O uso de equipamentos de proteção individual (EPIs) e coletiva (EPCs) nos acidentes ocorridos em um laboratório de saúde pública no período de maio de 1998 a maio de 2002

Autores

  • Marise Simões Instituto Adolfo Lutz - Laboratório Regional de Campinas, Campinas, SP
  • Eneida Gonçalves Lemes-Marques Instituto Adolfo Lutz - Laboratório Regional de Campinas, Campinas, SP
  • Paulo Flávio Teixeira. Chiarini Instituto Adolfo Lutz - Laboratório Regional de Campinas, Campinas, SP
  • Maria de Fátima Costa Pires Instituto Adolfo Lutz - Laboratório Central de São Paulo, São Paulo, SP

DOI:

https://doi.org/10.53393/rial.2003.v62.34923

Palavras-chave:

biossegurança, laboratório, acidentes, EPIs, EPCs

Resumo

A saúde dos trabalhadores tem merecido atenção do Sistema Nacional de Saúde e de organizações internacionais. Este estudo teve como objetivo avaliar os 38 acidentes registrados no período de maio de 1998 a maio de 2002 num laboratório de saúde pública, a relação com o não uso ou o uso inadequado de EPIs e EPCs pelos funcionários e a quantidade de horas trabalhadas pelos  profissionais quando da ocorrência dos acidentes. Os dados foram obtidos nas fichas de registro de acidentes de trabalho elaboradas pelo grupo de biossegurança local e preenchidas durante entrevista com os acidentados. Os acidentes foram agrupados segundo a sua natureza, em cinco categorias: queimaduras (calor, frio, ácido); pérfuro-cortantes; amostras biológicas; transporte de amostras; incêndios. Foram registrados 38 acidentes envolvendo 30 pessoas, sendo: 7 casos (18,42%) em 1998 (maio a dezembro); 10 (26,32%) em 1999; 7 (18,42%) em 2000; 7 (18,42%) em 2001 e 7 (18,42%) em 2002 (janeiro a maio). O acidente mais freqüente (37%) ocorreu com amostras biológicas, seguido pelos pérfuro-cortantes (24%). Os EPIs estavam sendo utilizados de maneira incorreta ou incompleta em 22 dos acidentes relatados. Conclui-se, portanto, que é de fundamental importância a prevenção de acidentes frente a situações de risco em  laboratório...

Referências

1. Almeida, I. M. Quebra de Paradigma. Revista Produção, 125: 80-5, 2002.

2. Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA, Serviço de Saúde Pública. Biossegurança em Laboratórios Biomédicos e de Microbiologia, 4ª ed., Washington, CDC, 1999, 275p.

3. Calhoun, G. Hospitals are high-stress employers. Hospitals, p. 171-6, 1980.

4. Costa, M.A F. Qualidade em biossegurança. Rio de Janeiro, Qualitymark Ed., 2000, 116p.

5. Costa Neto, C. et al. Análise de riscos em laboratórios de saúde pública no Brasil. Livro de resumos do II Congresso Brasileiro de Biossegurança e II Simpósio Latino Americano de Produtos Transgênicos, ANBio. Salvador, BA, Brasil, p.187-8, 2001.

6. Fayel, B. J. et al. Frequency of nonparenteral occupational exposures to blood and body fluids before and after universal precautions training.Am. J. Med., 90 (2): 145-53, 1991.

7. Moreira, M. et al. Avaliação de acidentes percutâneos e percentil de soroconversão em profissionais de saúde de um hospital. Livro de resumos do Congresso Brasileiro de Controle de Infecção e Epidemiologia Hospitalar, 6. Campos do Jordão, SP, Brasil, p. 224, 1998.

8. Oda, L.M.; Ávila, S.M. et al. (org.). Biossegurança em laboratórios de Saúde Pública. 2ª ed., Brasília: Ministério da Saúde e Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz, Brasil, 1998. 304p.

9. Siqueira, L.F.G. et al. Biossegurança em laboratórios de DST, Parte I. Rev. Bras. de Saúde Ocupacional, 65 (17):, São Paulo,1989, p.16-24.

10. Siqueira, L.F.G. et al. Biossegurança em laboratórios de DST, Parte II. Rev. Bras. de Saúde Ocupacional, 65 (17): São Paulo, 1989,p.24-32.

11. Souza, M.M. Biossegurança no laboratório clínico. Teresópolis, RJ, Livr. e Edit. Eventos, 1998, 291 p.

12. Souza, M. Acidentes ocupacionais e situações de risco para a equipe de enfermagem: um estudo em cinco hospitais do município de São Paulo. São Paulo, 1999. [Tese de Doutorado - Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo].

13. Sperandio, J.C. Les processus cognitifs au cours du travail. In: Cazamian, P.; Hubault, F.; Noulin, M. Traité d’ergonomie. Toulouse: Octares Édition, 1996, p.181-90.

14. Uva, A.S. e Faria, M. Riscos Ocupacionais em hospitais e outros estabelecimentos de saúde. Edição conjunta do SIM e da FNAME, 1992

Publicado

2003-08-29

Como Citar

Simões, M. ., Lemes-Marques, E. G. ., Chiarini, P. F. T. ., & Pires, M. de F. C. . (2003). O uso de equipamentos de proteção individual (EPIs) e coletiva (EPCs) nos acidentes ocorridos em um laboratório de saúde pública no período de maio de 1998 a maio de 2002. Revista Do Instituto Adolfo Lutz, 62(2), 105–9. https://doi.org/10.53393/rial.2003.v62.34923

Edição

Seção

ARTIGO ORIGINAL

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)