Condições higienicossanitárias em serviços de nutrição hospitalar durante período de intervenção
PDF

Palavras-chave

desinfecção das mãos
inspeção sanitária
indicadores de qualidade
capacitação profissional

Como Citar

1.
Stangarlin-Fiori L, Medeiros LB, Serafim AL, Ponchek VL, Hecktheuer LHR. Condições higienicossanitárias em serviços de nutrição hospitalar durante período de intervenção. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 1º de janeiro de 2017 [citado 21º de julho de 2024];76:1-7. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/33547

Resumo

O objetivo do estudo foi avaliar as condições higienicossanitárias de serviços de nutrição hospitalar, durante período de intervenção sistemática, baseado nos requisitos de higiene pessoal e ambiental. Foram avaliadas 15 unidades, por meio de lista de verificação e realizou-se análise microbiológica das mãos dos manipuladores e superfícies de apoio, antes e após intervenção. A intervenção foi elaborada e implementada nos serviços de nutrição hospitalar, durante um ano, por profissional terceirizado, sendo composto por três etapas: 1) aplicação da lista de verificação e plano de ação; 2) capacitações; 3) visitas mensais para motivação dos manipuladores e responsáveis técnicos, auxílio e acompanhamento na implementação dos requisitos de higiene pessoal e ambiental. Foram avaliados os microrganismos aeróbios mesófilos, Staphylococcus aureus, coliformes totais e termotolerantes. Constatou-se que os serviços de nutrição hospitalar melhoraram as condições de higiene pessoal e ambiental e diminuíram a contaminação nas mãos e superfícies, após intervenção. Conclui-se que a intervenção sistemática por profissional externo auxiliou na adequação das condições higienicossanitárias nos serviços de nutrição hospitalar e proporcionou mudanças positivas no comportamento dos manipuladores.
https://doi.org/10.53393/rial.2017.v76.33547
PDF

Referências

1. Stangarlin L, Hecktheuer LH, Serafim AL, Medeiros LB. Evaluation of hygienic-sanitary conditions of hospital nutrition and dietary services from the perspectives of internal and external auditors. Food Sci Technol. 2013;33(3):521-5. [DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-20612013005000058].

2. World Health Organization. Improving nutrition outcomes with better water, sanitation and hygiene: practical solutions for policies and programmes. Geneva, Switzerland; 2015. Disponível em: [http://www.who.int/water_sanitation_health/publications/washandnutrition/en/]

3. Lund BM, O’Brien SJ. Microbiological safety of food in hospitals and other healthcare settings. J Hosp Infect. 2009;73(2):109-20. [DOI: http://dx.doi.org/10.016/j.jhin.2009.05.017].

4. World Health Organization. Five Keys to Safer Food Manual. Geneva, Switzerland; 2006. Disponível em: [http://www.who.int/foodsafety/publications/5keysmanual/en/].

5. Serafim AL, Hecktheuer LH, Stangarlin-Fiori L, Medeiros LB, Martello L, Machado CE. Evaluation of the implementation of good handling practices in food and beverage areas of hotels. J Food Prot. 2015;78(11):2043–51. [DOI: https://dx.doi.org/10.4315/0362-028X.JFP-15-144].

6. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 216, de 15 de setembro de 2004. Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 16 set. 2004. Seção 1, no 179. p25-8.

7. Rio Grande do Sul. Secretaria da Saúde. Portaria n° 78, de 30 de janeiro de 2009. Aprova a Lista de Verificação em Boas Práticas para Serviços de Alimentação, aprova Normas para Cursos de Capacitação em Boas Práticas para Serviços de Alimentação e dá outras providências. Diário Oficial [do] Estado do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, RS, 30 jan. 2009. Disponível em: [http://www.tramandai.rs.gov.br/download/portaria_estadual_078_2009.pdf ].

8. Vanderzant C, Splittstoesser F. Compendium of Methods for the Microbiological Examination of Foods. 4th ed. Washington (DC): APHA; 2001.

9. Balzaretti CM, Marzano MA. Prevention of travel-related foodborne diseases: Microbiological risk assessment of food handlers and ready-to-eat foods in northern Italy airport restaurants. Food Control. 2013;29(1):202-7. [DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.foodcont.2012.05.077].

10. Henroid Jr DH, Mendonca AF, Sneed J. Microbiological evaluation of food contact surfaces in Iowa schools. Food Prot Trends. 2004;24(9):682-5.

11. Sneed J, Strohbehn C, Gilmore SA, Mendonca A. Microbiological evaluation of foodservice contact surfaces in Iowa assisted-living facilities. J Am Diet Assoc. 2004;104(11):1722–4. [DOI: http://dx.doi:10.1016/j.jada.2004.08.026].

12. Lambrechts AA, Human IS, Doughari JH, Lues JF. Bacterial contamination of the hands of food handlers as indicator of hand washing efficacy in some convenient food industries in South Africa. Pak J Med Sci. 2014;30(4):755–8.

13. Lopes LF, Müller I, Souza AM, Ansuj AP, Moraes DAO, Moreira Junior FJ et al. Cadernos didáticos: estatística geral. 3ª ed. Santa Maria (RS): CCNE; 2008, 209p.

14. Medeiros MG, Carvalho LR, Franco RM. Percepção sobre a higiene dos manipuladores de alimentos e perfil microbiológico em restaurante universitário. Ciênc Saúde Colet. 2017;22(2):383-92. [DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232017222.17282015]

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2017 Lize Stangarlin-Fiori, Laissa Benites Medeiros, Ana Lúcia Serafim, Vera Lucia Ponchek, Luisa Helena Rycheki Hecktheuer

Downloads

Não há dados estatísticos.