Avaliação das condições higienicossanitárias em restaurantes comerciais de Vitória, ES
PDF

Palavras-chave

boas práticas
segurança de alimentos
legislação sanitária
lista de verificação

Como Citar

1.
Lyra GR de, Motta MC de M, São José JFB de. Avaliação das condições higienicossanitárias em restaurantes comerciais de Vitória, ES. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 1º de janeiro de 2017 [citado 17º de julho de 2024];76:1-7. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/33545

Resumo

O controle das condições higienicossanitárias em restaurantes é tarefa árdua, pois a contaminação pode ocorrer em diferentes etapas do preparo dos alimentos. Objetivou-se avaliar as Boas Práticas de Manipulação e a contaminação microbiológica de ambientes e de superfícies de preparo em restaurantes comerciais de Vitória, ES. A pesquisa foi realizada de fevereiro a maio de 2015, e na primeira etapa foi feita a avaliação de Boas Práticas por meio de lista de verificação baseada na Resolução RDC 216/2004. Na segunda etapa foram coletas amostras do ar e de superfícies de preparo e de utensílios. O percentual de adequação aos itens avaliados nos restaurantes (n=8) variou de 39,59 % a 83,61 %. Três restaurantes apresentaram de 76 a 100 % e quatro de 51 a 75 % de atendimento aos itens. As contagens médias de mesófilos aeróbios e fungos filamentosos e leveduras no ar estavam acima de 30 UFC/cm2 /semana. Foram observadas contagens elevadas em superfícies de bancadas e utensílios, e em todos os restaurantes havia alguma superfície de preparo com contagem superior ao limite máximo estipulado pela American Public Health Association. Medidas de controle devem ser implementadas nos restaurantes para contribuir no fornecimento de refeições seguras aos consumidores.
https://doi.org/10.53393/rial.2017.v76.33545
PDF

Referências

1. Coelho AI, Milagres RC, Martins JF, Azeredo RM, Santana AM. Contaminação microbiológica de ambientes e de superfícies em restaurantes comerciais. Cien Saude Colet. 2010; 15(1): 1597-606. [DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000700071].

2. São José JF. Contaminação microbiológica em serviços de alimentação. Nutrire Rev Soc Bras Aliment Nutr. 2012;37(1):78-92. [DOI: http://dx.doi.org/10.4322/nutrire.2012.007].

3. Afifi HS, Abushelaibi AA. Assessment of personal hygiene knowledge, and practices in Al Ain, United Arab Emirates. Food Control. 2012;25(1):249-53. [DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.foodcont.2011.10.040].

4. Andrade NJ. Higiene na indústria de alimentos: avaliação e controle da adesão e formação de biofilmes bacterianos. São Paulo: Varela; 2008.

5. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 216, de 15 de setembro de 2004. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil.Brasília, DF, 16, set. 2004. Seção 1, nº 179. p.25-8.

6. Doménech-Sánchez A, Laso E, Pérez MJ, Berrocal CI. Microbiological levels of randomly selected food contact surfaces in hotels located in Spain during 2007-2009. Foodborne Pathog Dis. 2011;8(9):1025-9. [DOI: http://dx.doi.org/10.1089/fpd.2011.0856].

7. Byrne B, Lyng J, Dunne G, Bolton DJ. An assessment of the microbial quality of the air within a pork processing plant. Food Control. 2008;19(9):915-20. [DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.foodcont.2007.08.016].

8. Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos e a Lista de Verificação das Boas Práticas de Fabricação em Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos. Diário Oficial [da] União. Brasília, DF, 23, out. 2002. Seção 1, nº 206. p.126-30.

9. American Public Health Association - APHA. Compendium of Methods for the Microbiological Examination of Foods. 3rd ed. Washington: APHA; 2001.

10. Silva CB, Oliveira AB. Avaliação da qualidade higiênico-sanitária em restaurantes indicados por guia de estabelecimentos da cidade de Porto Alegre. Nutrire Rev Soc Bras Aliment Nutr. 2009; 34(3):109-23.

11. Ribeiro LL, Carvalho EL, Pilon L. Análise de perigos e pontos críticos de controle no preparo de pratos à base de creme de maionese caseiro em restaurante, self-service. Hig Aliment.2000;14(68-69):93-100.

12. Andrade NJ, Silva RM, Brabes KC. Avaliação das condições microbiológicas em unidades de alimentação e nutrição. Ciênc agrotec. 2003; 27(3):590-6. [DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-70542003000300014].

13. Kochanski S, Pierozan MK, Mossi AJ, Treichel H, Cansian RL, Ghisleni CP et al. Avaliação das condições microbiológicas de unidade de alimentação e nutrição. Alim Nutr [Internet]. 2009;20(4):663-8. Disponível em: [http://serv-bib.fcfar.unesp.br/seer/index.php/alimentos/article/viewFile/1264/873].

14. Di Ciccio P, Vergara A, Festino AR, Paludi D, Zanardi E, Ghidini S et al. Biofilm formation by Staphylococcus aureus on food contact surfaces: relationship with temperature and cell surface hydrophobicity. Food Control. 2015;50(1):930-6. [DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.foodcont.2014.10.048]

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2017 Grazielli Ramos de Lyra, Maria Clara de Moraes Motta, Jackline Freitas Brilhante de São José

Downloads

Não há dados estatísticos.