Matérias estranhas e identificação histológica em manjerona (Origanum majorana L.), orégano (Origanum vulgare L.) e salsa (Petroselinum sativum Hoffim.), em flocos, comercializados no estado de São Paulo
PDF

Palavras-chave

manjerona (Origanum majorana L.)
orégano (Origanum vulgare L.)
salsa (Petroselinum sativum Hoffm.)
matérias estranhas
identificação histológica
metodologia

Como Citar

1.
Rodrigues RMMS, Martini MH, Chiarini PF, Prado S de PT. Matérias estranhas e identificação histológica em manjerona (Origanum majorana L.), orégano (Origanum vulgare L.) e salsa (Petroselinum sativum Hoffim.), em flocos, comercializados no estado de São Paulo. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 3º de janeiro de 2005 [citado 25º de abril de 2024];64(1):25-30. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/33029

Resumo

Os condimentos ou especiarias são constituídos de diferentes partes de vegetais dessecados, apresentam aroma característico e são utilizados para realçar o sabor dos alimentos. Este trabalho teve como objetivos a pesquisa de fraudes pela identificação dos elementos histológicos característicos, a adequação e implantação de métodos para pesquisa de matérias estranhas, por peneiração e flutuação em manjerona, orégano e salsa em flocos e a avaliação das condições higiênicas desses condimentos. As 41 amostras de manjerona, 84 de orégano e 57 amostras de salsa em flocos foram adquiridas no período de agosto a novembro de 1998, em seis cidades do estado de São Paulo. Para identificação dos elementos histológicos utilizou-se a técnica descrita por Rodrigues et al. e para identificação das matérias estranhas foram utilizados os métodos descritos pela AOAC-2000. Não foi caracterizado qualquer tipo de fraude nos três condimentos analisados. Das 182 amostras analisadas, 98,90% estavam em desacordo com a legislação utilizada até 07/07/2003. As ordens de insetos identificadas foram Hemiptera (afídeos), Coleoptera (carunchos) e Psocoptera (psócides) e os fragmentos de insetos foram a matéria estranha mais freqüente. O método de flutuação foi mais eficiente para a recuperação de matérias estranhas do que a peneiração, inclusive para detectar a presença de ácaros.
https://doi.org/10.53393/rial.2005.64.33029
PDF

Referências

1. Rizzini CTQ, Mors WB. Botânica Econômica Brasileira. 2a ed. Rio de Janeiro: Âmbito Cultural; 1995.

2. Correia M, Daros VSMG, Silva RP. Matérias estranhas em canela em pó e páprica em pó, comercializadas no Estado de São Paulo. CiêncTecnol Aliment 2000; 20 (3): 375-80.

3. Hill AF. Botánica Económica - Plantas Útiles y Productos Vegetales. Especias y outros productos aromaticos. Barcelona: Ediciones Omega;1965.

4. Prakash V. Leafy spices. Florida:CRC Press; 1990.

5. Resolução Normativa da Comissão Nacional de Normas e Padrões para Alimentos [CNNPA] nº 12, de 23 de julho de 1978. Aprova as seguintes normas técnicas especiais do Estado de São Paulo, revisadaspela CNNPA, relativas a alimentos (e bebidas) para efeito em todo território brasileiro. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 24 jul. 1978. Seção 1, pt 1, p. 11.521-5.

6. Decreto nº 12.486 de 20 de outubro de 1978. Aprova Normas Técnicas Especiais Relativas a Alimentos e Bebidas. Diário Oficial do Estado deSão Paulo, São Paulo, 20 out. 1978. p. 32 - 3 (NTA 70).

7. Alzugaray D, Alzugaray C, editores. Enciclopédia da flora brasileira. São Paulo: Três Livros e Fascículos, 1984.

8. Maranca G. Plantas aromáticas na alimentação. São Paulo: Livraria Nobel S.A.; 1986.

9. Gorham JR. The significance for human health is insects in food. Ann. Rev. Entomol. 1979; 24: 209-24.

10. Peace R, Gardiner MA. Extraneous matter in food: detection, identification and evaluation. Ontario: Polyscience Publications Inc.; 1990.

11. Tainter DR, Grenis AT. Especias y aromatizantes alimentarios. Zaragosa: Acribia; 1996.

12. Food & Drug Administration, U.S. - Center for Food Safety & Applied Nutrition. FDA. Macro analytical Procedures Manual, 1984. p.1-8.

13. Boese J, Cichowicz SM. Extraneous materials - isolation. In: CunniffP; editor. Official methods of analysis of AOAC International. 16thed. Arlington: AOAC International; 1995. p. 38, 44 - 5.

14. Dent RG. Extraction methods. In: Gorham JR; editor. Training manualfor analytical entomology in food industry. Washington, DC: FDA;1978. p.76-84.

15. Arbogast RT. Beetles: Coleoptera. In: Gorham JR, editor. Ecology andmanagement of food industry pests. Arlington: FDA Technical Bulletin4; 1991. p. 131-76.

16. Boczek J. Mite pests in stored food. In: Gorham JR, editor. Ecologyand management of food industry pests. Arlington: FDA Technical Bulletin 4; 1991. p. 57-79.

17. Olsen AR. Regulatory action criteria for filth and other extraneousmaterials. III. Review of flies and foodborne enteric disease. Regulatory Toxicol. Pharmacol. 1998; 28: 199- 211.

18. Olsen AR. Regulatory action criteria for filth and other extraneousmaterials. II. Allergenic mites: an emerging food safety issue. Regulatory Toxicol. Pharmacol. 1998; 28: 190-8.

19. Moecke EH, Func LG, Nazzuco RM, Morato EF. Ácaros de armazenagem causadores de anafilaxia. In: Encontro Nacional de Analistas de Alimentos. Maceió: 2001: 223.

20. Olsen AR. Regulatory action criteria for filth and other extraneousmaterials. I. Review of hard or sharp foreign objects as physical hazardsin food. Regulatory Toxicol. Pharmacol. 1998; 28: 181-9.

21. Zamboni CQ, Alves HI, Spiteri N, Rodrigues RMMS. Partículas metálicas em farinha de trigo. Rev. Inst. Adolfo Lutz.1985; 45 (1/2):27-9.

22. Rodrigues MMS, Atui MB, Correia M, editores. Isolamento de elementos histológicos. São Paulo: Letras & Letras;1999. p. 68 - 70.

23. Association of Official Analytical Chemists (AOAC). Official methodsof analysis of AOAC International. 17th ed. Gaithersburg: 2000.

24. Berquó ES, Souza JMP, Gotlieb SLD. Bioestatística. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária Ltda, 1980.

25. Resolução RDC no 175, de 08 de julho de 2003. Aprova o Regulamento Técnico de Avaliação de Matérias Macroscópicas e Microscópicas Prejudiciais à Saúde Humana em Alimentos Embalados. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 2003. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/legis/resol/2003/rdc/175_03rdc.htm. 14 abril 2004.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2005 Regina M. Morelli S. Rodrigues, Maria Helena Martini, Paulo F.T. Chiarini, Sônia de Paula T. Prado

Downloads

Não há dados estatísticos.