Sobre quinze amostras de Salmonella choleraesuis var. Kunzendorf, isoladas de sangue humano: cromogênese dessa variedade em certos meios de cultura
PDF

Como Citar

1.
Gomes L de S, Arantes M. Sobre quinze amostras de Salmonella choleraesuis var. Kunzendorf, isoladas de sangue humano: cromogênese dessa variedade em certos meios de cultura. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 29º de janeiro de 1950 [citado 20º de junho de 2024];10(1-2):89-92. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/33203

Resumo

A casuística referente ao achado de Salmonella choleraesuis var. Kunzendorf no sangue humano é relativamente escassa. Pode-se dizer que se resume a 9 casos. Num período de 6 anos (1943-1949) conseguimos isola-la, em hemocultura, quinze vezes, sendo 9 de doentes da Capital e 6 de doentes do interior do Estado de São Paulo. Depois de separadas em placas de meio especial contendo tripaflavina, colônias lisas forneceram as culturas destinadas ao estudo bioquímico e sorológico das quinze amostras isoladas. Os germes fermentaram, com gás, os seguintes carboidratos: glicose, levulose, galactose, manose, xilose, maltose, manita, ramnose, sorbita e dextrina. A glicerina foi fermentada, sem gás, ao fim de 48 horas. Não foram fermentados: lactose, sacarose, salicina, arabinose, inosita, dulcita, inulina, rafinose e trealose. H2S: +; leite tornassolado: + inicial e - terminal; redução de nitrato: +; indol: -; liq. gelatina: -; meio de Simmons: - 48 horas; meio de Stern: -; arabinose Bitter: -; ramnose Bitter: + 24 horas. A classificação sorológica das quinze amostras foi feita de acordo com o esquema de Kauffmann- White. Foi notada uma curiosa e interessante particularidade nessas quinze amostras, bem como em outras da mesma variedade, que obtivemos de outras mãos, e na Salmonela tipo Aberdeen: foi a capacidade de produzir um pigmento de coloração castanho-clara (marrão) quando cultivadas no meio de ágar-Hottinger. Esse pigmento começa a aparecer na cultura a partir das primeiras 24 horas de incubação a 37°C. Também em certas partidas de gelatina pôde ser observada a gênese do mesmo pigmento. Tentativas feitas no sentido de procurar a causa da formação desse pigmento, usando inúmeros ácidos aminados, cada um de per si e também em conjunto, resultaram infrutíferas. Alguns aminoácidos que no momento não puderam ser obtidos serão oportunamente experimentados.

https://doi.org/10.53393/rial.1950.10.33203
PDF

Referências

1. ELKELES, G. e E.BARROS- 1935 - Jnfección humana aguda por bacilo suipestifer (Salmonella cholerae-suis var. Kunzendorf). Rev.Soc.Argent.Biol. 16: 158-153.

2. HORMAECHE,E., C.A.PELUFFO e P.L.ALEPPO - 1935 - Nueva contribución al estudio etiologico de las "Diarreas infantiles de verano". Las "Salmonelas" en Ias enterocolitis de Ia infancia. Arch.Urug.de Med.,Cir. y Especialidades 9: 113-162.

3. KALlÉ, D.Z. e V.P.KOROS'l'OVEC- 1934 - Einige Fâlle von Paratyphus C (Kunzendorf) in Belgrad. Zentralbl.f.Bakt. lste Abt. Orig. 132: 18-20.

4. PAMPANA,E.J. - 1931 - La dissociazone microbica ela tripaflavina come suo reattivo. Annali d'Igiene 41: 537-553.

5. SIMMONS,J.8. - 1926 - A culture medium for differentiating organisms of typhoid-colon aerogenes groups and for isolation of certain fungi, J.Infect.Dis. 39 : 209-214.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 1950 L. de Salles Gomes, Maria Arantes

Downloads

Não há dados estatísticos.