Avaliação do teor alcoólico e componentes secundários de cachaças
PDF

Palavras-chave

bebidas alcoólicas
legislação
composição
álcoois
cromatografia gasosa

Como Citar

1.
Caruso MSF, Nagato LAF, Alaburda J. Avaliação do teor alcoólico e componentes secundários de cachaças. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 1º de janeiro de 2008 [citado 13º de julho de 2024];67(1):28-33. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/32786

Resumo

A cachaça e a aguardente de cana são produtos alcoólicos oriundos da destilação do caldo de cana fermentado. A aguardente de cana deve apresentar teor alcoólico de 38,0 a 54,0 % (em volume, a 20°C) e a cachaça, de 38,0 a 48,0%. Foram analisadas 60 amostras de cachaça comercializadas na cidade de São Paulo, com o intuito de averiguar a conformidade quanto à graduação alcoólica e componentes secundários (acetaldeído, acetato de etila e álcoois superiores) em comparação aos parâmetros estabelecidos pela legislação do Ministério da Agricultura. O teor alcoólico nas amostras analisadas variou de 34,7% a 46,9%, e em 10 amostras (17,0%) a graduação alcoólica foi inferior a 38,0%. As concentrações de acetaldeído oscilaram na faixa de valor não quantificado (< 5) a 120 mg/100 mL de álcool anidro (AA); 31 amostras (52,0%) apresentaram valores acima do limite máximo estabelecido de 30 mg/100 mL AA. As concentrações de acetato de etila de todas as amostras estavam em conformidade com a legislação (máximo de 200 mg/100mL AA). Em relação aos álcoois superiores, sete amostras (12,0%) apresentaram teores superiores ao limite máximo previsto (360 mg/100 mL AA). Das 60 amostras, 70,0% estavam em desacordo com as especificações em pelo menos um dos parâmetros avaliados, sugerindo-se que há necessidade de introduzir melhorias no processo produtivo e no estabelecimento de estratégias para realizar maior controle analítico do produto final.
https://doi.org/10.53393/rial.2008.67.32786
PDF

Referências

1. Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa nº 13, de 29 de junho de 2005. Diário Oficial da União, Brasília, 30 jun 2005, Seção I, p. 3.

2. Brasil. Presidência da República. Decreto nº 4851, de 2 de outubro de 2003. Altera dispositivos do Regulamento aprovado pelo Decreto nº 2.314, de 4 de setembro de 1997, que dispõe sobre a padronização, a classificação, o registro, a inspeção, a produção e a fiscalização de bebidas. Revoga o Decreto nº 4072 de 03 de janeiro de 2002. Diário Oficial da União, Brasília, 3 out 2003. Seção I, p. 6-7.

3. Brasil. Ministério da Agricultura. CONAB. Companhia Nacional de Abastecimento. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. [Acesso em 28/12/06]. Disponívelem www.conab.gov.br.

4. PBDAC. Programa Brasileiro de Desenvolvimento da Cachaça. [Acesso em 02/03/06]. Disponível emwww.atisoline.com.br/pbdac.

5. Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. O setor produtivo da cachaça. [Acesso em 22/09/07].Disponível em http://www.agricultura.gov.br/portal.

6. Pereira JAM, Rosa CA, Faria JB. Cachaça de alambique. Tecnologia Fácil – 8. Brasília: L K Editora; 2006.

7. Novaes FV. Como controlar a qualidade da cachaça. EngModerno 2001; 25:24-9.

8. Aquarone E, Lima UA, Borzani W. Alimentos e bebidas produzidos por fermentação: biotecnologia. São Paulo: Ed. Edgard Blücher, v.5, 1983.

9. Nagato LAF, Caruso MSF, Duran MC, Carvalho MFH, CanoCB. Bebidas alcoólicas. In: Métodos físico-químicos para análise de alimentos. Instituto Adolfo Lutz. Brasília: ANVISA;2005. p. 405-60.

10. Fernandes JF, Cardoso MG, Vilela JF, Morais AR, Silva VF,Nelson DL. Physicochemical quality of a blend of domestic cachaças from the south of Minas Gerais. J Food CompostAnal 2007; 20:257-61.

11. Bogusz Jr S, Ketzer DCM, Gubert R, Andrades L, Gobo AB. Composição química da cachaça produzida na região noroeste do Rio Grande do Sul, Brasil. Ciênc Tecnol Aliment2006; 26(4): 793-798,

12. Blinder F, Voges E, Lauge P. The problem of methanol concentration admissible in distilled fruit spirits. Food AdditContam 1988; 5(3): 343-51.

13. Faria JB. Sobre a produção de aguardente de cana. EngModerno 1995; 40: 9-16.

14. Bermond II DM, Tose H. Consumo de bebidas alcoólicas:interações com o benzeno e outras substâncias de usoocupacional. Rev Psiq Clin 2000; 27(2):1-8. [Acesso em 05/01/07]. Disponível em www.hcnet.usp.br/ipq/revista//r27(2)/art65.htm.

15. Nascimento RF, Marques JC, Lima Neto BS, Keukeleire D,Franco DW. Qualitative and quantitative high-performanceliquid chromatographic analysis of aldehydes in Brazilian sugarcane spirits and other distilled alcoholic beverages. J Chromatogr A 1997; 782:13-23.

16. Pereira NE, Cardoso MG, Azevedo SM, Morais AR, Fernandes W, Aguiar PM. Compostos secundários em cachaças produzidas no Estado de Minas Gerais. Ciênc Agrotec 2003;27(5): 1068-75.

17. IARC, International Agency for Research on Cancer. Monographs on the evaluation of carcinogenic risk ofchemicals to humans. Re-evaluation of some organicchemicals, hydrazyne and hydrogen peroxide, 1999; 71:319.[Acesso em 09/01/07]. Disponível em: http://monographs.iarc.fr/ENG/Monographs/vol71/volume71.pdf.

18. Boza Y, Horii J. Influência da destilação sobre a composição e a qualidade sensorial da aguardente de cana-de-açúcar. Ciênc Tecnol Aliment 1998; 18(4): 391-6.

19. Bôscolo M, Bezerra CWB, Cardosos DR, Lima Neto BS,Franco DW. Identification and dosage by HRGC of minoralcohols and esters in Brazilian sugar cane spirits. J BrazChem Soc 2000; 11(1): 86-90.

20. SEBRAE - Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Estudo de viabilidade técnica e econômica do arranjo produtivo da cachaça de alambique da região sudeste de Tocantins, 2003 (Versão 1). [Acesso em 09/01/07]. Disponívelem: www.biblioteca.sebrae.com.br/bds/BDS.nsf/.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2008 Miriam Solange Fernandes Caruso, Letícia Araújo Farah Nagato, Janete Alaburda

Downloads

Não há dados estatísticos.