Aspectos epidemiológicos da esquistossomose em área do sudoeste de Minas Gerais, Brasil
PDF

Palavras-chave

esquistossomose
vigilância epidemiológica
migrantes

Como Citar

1.
Souza RLM, Gargioni C, Siqueira RV, Silva RM da, Pinto PLS, Kanamura HY. Aspectos epidemiológicos da esquistossomose em área do sudoeste de Minas Gerais, Brasil. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 1º de janeiro de 2017 [citado 18º de julho de 2024];76:1-10. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/33543

Resumo

Este estudo foi desenvolvido com o objetivo de contribuir com a vigilância da esquistossomose, no âmbito da Superintendência Regional de Saúde de Alfenas, MG, na mesorregião Sul/Sudoeste do estado, considerada não endêmica para a esquistossomose, ao contrário de outras áreas ao norte e nordeste do estado. Durante o ano de 2015, os escolares e migrantes de dois municípios dessa região, Arceburgo e Guaranésia, foram submetidos aos inquéritos parasitológico e sorológico. No inquérito parasitológico, nenhum caso de esquistossomose foi detectado em Arceburgo. Em Guaranésia, ovos de S. mansoni foram detectados entre os migrantes, com taxa de positividade de 13,6% (9/66), e em um único estudante. Sete membros da família, classificada como moradora de Guaranésia, mas determinada como oriunda de Timbaúba, PE quando investigada pela vigilância epidemiológica, foram também positivos para S. mansoni. No inquérito sorológico, a positividade para esquistossomose foi de 18,5% entre os migrantes de Guaranésia. Em relação às demais parasitoses, as taxas de positividade variaram de 12,5% a 32,3%. Os resultados sugerem diferenças em relação ao risco de exposição a S. mansoni e a importância da vigilância epidemiológica, mesmo em áreas não endêmicas, com foco nos migrantes, quando estes são oriundos de regiões endêmicas para esquistossomose.
https://doi.org/10.53393/rial.2017.v76.33543
PDF

Referências

1. Amaral RS, Tauil PL, Lima DD, Engels D. An analysis of the impact of the Schistosomiasis Control Programme in Brazil. Mem Inst Oswaldo Cruz. 2006; 101(Suppl.I):79-85.[DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0074-02762006000900012].

2. Espírito-Santo MC, Alvarado-Mora MV, Pinto PL, Sanchez MC, Dias-Neto E, Castilho VL, et al. Comparative Study of the Accuracy of Different Techniques for the Laboratory Diagnosis of Schistosomiasis Mansoni in Areas of Low Endemicity in Barra Mansa City, Rio de Janeiro State, Brazil. Biomed Res Int 2015;2015:135689. [DOI: http://dx.doi.org/10.1155/2015/135689].

3. Drummond SC, Silva LC, Amaral RS, Sousa-Pereira SR, Antunes CM, Lambertucci R. Morbidity of schistosomiasis mansoni in the state of Minas Gerais, Brazil. Mem Inst Oswaldo Cruz. 2006;101(suppl 1):37–44. [DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0074-02762006000900007].

4. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Vigilância da Esquistossomose Mansoni: diretrizes técnicas. 4 ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2014. 144 p.

5. Souza CP, Caldeira RL, Drummond SC, Melo AL, Guimarães CT, Soares DM, et al. Geographical Distribution of Biomphalaria Snails in the State of Minas Gerais, Brazil. Mem Inst Oswaldo Cruz. 2001;96(3):293-302. [DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0074-02762001000300003].

6. Guimarães RJ, Freitas CC, Dutra LV , Scholte RG, Martins-Bedé FT, Fonseca FR et al. A geoprocessing approach for studying and controlling schistosomiasis in the state of Minas Gerais, Brazil. Mem Inst Oswaldo Cruz. 2010;105(4):524-31. [DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0074-02762010000400030].

7. Drummond SC, Pereira SR, Silva LC, Antunes CM, Lambertucci JR. Schistosomiasis control program in the state of Minas Gerais in Brazil. Mem Inst Oswaldo Cruz. 2010;105(4):519-23. [DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0074-02762010000400029].

8. Katz N, Carvalho OS. Introducão recente da esquistossomose mansoni no sul do estado de Minas Gerais, Brasil. Mem Inst Oswaldo Cruz. 1983;78(3):281-4. [DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0074-02761983000300006].

9. Vieira Júnior RS, Hayakawa EH, Pimenta DP, Sousa RL. Sensoriamento remoto aplicado na espacialização de esquistossomose no sul-sudoeste do Estado de Minas Gerais. Anais XVI Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 13 a 18 de abril de 2013, INPE. [acesso 2016 Nov 17]. Disponível em: [http://www.dsr.inpe.br/sbsr2013/files/p0599.pdf].

10. Pereira DC, Frederico S. Migrantes do café: migração sazonal e relações de produção no município de Campos Gerais/MG. Anais do XVI Encontro Nacional dos Geógrafos. Porto Alegre, RS, 25 a 31 de julho de 2010. [acesso 2016 Set 14]. Disponível em: [www.agb.org.br/evento/download.php?idTrabalho=1857].

