Avaliação físico-química e higiênico-sanitária do suco de laranja fresco engarrafado e do suco pasteurizado
PDF
pdf

Palavras-chave

Suco de laranja fresco
suco de laranja fresco pasteurizado
características físicoquímicas
qualidade higiênico-sanitária
legislação

Como Citar

1.
Iha MH, Fávaro RMD, Okada MM, Prado S de PT, Bergamini AMM, Oliveira MA de, Garrido NS. Avaliação físico-química e higiênico-sanitária do suco de laranja fresco engarrafado e do suco pasteurizado. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 29º de dezembro de 2000 [citado 16º de julho de 2024];59(1-2):39-44. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/35052

Resumo

O suco de laranja é um alimento rico em nutrientes e muito consumido em diversas partes do mundo. Ribeirão Preto e Araraquara são cidades do interior do Estado de São Paulo - Brasil, nas quais surgiram nos últimos anos, muitas processadoras de suco de laranja fresco e pasteurizado. O objetivo desse estudo foi avaliar a qualidade físico-química e higiênico-sanitária do suco de laranja fresco e pasteurizado produzidos e/ou comercializados nessas duas cidades. Foram analisadas 130 amostras de suco fresco provenientes de diferentes processadoras de suco de laranja localizadas em Ribeirão Preto e  Araraquara e 33 amostras de suco pasteurizado de processadoras localizadas em diferentes cidades do Estado de São Paulo. Os resultados desse estudo mostraram que 48,5% das amostras de suco fresco apresentaram-se fora dos padrões físico-químicos estabelecidos pela legislação brasileira, 6,1% estavam em desacordo quanto ao exame microscópico e 50,0% quanto ao microbiológico. Dentre as amostras de suco pasteurizado, 9,1% e 15,6 % apresentaram-se fora dos padrões quanto às análises físico-químicas e ao exame microscópico, respectivamente. Nenhuma das amostras de suco fresco pasteurizado apresentouse fora dos padrões microbiológicos.

https://doi.org/10.53393/rial.2000.59.35052
PDF
pdf

Referências

1. Akinyele, I.O.; Keshinro, O.O.; Akinnawo, O.O. Nutrient losses during and after processing of pineapples and oranges. Food Chemistry, 37(3): 181-8, 1990.

2. American Public Health Association. Technical Committee on Microbiological Methods for Foods. Compendium of methods for the microbiological examination of foods, 3rd ed., Washington, D.C.: C. Vanderzant & D.F. Splittstoesser; 1992.

3. American Public Health Association. Intersociety/Agency Committee on Microbiological Methods for Foods. Compendium of methods for the microbiological examination of foods. Washington: Marvin L. Speck, APHA; 1996.

4. Association Official Analytical Chemists. Methods of Analysis of the Association of Official Analytical Chemists, 15th ed., Washington, D. C.: A.O.A.C.; 1990.

5. Bettini, M. F. M. Estudo de aromas cítricos através de métodos sensoriais, cromatográficos e espectrofotométricos. São Carlos, 1995. [Tese de Doutorado – Instituto de Química de São Carlos, Universidade de São Paulo].

6. Brasil, leis, decretos, etc.... Instrução Normativa nº. 1 de 7 de janeiro de 2.000 do Ministério da Agricultura e Abastecimento. Regulamento técnico geral para fixação dos padrões de identidade e qualidade para polpa de fruta. Diário Oficial da União, 10 jan. 2000. Seção 1, 54-58.

7. Brasil, leis, decretos, etc.... Portaria nº. 371 de 9 de setembro de 1.974 do Ministério da Agricultura. Diário Oficial da União, Brasília, 18 jun. 1959. Seção 1, 26-27.

8. Brasil. leis, decretos, etc.... Portaria nº 451 de 19 de setembro de 1997 da Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde. Aprova o Regulamento Técnico – Princípios Gerais para o Estabelecimento de critérios e Padrões Microbiológicos para Alimentos.... Diário Oficial da União, 2 de julho de 1998. Seção 1, 4.

9. Decio, P.; Gherardi, S. Freshly squeezed orange juice. Confructa Studien, 36(5/6): 162-7, 1992.

10. Gava, J. A. Princípios de Tecnologia de Alimentos, 7a. ed. Guarulhos, 1988.

11. Instituto Adolfo Lutz. Normas Analíticas do IAL: métodos químicos e físicos para análise de alimentos, 1, 3a. ed., São Paulo, 1985.

12. Marques, D.S. Citrus juice processing in Brazil. Transactions of the Citrus Engineering Conference, 39:71-84, 1993.

13. Martín, J.J.; Solanes, E.; Bota, E.; Sacho, J. Evolución química y organoléptica del zumo de naranja pasteurizado. Alimentaria, 261:59-63, 1995.

14. Menezes Jr, J.B.F. Investigação sobre o exame microscópico de algumas substâncias alimentícias. Rev. Inst. Adolfo Lutz, 9:18-77, 1949.

15. Ministério da Agricultura. Ofício Circular nº. 04/96 – GAB / CIV / DDIV / DAS, 20/03/96.

16. Ministério da Agricultura. Ofício Circular nº. 05/96 – GAB / CIV / CGIV / SDA.

17. Nisida, A.L.A.C. et al. Estabilidade de suco de laranja não pasteurizado, armazenado a 4°C. Colet. ITAL, 23(2): 173-80, 1993.

18. Pandolfo, S. C.N.; Faria, J.A.F. Fatores que influem na qualidade do suco de laranja. Ciência e Tecnologia de Alimentos, 19: 153-160, 1999.

19. Pessôa, G.V.A.; Silva, E.A.M. Milieu pour l’identification présomptive rapide des enterobactéries, des aeromonas et des vibrions. Ann. Microbiol., 125A: 341, 1974.

20. Raguenet Troccoli, I. Exportações menores em 1994/95. Agroanalysis, 14(2): 19-20, 1994.

21. Rodriguez, O. et al. Citricultura brasileira. 2.ed., Campinas, Fundação Cargill, 1991.

22. Santos, M.C.; Rodrigues, R. M.M. S.; Zamboni, C. Q. Sucos de maracujá, tamarindo e uva: método de análise das condições higiênicas. Rev. Inst. Adolfo Lutz, 50(1/2): 239-243, 1990.

23. São Paulo. Leis, decretos, etc. Decreto Estadual nº. 12.486 de 20 out. 1978. Aprova normas técnicas especiais relativas a alimentos e bebidas. Diário Oficial, São Paulo. (NTA 22 e 24).

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2000 Maria Helena Iha, Rosa Maria D. Fávaro, Marina M. Okada, Sônia de Paula T. Prado, Alzira Maria M. Bergamini, Maria Aparecida de Oliveira, Neusa S. Garrido

Downloads

Não há dados estatísticos.