Surto de toxinfecção alimentar em funcionários de uma empreiteira da construção civil no município de Cubatão, São Paulo/Brasil
PDF

Palavras-chave

surto de toxinfecção alimentar
coliformes termotolerantes
vigilância sanitária e epidemiológica
boas práticas de fabricação

Como Citar

1.
Passos E de C, Almeida CS, Rosa JP, Rozman LM, Mello ARP de, Souza CV de, Paschoal RC, Tavares M. Surto de toxinfecção alimentar em funcionários de uma empreiteira da construção civil no município de Cubatão, São Paulo/Brasil. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 1º de agosto de 2008 [citado 19º de julho de 2024];67(3):237-40. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/32771

Resumo

Foi notificado, em dezembro de 2007, um surto de toxinfecção alimentar em 54 funcionários de uma empreiteira da construção civil a serviço em uma refinaria do município de Cubatão, SP. Sintomas de diarréia, cólica abdominal, náuseas, mal estar, cefaléia, vômitos, tontura e febre foram observados. A Vigilância Sanitária Municipal coletou amostras de alimentos preparados no dia seguinte da notificação e de águas utilizadas na empresa produtora de alimentos e no restaurante da empreiteira. As amostras foram analisadas segundo a metodologia descrita no Compendium APHA (2001) e Standard Methods (2005); os resultados foram comparados aos padrões microbiológicos estabelecidos pela Resolução RDC nº 12/2001e pela Portaria nº 518/2004. Coliformes totais foram observados nas amostras de água da empresa e do restaurante; coliformes termotolerantes foram identificados na amostra de carne assada servida no restaurante da empresa (N.M.P. 28/g). Staphylococcus coagulase positiva, Bacillus cereus, Salmonella spp e clostrídios sulfito-redutores não foram detectados. Em janeiro de 2008, a Vigilância Sanitária colheu nos estabelecimentos envolvidos amostras de alimentos, as quais encontravam-se dentro dos padrões microbiológicos estabelecidos pela Resolução RDC nº 12/2001. Este relato mostra a importância do trabalho em conjunto entre os serviços de saúde municipais e o laboratório de saúde pública.
https://doi.org/10.53393/rial.2008.67.32771
PDF

Referências

1. Zandonadi RP, Botelho RBA, Sávio KEO, Akutsu RC, Araújo WMC. Atitudes de risco do consumidor em restaurantes de auto-serviço. Rev Nutr.2007; 20(1):19-26.

2. Lynch RA, Elledge BL, Griffith CC, Boatright DT. A comparison offood safety knowledge among restaurant managers, by source of trainingand experience, in Oklahoma County. J Environ Health.2003; 66(2):9-14.

3. Franco BGM, Landgraf M. Microbiologia dos Alimentos. São Paulo: Atheneu; 1996.

4. Germano PML, Germano MIS. Agentes bacterianos de toxinfecções. In: Germano PML, Germano MIS, editores. Higiene e Vigilância Sanitária de Alimentos. São Paulo: Livraria Varela; 2001. p.199-258.

5. Barros MAF, Nero LA, Monteiro AA, Beloti V. Identification of maincontamination points by hygiene indicator microorganisms in beef processing plants. Ciênc Tecnol Aliment. 2007;27(4): 856-62.

6. Soares CM, Valadares GF, Azeredo RMC, Kuaye AY. Contaminação ambiental e perfil toxigênico de Bacillus cereus isolados em serviços de alimentação. Ciênc Rural, Santa Maria.2008,38(2): 504-10.

7. Paula P, Rodrigues PSS, Tórtora JC Oliveira, Uchoa CMA, Farage S. Contaminação microbiológica e parasitológica em alfaces (Lactucasativa) de restaurantes self-service, de Niterói, RJ. Rev Soc Bras MedTrop. 2003; 36(4):535-7.

8. Rodrigues KL, Moreira AN, Almeida ATS, Chiochetta D, RodriguesMJ, Brod CS, Carvalhal JB, Aleixo JAG. Intoxicação estafilocócica em restaurante institucional. Ciênc Rural, Santa Maria, 2004; 34(1): 297-299.

9. Brasil. Resolução RDC nº 12 de 2 de janeiro de 2001 da ANVISA do Mistério da Saúde. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil,Poder Executivo, Brasília, DF, 10 jan. 2001. Seção 1, nº 59, p. 45-53.

10. Downes FP, Ito K, editors. Compendium of Methods for the Microbiological Examination of Foods. Washington: Edwards Brothers;2002.

11. Eaton AE, Clesceri LS, Rice EU, Greenberg AE. Standard Methods forthe examination of water and wastewater. Baltimore: United BookPress; 2005.

12. Brasil. Portaria nº 518 de 25 de março de 2004 do Mistério da Saúde. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 26 mar. 2004. Seção 1, nº 59, p. 266-70.

13. Salvatori RU, Bessa MC, Cardoso MRI. Qualidade sanitária deembutidos coletados no mercado público central de Porto Alegre-RS. Ciênc Rural.2003;33(4):771-3.

14. Silva MP, Cavalli DR, Oliveira TCRM. Avaliação do padrão coliformesa 45ºC e comparação da eficiência das técnicas dos tubos múltiplos epetrifilm EC na detecção de coliformes totais e Escherichia coli emalimentos. Ciênc Tecnol Aliment.2006;26(2): 352-9.

15. Rangel JM, Sparling PH, Crowe C, Griffin PM, Swerdlow DL.Epidemiology of Escherichia coli O157:H7 Outbreaks, United States,1982–2002. Emerg Infec Dis. 2005;11(4): 603-9.

16. Takayanagui OM, Capuano DM, Oliveira CAD, Bergamini AMM, Okino MHT, Castro e Silva AAMC, Oliveira MA, Ribeiro EGA, Takayanagui AMM. Análise da cadeia de produção de verduras em Ribeirão Preto, SP. Rev Soc Bras Med Trop.2006; 39(2): 224-6.

17. Simões M, Pisani B, Marques EGL, Prandi MAG, Martini MH, ChiariniPFT, Antunes JLF, Nogueira AP. Hygienic-sanitary conditions of vegetables and irrigation water from kitchen gardens in the municipalityof Campinas, SP. Braz J Microbiol. 2001;32:331-3.

18. Sabioni JG, Hirooka EY, Souza MLR. Intoxicação alimentar por queijominas contaminado com Staphylococcus aureus. Rev Saúde Públ.1998;22(5):458-61.

19. Peresi JTM, Almeida IAZC, Lima SI, Marques DF, Rodrigues ECA,Fernandes SA, Gelli DS, Irino K. Surtos de enfermidades transmitidas por alimentos causados por Salmonella Enteritidis. Rev Saúde Públ.1998;32(5): 477-83.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2008 Estevão de Camargo Passos, Camila Souza Almeida, João Paulo Rosa, Luciana Martins Rozman, Ana Ruth Pereira de Mello, Cícero Vagner de Souza, Regina Célia Paschoal, Mário Tavares

Downloads

Não há dados estatísticos.