Sobre algumas lucites por sensibilizadores vegetais
PDF

Como Citar

1.
Rossetti N. Sobre algumas lucites por sensibilizadores vegetais. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 23º de janeiro de 1947 [citado 14º de julho de 2024];7(1-2):60-74. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/33172

Resumo

figueira ou com seus frutos, dando especial relevo à pigmentação que disso resulta. A hipercromia é posta em destaque como sinal diagnóstico fundamental, não só por se apresentar, às vezes, como único sintoma de fotossensibilização como, também, pela cor e forma que lhe são próprias. A cor pardo-bronze tem matiz caraterístico; a forma sobreleva, ainda mais, em importância. Tratam-se, na maioria dos casos, de manchas que não são inexpressivamente redondas, ovaladas ou irregulares. Pelo contrário, sua forma sugere, logo à primeira vista, a imagem de líquido que tivesse escorrido sobre a pele deixando, ao secar, a sua marca. As manchas maiores têm bordas onduladas que se desfazem, às vezes, em filetes serpeantes, dirigidos no sentido da declividade, entrecruzando-se de modo a delimitar ilhotas de pele normal. Outras manchas tomam o aspeto de salpicos, de gotas escorridas e mesmo de impressão digital. Todas revelam a preexistência da ação externa de uma substância líquida. A colaboração da luz como elemento desencadeador é indispensável, como o demonstrou Kitchevatz, porquanto a substância da figueira representa, nesses casos, o elemento fotocatalizador. O autor refere nove observações próprias fazendo, de algumas, exposição minuciosa do quadro clínico e das circunstâncias que permitiram a realização do fenômeno, sobretudo no que diz respeito ao tempo decorrido entre o contato com o líquido e o aparecimento das lesões. Verifica-se que a ação fotossensibilizadora permanece latente longo tempo, o que permite o aparecimento da dermatose à primeira insolação, mesmo quando se realiza muitos dias após o contato. Outrossim, o autor faz notar que a lavagem da região imediatamente após o contato não impede o aparecimento das lesões, ao contrário do que afirmou Straton. Em três dos casos observados pelo autor a fitofotodermatose apareceu após insolação apesar de ter sido a pele lavada depois do contato com o látex da figueira. A divergência com a afirmação de Straton talvez esteja na dependência da intensidade maior ou menor do contato. Finaliza o autor lembrando a hipótese de Kuske sobre a possibilidade de terem todas as fotodermites, devidas à ação sensibilizadora exógeno-percutânea de substâncias vegetais, uma única etiologia. Seria todas causadas por um mesmo grupo de substâncias químicas presente nas plantas capazes de fotossensibilização; segundo Kuske, o das furocumarinas. Aos investigadores com possibilidade de trabalhar com substâncias de origem vegetais quimicamente puras fica o encargo de dizer a palavra decisiva a respeito.

https://doi.org/10.53393/rial.1947.7.33172
PDF

Referências

1. - BERLIN, CHAIJI - 1930 - Feigenbaumdermatitis - Dernuiioloçische Woehenschrift. 90 nº 22 :733

2. - TOUTON, KARL - 1932 - Hauterkrankungen durch phanerogamische Pflanzen und ihre Produkte (Taxidermia et Allergodermia phytogenes) - Htnulbuch. der Hcui. - anel Geechlech.telcronk, J. Jtulussoh.n 4: 1

3. - HOULOUSSI, BEHDJET - 1933 - Dermatite des figues et de figuiers - Bull, Soe. F'ranc. Dernuitol, Syphil. 39: 787.

4. - JAUSION, HUBERT et FRANÇorS PAGES - 1933 - Les maladies de lumicrc et leur traitement - JIasson ct Cie.

5. - KITCHEVATZ,M. - 1934 - Étiologie et pathogenêse de Ia dermatite des figues - Bull. de la Soc. Derm, et Syph. 40: 1751.

6. - ALEIXO, A. - 1935 - Dermatose provocada pela àgua de figo - Brasil-Médico nº 25 p. 533

7. - KITCHEVATZ,M. - 1936 - Nouvelles reeherches sur Ia photosensibilísation de Ia peau-Bull. de la. Soc. Derm. et Syph.42 :581.

8. - POPOFF, LUBIN und BOUDIMIRZAHARIEFF- 1935 - Uber die Dermatitis bullosa, striata und pigmentosa (Feigenbaumdermati tis) und ihre klinischen und pathogenetischen AnaIogien mit der Dermatitis bullosa striata pratensis Oppenheim und der Dermatitis phytogenes bullosa, striata und pigrnentosa durch Euphorbiaceae hervorgerufen - Jb. Univ. Sofia, Med. Fak, 14: 153-170 u. franzo Zusammenfassung 166-169.

9. - PAIONNE, JosÉ - 1938 - Um caso de derrnatose papulo-bolhosa produzida pelo leite de figo - Brasil-Médico nº 14 p. 347.

10. - KUSKE, H. - 1938 - Exper imentelle Untersuchungen zur Photosensibilisierung der Haut durch pflanzliche Wirkstoffe. Lichtsensibilisierung dureh Furocumarine als Ursache versehiedener phytogener Dermatossn - Archi. [ur Dermatologie und Syphilis - Berlin. Band 178: 112

11. - BEHCET, HULUSI, BERTA OTTENSTEIN, KURT LION et FRIEDRICH DESSAUER - 1939 - Les derrnatites des figues. Recherches des influences, chimiques, physiques et allergiques pouvant provoquer Ia derrnatite des figues. Ann. de Dermatoloçie (7.a série) 10: ,32.

12. - BLUM, HAROLD FRANCIS - 1941 - Photodynamic action and diseases caused by light - Reinholel Publishing Corporiition. - N. York.

13. - KLABER, ROBERT- 1942 - Phytophotodermatitís - Brit. J. Dermat: 54: 193-211 Ref. Year Book of Dermai, anel Syph. (1942) 69-72.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 1947 Nicolau Rossetti

Downloads

Não há dados estatísticos.