Avaliação microbiológica, parasitológica e da rotulagem de hortaliças minimamente processadas comercializadas no município de Ribeirão Preto, SP/Brasil
PDF

Palavras-chave

hortaliças minimamente processadas
qualidade microbiológica
parasitos
Cryptosporidium spp.
dizeres de rotulagem

Como Citar

1.
Prado S de PT, Ribeiro EGA, Capuano DM, Aquino AL de, Rocha G de M, Bergamini AMM. Avaliação microbiológica, parasitológica e da rotulagem de hortaliças minimamente processadas comercializadas no município de Ribeirão Preto, SP/Brasil. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 1º de agosto de 2008 [citado 19º de julho de 2024];67(3):221-7. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/32769

Resumo

O consumo de hortaliças minimamente processadas tem aumentado nos últimos anos no Brasil, principalmente em função da conveniência e da praticidade que o produto oferece. A contaminação microbiológica, a presença de parasitos e os dizeres da rotulagem foram avaliados em 70 amostras de hortaliças folhosas minimamente processadas, adquiridas em supermercados de Ribeirão Preto-SP, no período de janeiro a julho de 2006. Foram pesquisados os microrganismos aeróbios psicrotróficos, coliformes a 35°C e 45°C, Salmonella spp. e Escherichia coli. Para a avaliação da rotulagem foram utilizadas as legislações em vigor (Resoluções RDC nº 259/2002, 359 e 360/2003, da ANVISA/MS e Lei nº 10.674/2003). Das 70 amostras analisadas, 20% estavam em desacordo com a legislação em vigor nas análises microbiológicas, 18,6% quanto aos parâmetros microscópicos e 100% quanto à avaliação dos dizeres de rotulagem. Oocistos de Cryptosporidium ssp. foram recuperados em 2,8% das hortaliças pela técnica de imunofluorescência direta. Os resultados obtidos indicam que os produtos minimamente processados podem apresentar riscos à saúde dos consumidores, e evidencia a necessidade da implantação de programas de qualidade que propiciem a melhoria na sua qualidade higiênico-sanitária.
https://doi.org/10.53393/rial.2008.67.32769
PDF

Referências

1. Moretti CL, editor. Manual de Processamento Mínimo de Frutas e Hortaliças. Brasília: Embrapa hortaliças; 2007.

2. Bolin HR, Huxsoll CC. Effect of preparation procedures and storageparameters on quality retention of salad cut lettuce. J Food Sci.1991;56:60-7.

3. Oliveira ECM, Valle RHP. Aspectos microbiológicos de produtoshortícolas minimamente processados. Hig Aliment. 2000;44: 50-4.

4. Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990. Presidência da República, Casa Civil. Dispõe sobre a proteção do consumidor e dá outras providências. Diário Oficial [da] União,Brasília, DF. nº 176, 12 desetembro de 1990. Suplemento, p. 1-12.

5. Downes FP, Ito K. Compendium of methods for the microbiological examination of foods. Washington, D.C., 4th ed., APHA, 2001.

6. Pessoa GVA, Silva EAM. Milieu pour l’identifiction présomptive rapidedes entérobactéries, des Aeromonas e des vibrions. AnnMicrobiol.1974;341-7.

7. International Commission on Microbiological Specifications for Foods(ICMSF). Microorganisms in foods: their significance and methods ofenumeration. Toronto: University of Toronto, 1978, 434p.

8. Oliveira CAF, Germano PML. Estudo da ocorrência de enteroparasitas em hortaliças comercializadas na região metropolitana de São Paulo, SP,Brasil. I – Pesquisa de helmintos. Rev Saúde Pública.1992;26(4):283-9.

9. Resolução RDC n° 259, de 20 de set. 2002 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) do Ministério da Saúde. [Acesso em: 1set. 2006]. Disponível em: http://www. anvisa.gov.br/legis/resol/2002/259_02rdc.htm.

10. Resolução RDC nº 359, de 23 de dez. 2003 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) do Ministério da Saúde. [Acesso em: 19ago. 2006]. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/legis/resol/2003/359_03rdc.htm.

11. Resolução RDC nº 360, de 23 de dez. 2003 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) do Ministério da Saúde. [Acesso em: 19ago. 2006]. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/legis/resol/2003/360_03rdc.htm.

12. Lei n° 10.674, de 16 de maio de 2003. Obriga a que os produtos alimentícios comercializados informem sobre a presença de glúten, como medida preventiva e de controle da doença celíaca. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 19 maio 2003b. p.1.

13. Resolução RDC nº 12, de 02 de janeiro de 2001 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) do Ministério da Saúde. Aprova o Regulamento Técnico sobre Padrões Microbiológicos para Alimentos. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 10 de janeiro de 2001a, Seção 1, 45-53.

