Avaliação da segurança dos xampus de uso infantis utilizados no comércio de São Paulo

Autores

  • Maria Cristina Santa Bárbara Instituto Adolfo Lutz, Centro de Medicamentos, Cosméticos e Saneantes, Núcleo de Ensaios Físicos e Químicas em Cosméticos e Saneantes, São Paulo, SP
  • Adriana Aparecida Buzzo Almódovar Instituto Adolfo Lutz, Centro de Medicamentos, Cosméticos e Saneantes, São Paulo, SP https://orcid.org/0000-0001-5572-9091
  • Lígia L. Miyamaru Instituto Adolfo Lutz, Seção de Cosméticos e Produtos de Higiene, São Paulo, SP
  • Adriana Bugno Instituto Adolfo Lutz, Centro de Medicamentos, Cosméticos e Saneantes, Núcleo de Ensaios Biológicos e de Segurança, São Paulo, SP
  • Leda M. A. dos Santos Instituto Adolfo Lutz, Seção de Controle de Esterilidade e Pirogênio, São Paulo, SP
  • Thais Y. Saito Instituto Adolfo Lutz, Seção de Cosméticos e Produtos de Higiene, São Paulo, SP

DOI:

https://doi.org/10.53393/rial.2007.66.32798

Palavras-chave:

xampu, tensoativo, irritação ocular, aminas, análises microbiologica

Resumo

Os xampus infantis são formulações a base de formulações tensoativas mais suaves e contêm detergentes anfóteros que buscam o benefício de não irritar os olhos. O objetivo deste trabalho foi de verificar a qualidade de xampus infantis quanto aos parâmetros físico-químicos, microbiológicos e toxicológicos. Foram avaliadas 15 amostras de diferentes marcas comercializadas na cidade de São Paulo. As amostras apresentaram-se em conformidade com a Legislação vigente quanto à segurança de seu uso. O teor de princípio ativo (entre 3 e 5%), as aminas livres e o pH estavam de acordo com as formulações apresentadas; e no ensaio microbiológico o resultado foi satisfatório. Quanto à irritação ocular, 6,7% das amostras apresentaram índices de moderada irritação; 93,3% foram levemente irritantes quando foi aplicado o produto puro, conforme estabelecido no protocolo de Draize. Quando produto foi diluído a 50%, 20% das amostras apresentaram-se levemente irritantes, enquanto os demais demonstraram resultados satisfatórios. As amostras não apresentaram irritação ocular quando foram aplicadas diluídas a 10%. Os resultados obtidos mostraram que as diferentes marcas de xampus estudados estão dentro da qualidade esperada para o produto. Sugere-se que seja incluída no rótulo a advertência sobre o cuidado para evitar que o produto puro entre em contato com os olhos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Brasil. Decreto nº 79.094, de 05 de jan.1977 da Secretaria Nacional de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde. Regulamenta a Lei nº 6360 de 23 de setembro de 1977, que submetem a Sistema deVigilância Sanitária os produtos de medicamentos, insumos farmacêuticos, drogas. Correlatos, cosméticos, produtos de higiene, saneantes e outros. Diário Oficial[da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 07jan.1977.

2. Draelos ZD. Xampus. In: Draelos ZD, editor. Cosméticos em Dermatologia. 2nd ed. Rio de Janeiro:Ed Revinter; 1999. p.121-28.

3. Fox C. Introdução à formulação de xampus. Cosmet Toiletr 1989; 1(1):17-31.

4. Leonardi GR, Matheus LGM. Cosmetologia Aplicada. São Paulo (SP): Medfarma; 2004.

5. Brasil. Resolução RDC nº 211, de 14 de jul. 2005 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Define eclassifica os produtos de higiene pessoal, cosméticos eperfumes em seu grau de risco. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 18 jul 2005. Seção 1, p.58-60.

6. Prista LN, Bahia MFG, Vilar E. Dermofarmácia e Cosmética. Porto: Associação Nacional deFarmácia; 1995.

7. Wilkinson JB, Moore RJ. Shaving preparations. In: Wilkinson JB, Moore RJ, editores. Harry’s Cosmeticology 7th ed. London: George Goodwin; 1982.p.156-89.

8. Balsam MS, Sagarim E, Gershon SD, Rieger MM, Strianse SJ, Baby Toiletries. In: Balsam MS, Sagarim Eeditores. Cosmetics Science and Technology. 2nd ed. NewYork: Ed Wiley; 1972. p.115-77.

9. Barata EA. Higiene do Cabelo. In: Barata EA, editor. A Cosmetologia Princípios Básicos. 1ª ed. São Paulo: Ed Tecnopress; 1995. p.145-58.

10. Brasil. Resolução RDC nº 215, de 26 de jul. 2005 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Estabelecea lista de substâncias que os produtos de higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes não devem conter exceto nas condições e com as restrições estabelecidas. Diário Oficial [da] RepublicaFederativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF,26 jul 2005. Seção 1, p.22-7.

11. Guia para Avaliação de segurança de Produtos Cosméticos Manual Online, 2003. Disponível em http//:www.anvisa.gov.br/cosméticos/guia/index.htm.

12. Brasil. Resolução RDC nº 481 de 23 de set de 1999 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde. Dispõe sobre o controle de qualidade microbiológicapara os produtos de higiene pessoal, cosméticos e perfumes. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil, Brasília,DF, 06 de out. 1999. Seção 1, p.06.

13. Farmacopeia Brasileira. Parte I. 4 ª ed. São Paulo: Ed: Atheneu; 1988. p.V.5.1.6-1-V.5.1.7-6.

14. British. Pharmacopoeia. London: The Stationery Office, 2004, V. IV. p.A 334, A 44.

15. Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde [INCQS]. Determinação de pH. Rio de Janeiro; 2001.

16. Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde [INCQS]. Determinação tensoativo aniônico. Rio de Janeiro; 2002.

17. Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde [INCQS]. Teste de irritação ocular. Rio de Janeiro; 2002.

18. Kay JH, Calandra JC. Interpretation of eye irritationtests. J Soc Cosmet Chem 1962; 13: 281-9.

19. Oficial Methods and Recommended Practices of the American Oil Chemists Society – Forth Edition Total Amine Value of fatty Amines (indicator method AOCS-TF 1b 64.

20. Worth AP, Cronin MTD. The use of pH measurements topredict the potential of chemicals to cause acute dermaland ocular toxicity. Toxicology. 2001; 169: p.119-31.

21. Gelmetti C. Skin Cleasing in Children. J Eur Academy Dermatol Venereol. V.15 p. 12-15, 2001.

22. Griffin JJ, Corcoran RF, Akana KK. The pH of hairshampoos. J Chem Educ. 1977; 54: 553-4.

23. Cruz AS, Barbosa ML, Pinto TJA. Testes in vitro como alternativa aos testes in vivo de Draize. Rev Inst Adolfo Lutz. 2004; 63 (1): 1-9.

24. Roggeband R, York M, Perigoi M, Braun W. Eyeirritation responses in rabbit and man after singleaplications of equal volumes undiluted model liquiddetergent products. Food Chem Toxicol. 2000;38: 727-34.

Downloads

Publicado

2007-08-01

Como Citar

1.
Bárbara MCS, Almódovar AAB, Miyamaru LL, Bugno A, Santos LMA dos, Saito TY. Avaliação da segurança dos xampus de uso infantis utilizados no comércio de São Paulo. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 1º de agosto de 2007 [citado 3º de março de 2024];66(3):225-9. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/32798

Edição

Seção

ARTIGO ORIGINAL

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>