11. Souza CA, Freitas RC. Gênero, migração e trabalho temporário: vidas em trânsito pelas lavouras de café do Sul de Minas Gerais. Anais do XXVIII Simpósio Nacional de História. Florianópolis, SC, 27 a 31 de julho de 2015. [acesso 2016 Set 14]. Disponível em: [www.snh2015.anpuh.org/resources/anais/39/1427199025_ARQUIVO_Genero,migracaoetrabalhotemporario,vidasemtransitopelaslavourasdecafedoSuldeMinasGerais.pdf].

12. Servidoni LC, Hayakawa EH. Mapeamento da esquistossomose mansônica em vinte e seis municípios da região de Alfenas, MG. Apresentado na 3ª Jornada Científica da Geografia. Alfenas-MG, 3 a 6 de Setembro de 2012. Universidade Federal de Alfenas-MG. [acesso 2016 Set 14]. Disponível em: [http://www.unifal-g.edu.br/jornadageografia/files/S03061.pdf].

13. Pimenta, DP. Avaliação de diferentes metodologias para o diagnóstico parasitológico da esquistossomose mansoni [dissertação de mestrado]. Alfenas (MG): Universidade Federal de Alfenas; 2014. Disponível em: [https://bdtd.unifal-mg.edu.br:8443/handle/tede/467].

14. Katz N, Chaves A, Pellegrino J. A simple device for quantitative stool thick-smear technique in schistosomiasis mansoni. Rev Inst Med Trop S Paulo. 1972.14(6):397-400.

15. De Carli GA. Parasitologia clínica: seleção de métodos e técnicas de laboratório para o diagnóstico das parasitoses humanas. 2a ed. São Paulo: Atheneu, 2007. 906p.

16. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação-Geral de Laboratórios de Saúde Pública. Manual de diagnóstico dos agentes oportunistas: parasitos intestinais e Pneumocystis jirovecii / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Coordenação-Geral de Laboratórios de Saúde Pública. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

17. Kanamura HY, Silva RM , Chiodelli SG , Glasser CM, Dias LC. IgM-Immunofluorescence test as a diagnostic tool for epidemiologic studies of schistosomiasis in low endemic areas. Mem Inst Oswaldo Cruz. 2002;97(4):485-9. [DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0074-02762002000400005].

18. Carvalho OS, Massara CL, Rocha RS, Katz N. Esquistossomose mansoni no sudoeste do estado de Minas Gerais (BRASIL). Rev Saúde Pública. 1989;23(4):341-4.

19. Engels D, Chitsulo L, Montresor A, Savioli L. The global epidemiological situation of schistosomiasis and new approaches to control and research. Acta Trop. 2002;82(2):139-46. [DOI: http://dx.doi.org/10.1016/S0001-706X(02)00045-1].

20. Oliveira EJ, Kanamura HY, Lima DM. Efficacy of an enzyme-linked immunosorbent assay as a diagnostic tool for schistosomiasis mansoni. Mem Inst Oswaldo Cruz. 2005;100(4):421-5. [DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0074-02762005000400013].

21. Grenfell RF, Martins W, Enk M, Almeida A, Siqueira L, Silva-Moraes V, et al. Schistosoma mansoniin a low-prevalence area in Brazil: the importance of additional methods for the diagnosis of hard-to-detect individual carriers by low-cost immunological assays. Mem Inst Oswaldo Cruz.2013,108:328-34. [DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0074-02762013000300011].

22. Gargioni C, Silva RM, Thomé CM, Quadros CM, Kanamura HY. Utilização de método sorológico como ferramenta diagnóstica para implementação da vigilância e controle da esquistossomose no município de Holambra, São Paulo, Brasil.Cad Saúde Pública. 2008;24:373-79. [DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008000200016].

23. Silva PC, Domingues AL. Aspectos epidemiológicos da esquistossomose hepatoesplênica no Estado de Pernambuco, Brasil. Epidemiol Serv Saúde. 2011;20(3):327-36. [DOI: http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742011000300007].

24. Saucha CVV, Silva JAM, Amorim LB. Condições de saneamento básico em áreas hiperendêmicas para esquistossomose no estado de Pernambuco em 2012. Epidemiol Serv Saúde. 2015;24(3):497-506. [DOI: http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742015000300015].

25. Scholte RG, Gosoniu L, Malone JB, Chammartin F, Utzinger J, Vounatsou P. Predictive risk mapping of schistosomiasis in Brazil using Bayesian geostatistical models. Acta Trop. 2014;132:57-63. [DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.actatropica.2013.12.007].

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2017 Raquel Lopes Martins Souza, Cybele Gargioni, Rosângela Vieira Siqueira, Rita Maria da Silva, Pedro Luiz Silva Pinto, Herminia Yohko Kanamura

Downloads

Não há dados estatísticos.