Implantação e avaliação das Boas Práticas de Fabricação – BPF: estudo de caso

Autores

  • Marcia Regina Sinhorini Universidade Tecnológica Federal do Paraná , Laboratório de Tecnologia em Alimentos, Francisco Beltrão, PR
  • Lindomar Subtil de Oliveira Universidade Tecnológica Federal do Paraná , Laboratório de Tecnologia em Alimentos, Francisco Beltrão, PR
  • Alexandre da Trindade Alfaro Universidade Tecnológica Federal do Paraná , Laboratório de Tecnologia em Alimentos, Francisco Beltrão, PR

Palavras-chave:

gestão da qualidade, melhoria de processos, controles, auditorias, boas práticas de fabricação

Resumo

O programa de Boas Práticas de Fabricação (BPF) é uma importante ferramenta, largamente utilizada para garantir o padrão de qualidade exigido pelo mercado consumidor. Este trabalho aborda os procedimentos empregados para realizar a implantação e monitoramento do BPF para uma planta de produção de farinhas e óleos de aves. Para a execução do trabalho, apresentou-se o programa à direção da empresa e formou-se uma equipe multidisciplinar. Na sequência, caracterizou-se o processo in loco para obter informações a respeito da elaboração do manual. Uma das etapas fundamentais do processo foi a aplicação de treinamentos ministrados pela gestora da qualidade. A última etapa do trabalho constituiu-se no monitoramento do programa por meio de auditorias internas. Observou-se que as auditorias influenciaram significativamente na melhoria de todas as etapas de implantação. A implantação das BPF resultou na aplicação de medidas corretivas com o envolvimento de toda equipe organizacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa nº 34, de 28 de maio de 2008. Aprova o Regulamento Técnico da Inspeção Higiênico-Sanitária e Tecnológica do Processamento de Resíduos de Animais. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 29 mai. 2008. Seção 1.

2. União Brasileira de Avicultura - UBA. Norma Técnica de Produção Integrada de Frango. [acesso 2012 Nov 16]. Disponível em: [http://www.uba.org.br].

3. Figueiredo VF, Costa Neto, PL. Implantação do HACCP na indústria de alimentos. Gest Prod. 2001;8(1):100-11.

4. Germano PM, Germano, MIS. Qualidade das matérias-primas. Higiene e Vigilância Sanitária de Alimentos. 3ª ed. Barueri: Manole; 2008.

5. Roque VF. Avaliação do aproveitamento de resíduos em indústrias de carne de frango. XVIII Congresso Brasileiro de Ciência e Tecnologia de Alimentos; 2002; Porto Alegre, Brasil,

6. Bellaver, C. Ingredientes de origem animal destinados à fabricação de rações. II Simpósio Brasileiro Alltech da Indústria de Alimentação Animal; 2005; Curitiba, Brasil.

7. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA. Sindicato Nacional da Indústria de Alimentação Animal. Associação Nacional dos Fabricantes de Rações. São Paulo: Compêndio Brasileiro de Alimentação Animal; 2009.

8. Butolo JE. Qualidade de Ingredientes na Alimentação Animal. Campinas: 1ª ed. Colégio Brasileiro de Alimentação Animal; 2002.

9. Calarge FA, Satolo EG, Satolo LF. Aplicação do sistema de gestão da qualidade BPF (boas práticas de fabricação) na indústria de produtos farmacêuticos veterinários. Gest Prod.2007;14(2):379-92. [DOI: 10.1590/S0104-530X2007000200014].

10. Brasil. Ministério da Saúde. Resolução RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002. Aprova o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos e a Lista de Verificação das Boas Práticas de Fabricação em Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 06 nov. 2002. Seção 1.

Downloads

Publicado

2016-03-28

Como Citar

Sinhorini, M. R., Oliveira, L. S. de, & Alfaro, A. da T. (2016). Implantação e avaliação das Boas Práticas de Fabricação – BPF: estudo de caso. Revista Do Instituto Adolfo Lutz, 74(2), 140–144. Recuperado de https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/33466

Edição

Seção

COMUNICAÇÃO BREVE