Incidência do gênero Haemophilus nas conjuntivites purulentas em crianças na região de Campinas, SP
pdf

Palavras-chave

Conjuntivites purulentas
Crianças
Distribuição sazonal

Como Citar

1.
Raskin M, Rocha MMM, Landgraf IM, Mezzacapa-Neto B. Incidência do gênero Haemophilus nas conjuntivites purulentas em crianças na região de Campinas, SP. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 30º de dezembro de 1993 [citado 28º de maio de 2024];53(1-2):59-62. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/36055

Resumo

O estudo de 354 conjuntivites purulentas, em crianças com menos de 10 anos de idade, na região de Campinas, teve como objetivo principal verificar a presença do Haemophilus influenzae biogrupo aegyptius incriminado como o agente etiológico da Febre Purpúrica Brasileira nessa população. Dentre as 264 bactérias identificadas, este microorganismo foi observado em 16,29%, Haemophilus influenzae em 34,09%, Staphylococcus aureus em 10,61% e Staphylococcus sp. em 14,39% dos casos. A maior positividade desses casos ocorreu entre a faixa etária de 0 (zero) a 2 (dois) anos (60,27%). A distribuição sazonal indicou a prevalência do Haemophhlus influenzae no período de clima frio e do Haemophilus influenzae biogrupo aegyptius no período de clima quente.

https://doi.org/10.53393/rial.1993.53.36055
pdf

Referências

1. BRANDlLEONE, M.C.C. et alii - Febre Purpúrica Brasileira, caracterização rápida das cepas invasoras de Haemophilus aegyptius. Rev. Inst. Med. Trop. S. Paulo, 31(4):221-227,1989.

2. BRENNER, D.J. et alii - Biochemical, Genetic and Epidemiologic Characterization of Haemophilus influenzae biogroup aegyptius (Haemophilus aegyptius) strains associated with Brazilian Purpuric Fever. Journal of clinical Microbiology, 26(8): 1.524-1534, 1988.

3. DIFCO MANUAL. Difco Laboratories, Detroit, Michigan, 10th ed., 1984, p. 758.

4. HUET, M. - Premiers résultats de l'étude de 120 souches de bacilles du genre Haemophilus isolées de conjuntivites. Archives de l'Institut Pasteur de Tunis, 33:65-79,1956.

5. KILIAN, M. - Haemophilus. In: BALOWS, A., HAUSLER JR., W.J., HERRMANN, K.L., ISENBERG, H.D. & SHADOMY, H.J., (eds.) Manual of clinical Microbiology, 5th ed., Washington, American Society for Microbiology, 1991, p. 463-470.

6. KILlAN, M. & BIBERSTEIN, E.L. - Haemophilus. In: KRIEG, N.R. & HOLT, J.G, eds. Bergey's Manual of Systematic Bacteriology. Baltimore, WiIliams & Wilkins, c.1984, vol. 1, p. 558-569.

7. KILIAN, M. et alii - The taxonomy of Haemophili isolated from conjunctivae. Acta. path. microbiol. scand: Sect B 84:132-138,1976.

8. NORMAS ANALÍTICAS DO INSTITUTO ADOLFO LUTZ, 2:34, 1982.

9. PESSOA, G.V.A. & SILVA, E.A.M. - Meios de Rugai lisina motilidade combinados em um só tubo para a identificação presuntiva de enterobactérias. Rev. Inst. Adolfo Lutz, 32:97-100, 1972.

10. PITTMAN, M. & DAVIS, DJ. - Identification of the Koch-Weeks bacillus (Haemophilus aegyptius). J. Bact., 59:413-426, 1950.

11. SANDSTRÖN INGER, K.M.D. et alii – Microbial causes of neonatal conjunctivitis. The Journal of Pediatrics; 105(5):706-711, 1984.

12. SIEGEL, J.D. - Eye infections encountered by the pediatrician. Pediatric Infect. Dis., 5(6):741-748, 1986.

13. VEDROS, N.A. -s Neisseria: In: KRIEG, N.R. & HOLT, J.G., eds. Bergey's Manual of Systematic Bacteriology. Baltimore, Williams & Wilkins, c. 1984, vol. 1, p.290-296.
Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 1993 Mathilde Raskin, Marilu Mendes Moscardini Rocha, Ilka Maria Landgraf, Braz Mezzacapa-Neto

Downloads

Não há dados estatísticos.