Contaminação por matérias estranhas e microrganismos em farináceos comercializados em Ribeirão Preto, SP
PDF

Palavras-chave

qualidade dos alimentos
farináceos
matérias estranhas
microrganismos
condições higiênico-sanitárias
legislação

Como Citar

1.
Prado S de PT, Franco AR, de Souza L, de Oliveira MA, Correia M. Contaminação por matérias estranhas e microrganismos em farináceos comercializados em Ribeirão Preto, SP. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 10º de fevereiro de 2005 [citado 20º de julho de 2024];64(2):237-44. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/32990

Resumo

Considerando a importância da qualidade dos alimentos, este trabalho teve como objetivo verificar as condições higiênico-sanitárias dos farináceos comercializados no município de Ribeirão Preto-SP, Brasil. Foram avaliados os níveis de contaminação por matérias estranhas e microrganismos, os quais foram comparados segundo os tipos de estabelecimento e de acondicionamento e as estações do ano. Foram analisadas 320 amostras, colhidas de fevereiro de 2001 a janeiro de 2002. Nas análises microscópicas e microbiológicas, 4,4% das amostras estavam em desacordo, respectivamente, com as Resoluções RDC 175/2003 e RDC 12/2001. Os farináceos embalados com maior número de amostras em desacordo com a legislação nas análises microscópicas foram farinha de mandioca e polvilho (10%); nas análises microbiológicas foram farinhas de mandioca a granel (12,5%) e fubás embalados (7,5%). O farináceo a granel com maior número de amostras contendo matérias estranhas foi o polvilho, porém não foi possível concluir se estavam em desacordo com a legislação, uma vez que não há ainda qualquer resolução específica quanto aos parâmetros microscópicos para esta classe de produtos. Quanto às estações do ano, considerando a RDC 175/2003, houve diferença estatisticamente significante, sendo que o maior percentual de amostras embaladas em desacordo foi observado no verão (15%). Esses dados poderão servir também como subsídios para discussões e ações relacionadas às mudanças nas legislações.
https://doi.org/10.53393/rial.2005.64.32990
PDF

Referências

1. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa de Orçamentos Familiares - POF 2002-2003,[http://www.ibge.gov.br].Consulta em:10 janeiro 2005.

2. Eisenberg WV. Source of food contaminants. In: Gorham Jr, editor. Principles of food analyses for filth, decomposition and foreignmatter.2nd ed. Washington, DC: FDA; 1981. 11-25. (FDA TechnicalBulletin, 1).

3. Gorham JR. Filth in foods: implications for health. In: Gorham Jr. editor. Principles of food analyses for filth, decomposition and foreign matter. 2nd ed. Washington, DC: FDA; 1981. 27-31. ( FDA technicalBulletin, 1).

4. Scott HG. Nutrition changes caused by pests in food. In: Gorham Jr. Ecology and management of food – industry pests. Washington, DC:FDA; 1991. 463-67. (FDA Technical Bulletin, 4).

5. Kvenberg JE. Insects. In: Gorham Jr. Principles of food analyses forfilth, decomposition and foreign matter. 2nd ed.Washington, DC: FD;1981. 83-125. (FDA technical Bulletin, 1).

6. Flechtmann CHW. Ácaros em produtos armazenados e na poeira domiciliar. Piracicaba: USP/ESALQ/Fundação de Estudos Agrários Luizde Queiroz; 1986. 97p.

7. Olsen AR. Regulatory action criteria for filth and other extraneous materials. II. Allergenic mites: an emerging food safety issue. Regulatory Toxicology and pharmacology, 1998; 28: 190- 98.

8. Franzolin MR. Interação entre Aspergillus flavus Link toxigênico eácaro (Tyrophagus putrescentiae Schrank), em amostras de grão de milho. [Tese de doutorado]. Instituto de Ciências Biomédicas, São Paulo: Universidade de São Paulo, 1998. 130 p.

9. Puzzi D. Abastecimento e armazenamento de grãos. Campinas: Instituto Campineiro de Ensino Agrícola; 1986.

10. Franco BDGM, Landgraf M. Microbiologia dos Alimentos. 2nd. São Paulo: Ed. Atheneu; 1996.

11. Atuí MB, Lázzari FA. Monitoramento de fungos em milho em grão, grits e fubá. Ciênc Tecnol. Aliment 1998; 18 (4): 363-67.

12. Resolução RDC no 175, de 08 de jul. 2003. Aprova o Regulamento Técnico de Avaliação de Matérias Macroscópicas e Microscópicas Prejudiciais à Saúde Humana em Alimentos Embalados. Diário Oficial[da] República Federativa do Brasil, [http://www.anvisa.gov.br/legis/resol/2003/rdc/175_03rdc.htm]. Consulta em: 14 abril 2004.

13. Resolução Normativa da Comissão Nacional de Normas e Padrõespara Alimentos nº 12, de 23 de jul. 1978. Aprova as seguintes normas técnicas especiais do Estado de São Paulo, revisadas pela CNNPA, relativas a alimentos (e bebidas) para efeito em todo o território brasileiro. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília,DF, 24 jul. 1978. Seção 1, p. 1.

14. Portaria DINAL/MS nº 1, de 4 de abr. 1986. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 08 abr. 1986. Seção 1, p.5039.

15. Resolução RDC nº 12, de 02 de jan.e 2001 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde. Aprova o Regulamento Técnico sobre Padrões Microbiológicos para Alimentos. Diário Oficial[da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 10 jan. 2001. Seção 1, p. 45-53.

16. Association of Official Analytical Chemists (AOAC). Official Methodsof Analysis of AOAC International.

17. ed. Gaithersburg, 2000. cap.16. (1 CD-Rom).17. Vanderzant C, Splittstoesser DF, editors. Compendium of methods for microbiological examination of foods. 3rd. Washington, DC: APHA,1992.

18. Pessôa GVA, Silva EAM. Miliee pour la identification presomptive rapide des enterobactéries, des aeromonas et des vibrions. Ann. Microbiol. 1974; 125A: 341-7.

19. Mehta CR, Patel NR. A network algorithn for performing Fisher’ sexact test in r x c contingency tables. Jasa. 1983; 78: 427-34.

20. Carvalho EP, Canhos VP, Ribeiro VE, Carvalho HP. Polvilho azedo: aspectos físicos, químicos e microbiológicos. Pesq Agropec Bras1996; 31 (2): 129-37.

21. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Programa Nacional de Monitoramento da Qualidade Sanitária de Alimentos, [http://www.anvisa.gov.br/alimentos/programa/objetivos.htm]. Consultaem:13 janeiro 2005.

22. Roitmam I, Travassos LR, Azevedo JL. Tratado de microbiologia. São Paulo: Manole; 1988.

23. Portaria nº 451, de 19 de setembro de 1997 da Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde. Aprova o Regulamento Técnico -Princípios Gerais para o Estabelecimento de Critérios e Padrões Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 2 jul. 1998.Seção 1, p. 4.

24. Nakamura IM, Moraes IO, Martucci ET. Considerações sobre a tecnologia da fécula de mandioca fermentada: produção, propriedades físico-químicas e aplicações. Científica 1976; 4(2): 196-202.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2005 Sonia de Paula Toledo Prado, Antonio Ribeiro Franco, Luiz de Souza, Maria Aparecida de Oliveira, Marlene Correia

Downloads

Não há dados estatísticos.