Ácidos graxos saturados em produtos alimentícios: comparação de procedimentos na análise por cromatografia gasosa
PDF

Palavras-chave

ácidos graxos saturados
rotulagem nutricional
análise por cromatografia em fase gasosa
ésteres metílicos de ácidos graxos

Como Citar

1.
Aued-Pimentel S, Caruso MSF, Kumagai EE, Ruvieri V, Zenebon O. Ácidos graxos saturados em produtos alimentícios: comparação de procedimentos na análise por cromatografia gasosa. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 10º de fevereiro de 2005 [citado 21º de junho de 2024];64(2):167-72. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/32979

Resumo

No presente trabalho são apresentados os resultados obtidos da comparação de metodologias adotadas nas análises de ácidos graxos saturados em laboratórios brasileiros. Foram comparados dois procedimentos de preparação de ésteres metílicos de ácidos graxos a partir dos lipídios extraídos (IUPAC 2301 e Hartman e Lago) e dois métodos de cálculo para expressar a concentração de ácidos graxos saturados em g/100g de amostra (cálculo com padrão interno ou com normalização de área multiplicada por fator de conversão teórico). As análises foram feitas por cromatografia gasosa. Foram analisadas seis amostras, sendo: ovo, biscoito recheado, biscoito amanteigado, extrato de soja, mistura para cappuccino e café. Para avaliar as diferenças entre os procedimentos foi aplicada a ANOVA, e no caso de valores com p<0,05 foi utilizado o teste de Tukey (nível de confiança de 95%). Comparando os processos de preparação de ésteres metílicos não foi observada diferença significativa entre eles para todas as matrizes (considerando mesmo método de cálculo); com relação ao método de cálculo observou-se diferenças estatisticamente significativas para as amostras de café e cappuccino. Os resultados mostram que é necessária a utilização de um padrão interno para determinação quantitativa dos ácidos graxos nos alimentos e que estudos mais abrangentes devem feito...

https://doi.org/10.53393/rial.2005.64.32979
PDF

Referências

1. Organización Mundial de la Salud. Estrategia Mundial sobre régimen alimentario, actividad física e salud (57° Asamblea Mundial de la Salud- 22 de mayo de 2004). Ginebra, Organización Mundial de la Salud2004 (WHA 57.17).

2. Curi R, Pompéia C, Miyasaka CK, Procópio J. Entendendo as gorduras– os ácidos graxos. 1a ed., São Paulo: Ed. Manole; 2002.

3. Brasil. Resolução-RDC nº 40, de 21 mar. 2001 da Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde. Dispõe sobre Regulamento Técnico Obrigatório sobre rotulagem nutricional de alimentos e bebidas embalados. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 22 mar. 2001, Seção I, nº 57-E, p. 22-5.

4. Brasil. Resolução-RDC nº 360, de 23 dez. 2003 da Secretaria deVigilância Sanitária do Ministério da Saúde. Dispõe sobre o RegulamentoTécnico sobre Rotulagem Nutricional de Alimentos Embalados. DiárioOficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília,DF, 26 dez. 2003. Seção I, nº 251, p 33-4.

5. American Oil Chemists’ Society. Official methods and recommended practices of the American Oil Chemists’ Society. 4th ed. (A.O.C.S.Official, Method Ce 1f-96: Determination of cis-and trans-fatty acidsin hydrogenated and refined oils and fats by capillary GLC); Champaign,USA; 1997

6. Official Methods of Analysis of AOAC International. 17 ed., Githersburg, Maryland, 2000.

7. American Oil Chemists’ Society. Official methods and recommended practices of the American Oil Chemists’ Society. 4 th ed. (A.O.C.S.Official Method Ce 1-62: Fatty acid composition by gaschromatography); Champaign, USA; 1995

8. International Organization for Standardization (IS0). Animal and vegetable fats and oils – Analysis by gas chromatography of methylesters of fatty acids. ISO 5508-1990.

9. Mc Cance and Widdowson’s, editors. The composition of food. 6thed., Royal Society of Chemistry; 2002.

10. Weihrauch JL, Posati LP, Anderson BA, Exler, J. Lipid conversion factors for calculating fatty acids contents of foods. J Am Oil ChemSoc 1977; 54: 36-40.

11. Núcleo de Estudos e Pesquisas em Alimentação (NEPA), UNICAMP(BR). Tabela Brasileira de Composição de Alimentos. Campinas; 2004.

12. Folch J, Lees M, Stanley GHS. A simple method for the isolation andpurification of total lipids from animal tissues. J Biol Chem 1957;226: 497-509.

13. Hartman L, Lago RCA. Rapid preparation of fatty acid methyl estersfrom lipids. Lab Prac1973; 22:475-6.

14. International Union of Pure and Applied Chemistry (IUPAC). Standard Methods for Analysis of Oils, Fats and Derivatives. Blackwell Scientific Publications, 7th Edition; Method 2.301; Report of IUPAC WorkingGroup WG 2/87; 1987.

15. Maia EL, Rodrigues-Amaya DBR. Avaliação de um método simples e econômico para metilação de ácidos graxos com lipídios de diversas espécies de peixes. Rev Inst Adolfo Lutz 1993;53(1/2): 27-35.

16. Instituto Adolfo Lutz. Normas Analíticas do Instituto Adolfo Lutz, Métodos físico-químicos para análise de alimentos, 4a ed., Brasília,ANVISA, 2005.

17. American Oil Chemists’ Society. Official Methods and Recommended Practices of the American Oil Chemits’ Society. 4th ed. (A.O.C.S.Official Method Ce 2-66, Preparation of methyl esters of long-chainfatty acids); Champaign, USA; 1995

18. Ayres M, Ayres MJr, Ayres DL, Santos AS. Bio Estat. 3.0. Aplicações estatísticas nas áreas das ciências biológicas e médicas. Belém, Sociedade Civil Mamirauá, Brasília, CNPq, 2003.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2005 Sabria Aued-Pimentel, Miriam Solange Fernandes Caruso, Edna Emy Kumagai, Valter Ruvieri, Odair Zenebon

Downloads

Não há dados estatísticos.