14. Berbari SAG, Paschoalino JE, Silveira, NFA. Efeito do cloro na água delavagem para desinfecção de alface minimamente processada. Ciênc Tecnol Aliment. 2001;21(2):197-201.

15. Bruno LM; Queiroz AAM, Andrade APC, Borges MF. Avaliaçãomicrobiológica de hortaliças e frutas minimamente processadascomercializadas em Fortaleza (CE). B CEPPA 2005; 23(1): 75-84.

16. Caruso JGB, Camargo R. Microbiologia de Alimentos. In: Camargo,R., editores. Tecnologia dos produtos agropecuários – alimentos. SãoPaulo: Nobel; 1984. p.35-49.

17. Rall VLM, Balestrin ECC, Ferreira MC, Rall R, Cardoso KFG. Pesquisade patógenos e avaliação higiênico-sanitária de produtos minimamente processados comercializados na cidade de Botucatu. In: Anais doXXIII Congresso Brasileiro de Microbiologia. Santos (SP), 2005. cd-rom.

18. Pingulkar K, Kamat A, Bongirwar D. Microbiological quality of freshleafy vegetables, salad components and ready-to-eat salads: an evidenceof inhibition of Listeria monocytogenes in tomatoes.Int J Food SciNutr.2001; 52(1):15-23.

19. Silva SRP, Verdin SEF, Pereira DC, Schatkoski AL, Rott MB, CorçãoG. Microbiological quality of minimally processed vegetables sold inPorto Alegre, Brazil. Braz J Microbiol. 2007; 38(4): 594-8.

20. Mendes LG, Cunha FA, Menezes EA, Souza GC, Soares KP, Neto JGL, Amorim, LN. Qualidade microbiológica de hortaliças minimamente processadas comercializadas na cidade de Fortaleza-CE. In: Anais do XV Encontro Nacional de Analistas de Alimentos. Fortaleza (CE),2007. cd-rom.

21. Fröder H, Martins CG, De Souza KL, Landgraf M, Franco BD, Destro MT. Minimally processed vegetables salads: microbial quality evaluation. J Food Prot.2007;70(5):1277-80.

22. Wójcik-Stopczy’nska B. Microbiological quality of minimally processed vegetable salads. Rocz Panstw Zakl Hig.2004;55(2):139-45.

23. Resolução RDC n° 175, de 08 de julho de 2003 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) do Ministério da Saúde. Regulamento Técnico de Avaliação de Matérias Macroscópicas e Microscópicas Prejudiciais à Saúde Humana em Alimentos Embalados. Diário Oficial[da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 09 de julho de 2003c, Seção 1.

24. Portaria n° 326, de 30 de julho de 1997 da Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde. Regulamento Técnico sobre Condições Higiênico-Sanitárias e de Boas Práticas de Fabricação para Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 01 de agosto de 1997, Seção 1.

25. Rapanello E, Fuzihara T, Nunes SM, Daros V, Vanucci L. Avaliação daqualidade higiênico-sanitária de agrião, alface e repolho minimamenteprocessados e alface in natura comercializados na região do ABC, SP.In: Anais do XV Encontro Nacional de Analistas de Alimentos. Fortaleza (CE), 2007. cd-rom.

26. Moore JE, Millar BC, Kenny F, Lowery CJ, Xiao L, Rao JR et al. Detection of Cryptosporidium parvum in lettuce. Int J Food SciTech.2007; 42:385-93.

27. Silva CGM, Andrade SAC, Stamford TLM. Ocorrência de Cryptosporidium sppe outros parasitas em hortaliças consumidas innatura, no Recife. Ciênc saúde coletiva.2005; 10 (Suppl l): 63-9.

28. Capuano DM, Okino MHT, Bettini MJCB, Mangini ACS. Ocorrência de Cryptosporidium spp. em hortaliças comercializadas no município de Ribeirão Preto, SP – Brasil. Rev Inst Adolfo Lutz .2001;60(1):89-91.

29. Portaria nº 518 de 25 de março de 2004 do Ministério da Saúde. Estabelece os procedimentos e responsabilidades relativos ao controle e vigilância da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. Diário Oficial da União, n. 59, Brasília, DF, 26 mar. 2004, Seção I, p. 266-70.

30. Franco RMB. Protozoários de veiculação hídrica: relevância em saúde pública. Rev Panam Infectol 2007; 9(4): 36-43.

31. Dantas MIS, Deliza R, Minim VPR, Hedderley D. Avaliação da intençãode compra de couve minimamente processada. Ciênc Tecnol Aliment.2005; 25(4):762-7.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2008 Sonia de Paula Toledo Prado, Eliana Guimarães Abeid Ribeiro, Divani Maria Capuano, André Luiz de Aquino, Gutemberg de Melo Rocha, Alzira Maria Morato Bergamini

Downloads

Não há dados estatísticos.