihara L. Presença de compostos de nitrogênio emáguas de poços. Rev Saúde Pública.1998;32(2):160-5.

26. Camargo AFM, Bini LM, Schiavetti A. Avaliação dos impactosprovocados pelas descargas de esgotos orgânicos em alguns corpos d’águado município de Rio Claro. Oecologia Brasiliensis.1995; 1(1): 395-406.

27. Sanches AK, Camargo AFM. Efeitos da poluição orgânica em um ambientede mangue da Ilha de Cananéia: Evidências à partir de variáveis físico-químicas e composição de zooplancton. Naturalia 1995;20(1): 125-133.

28. Henry-Silva GG, Camargo AFM. Impacto do lançamento de efluentesurbanos sobre ecossistemas aquáticos do município de Rio Claro-SP.Ciências Biológicas e do Ambiente 2000; 2(3): 317-30.

29. Fonseca HS, Salvador NNB. Estudo Integrado da qualidade das águas dabacia hidrográfica do rio Bonito em Descalvado-SP. Rev Inst AdolfoLutz 2005;64(2):179-85.

30. Biudes JFV, Camargo AFM. Changes in Biomass, chemical compositionand nutritive value of Spartina alterniflora due to organic pollution in theItanhaém river basin (SP, Brazil). Braz J Biol. 2006; 66(3): 781-789.

31. Barcellos CM, Rocha M, Rodrigues LS, Costa CC, Oliveria PR, SilvaIJ, Jesus EFM, Rolim RG. Avaliação da qualidade da água e percepçãohigiênico-sanitária na área rural de Lavras, Minas Gerais, Brasil, 1999-2000. Cad Saúde Pública.2006;22(9):1967-78.

32. Batalha BHL, Parlatore AC. Controle da qualidade de água paraconsumo humano: bases conceituais e operacionais. São Paulo:CETESB, 198 pp, 1993.

33. Conselho Nacional de Meio Ambiente [CONAMA]. Resolução nº 274,de 29 de novembro de 2000: dispõe sobre a sistemática de avaliação daqualidade ambiental das águas e dá outras providências. Brasília (DF);Diário Oficial da União.

34. IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2008: http://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm?1

Downloads

Publicado

2008-08-01

Como Citar

1.
Branco Jr. AC, Andrade C, Izique FN, Lauer R, Moreira WT. Avaliação das condições sanitárias e ambientais da sub-bacia do córrego Barbosa no município de Marília/SP. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 1º de agosto de 2008 [citado 1º de março de 2024];67(3):183-9. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/32763

Edição

Seção

ARTIGO ORIGINAL