Importância das plantas ornamentais dos aquários como veículos de propagação de vetores de Schistosoma mansoni
pdf

Palavras-chave

Biomphalaria sp., dispersão através de aquários
Schistosoma mansoni, vetores
esquistossomose, São Paulo, Brasil
Biomphalaria straminea no Vale do Ribeira, São Paulo, Brasil

Como Citar

1.
Corrêa L de L, Corrêa MO Álvares, Vaz JF, Silva MIPG da, Silva RM da, Yamanaka MT. Importância das plantas ornamentais dos aquários como veículos de propagação de vetores de Schistosoma mansoni. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 30º de dezembro de 1980 [citado 28º de maio de 2024];40(2):89-96. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/36974

Resumo

Em 1970, CORRÊA et alii comprovaram a introdução de Biomphalaria straminea em São Paulo, através de peixes provenientes do Amazonas e Ceará, que foram colocados em tanques de criação em Barra Bonita e Americana em São Paulo. Este fato e a introdução, na Austrália, de vetores de Schistosoma mansoni através da importação de aquários de Hong-Korig, levaram os autores a pesquisar aquários comercializados na cidade de São Paulo, Brasil. Os peixes ornamentais desta pesquisa provêm do exterior, do Norte e do Nordeste do Brasil e as plantas aquáticas, de várias regiões do país. Foram visitadas onze lojas do ramo e, em nove, foi comprovada a existência de vetores de S. mansoni; B. straminea, o mais importante vetor do Nordeste, foi encontrado em oito lojas e B. teruiçophila, em três. Em face da permanente imigração de nordestinos para o Estado de São Paulo, e da atual expansão da esquistossomose mansoni avulta o interesse no encontro de novos mecanismos de dispersão de planorbídeos, a exigir adequadas medidas de vigilância epidemiológica.

https://doi.org/10.53393/rial.1980.40.36974
pdf

Referências

1. CORRÊA, R.R.; MURGEL, G.M.T.; PIZA, J.T.; RAMOS, A.S.; DIAS, L.C.S.; MORAES, L.V.C. & ROSÁRIO, F.F. - Dispersão de Biom phalaria st.rarnitiea, hospedeira intermediária do Schistosoma mansoni, através da distribuição de peixes. Rev. Saúde Pública, 4:117-27, 1970.

2. MEIER-BROOK, C.M. - A snai! intermediatc host of Schistosoma mansoni in troduced to Hong-Kong. Geneva, WHO, s.d. (WHO/ SCHISTO /75.37)

3. PARAENSE, W.L. - The distribution of th e mulluscan vectors of schistosomiasis in the Americas. Bvaeilia méd., 11: 11-14, 1975.

4. PARAENSE, W.L. - Estado atual da sistemática dos planorbídeos brasileiros (Mullusca, Gastropoda). Arq. Mus. nac. Rio de J., 55: 105-128, 1975.

5. PARAENSE, W.L. - Fauna planorbídica do Brasil. In: LACAZ, C.S.; BARUZZI, R.G. & SIQUEIRA JR., W. - Introdução à geografia médica do Brasil. São Paulo, Edgard Blücher/EDUSP, 1972. p. 213-39.

6. RAMOS, A.S.; PIZA, J.T.; PINTO, G.E.; TION, T.; FLEURY, G.C.; MORAES, L. V.C. & CAMPOS, L.L. - Focos ativos de esquistossomose mansoni no Vale do Ribeira, Estado de São Paulo, Brasil. Rev. Saúde Pública, 3 :59-65, 1969.
Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 1980 Lúcia de Lacerda Corrêa, Marcelo Osvaldo Álvares Corrêa, Jorge Faria Vaz, Maria Ivani P. Gonçalves da Silva, Rita Maria da Silva, Maria Terumi Yamanaka

Downloads

Não há dados estatísticos.